As consequências da censura na dramaturgia de Plínio Marcos

Autores

  • Fernando Freitas dos Santos UDESC- UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

DOI:

https://doi.org/10.5965/1808312910132015016

Resumo

O presente artigo visa analisar a participação do dramaturgo Plínio Marcos na turbulenta vida cultural brasileira no período ditatorial. Plínio Marcos é um dos autores teatrais mais importantes do teatro brasileiro na época da ditadura militar. Nascido em Santos, em 1935, escreveu peças de grande sensibilidade, levando para o palco a realidade das classes sociais do subproletariado urbano. Suas peças abrem caminho para os protestos de grupos que se julgam oprimidos: biscateiros, prostitutas, travestis, mendigos, cafetões, catadores de papel. Os dramas de Plínio Marcos atribuem ao social um pano de fundo que salienta os conflitos interindividuais, forçosamente psicológicos. Movido por um forte sentido de solidariedade humana e com as armas de um talento que alguns julgam questionável, Plínio faz de suas peças um libelo à dura realidade dos marginalizados e lança à sociedade e à cultura um desafio a certa obrigação ética de tratar a realidade cruamente. Isto implica a reavaliação de toda a estrutura social e um certo compromisso de transformação, que Plínio Marcos alcança através da identidade marginal de seus personagens e a sua auto-caracterização como autor marginal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Freitas dos Santos, UDESC- UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

Mestrando em Teatro pela Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC. Especialista em Arte e Educação pelo Instituto São Francisco de Assis, Faculdade Iguaçu. Licenciado em Artes Cênicas pela Universidade Federal da Grande Dourados, em período de bolsa sanduíche pelo Programa PAME/UDUAL na Universidad de Guanajuato, México.

Downloads

Publicado

2015-06-29

Como Citar

DOS SANTOS, F. F. As consequências da censura na dramaturgia de Plínio Marcos. DAPesquisa, Florianópolis, v. 10, n. 13, p. 016-30, 2015. DOI: 10.5965/1808312910132015016. Disponível em: https://periodicos.udesc.br/index.php/dapesquisa/article/view/5049. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos