Os paradoxos da liberdade no pensamento antropológico e político de Rousseau

Autores

  • Leonel Ribeiro dos Santos Universidade de Lisboa

Resumo

A palavra Liberdade (Liberté) está de tal modo presente nos escritos de Rousseau que dessa insistência se pode inferir a importância desse tópico na estruturação do pensamento político do filósofo. E, todavia, devido à sua polissemia e à grande diversidade dos contextos em que ocorre, nada ele tem de convencional e óbvio, apresentando-se antes de forma paradoxal, dando azo a interpretações diametralmente opostas a respeito do sentido e do alcance da proposta política do autor de O Contrato Social. Devem-se tais interpretações divergentes a contradições ou ambiguidades do pensamento do filósofo, que gosta de inventar paradoxos? Ou devem-se antes à natureza do próprio problema da existência política, que talvez não admita solução definitiva, pois não se trata nele apenas de um paradoxo do pensamento, mas sim de um paradoxo realmente inscrito na própria condição social do homem? Assim, o propósito do ensaio é contribuir para a elucidação da polissémica noção de liberdade do filósofo genebrino e desse modo também para sugerir uma resposta à questão relativa ao sentido da sua proposta de solução do problema político.

Palavras-chave: Liberdade. Paradoxo. Contrato Social. Vontade Geral. Voluntarismo.

Downloads

Publicado

2017-10-24

Como Citar

DOS SANTOS, L. R. Os paradoxos da liberdade no pensamento antropológico e político de Rousseau. Revista Linhas, Florianópolis, v. 18, n. 38, p. 304 - 343, 2017. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/linhas/article/view/1984723818382017304. Acesso em: 27 jul. 2021.