História e Memória em Assassin's Creed (2007-2015)

Robson Scarassati Bello

Resumo


Este artigo pretende apresentar e problematizar as representações sobre História e Memória na série de jogos eletrônicos Assassin’s Creed entre 2007 e 2015. Esses games pretenderam reconstituir diferentes e múltiplos tempos históricos a partir da imersão de um personagem do presente nas experiências de um antepassado por meio da tecnologia. Os jogos eletrônicos, setor cada vez mais importante da indústria cultural, representam o passado por meio de mecanismos particulares: narrativa contada através de eventos, ambientes que permitem a exploração espacial e, sobretudo, as possibilidades de interatividade com esses elementos. Através da dimensão popular da circulação de mercadorias culturais audiovisuais, condicionam e impactam o imaginário de certos momentos históricos ao reinterpretá-los à luz de discussões contemporâneas e de seu próprio formato. No caso de Assassin’s Creed, essa releitura constitui uma visão supostamente multicultural do passado lido em uma conspiração dicotômica entre a luta entre dos Assassinos, defensores da liberdade, contra os Templários, que utilizam mecanismos sociais para a ordem, o controle e a tirania. Fundamentam estas perspectivas, interpretações próprias sobre a “verdade histórica”, a memória coletiva e o objetivo de criar um produto de entretenimento.

Palavras-chave: História. Memória. Videogame.


Texto completo:

PDF

Referências


AARSETH, E. Cybertext: Perspectives on Ergodic Literature.Baltimore:John Hopkins University, 1997.

ADORNO, T.; HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985. Trad. Guido Antonio de Almeida.

BULLINGER, Jonathan M ; SALVATI, Andre J.. Selective Authenticity and the Playable Past. In: KAPPELL, Mathew Wilhelm; ELLIOT, Andrew B.R. (orgs). Playing with the Past. Digital Games and the Simulation of History. New York: Bloomsbury, 2013.

CARSON, Don. Enviromental Storytelling: Creating Immersive 3D Worlds using Lessons learned from the Theme Park Industry. Gamasutra, 1 mar. 2010. Disponível em: http://www.gamasutra.com/features/2000301/carson_pfv.htm Acesso em: 21 abr. 2013.

CHARTIER, R. A História Cultural. Entre Práticas e Representações. Lisboa: DIFEL, 1990.

ELLIOT, Andrew B.R.; KAPPELL, Mathew Wilhelm. (orgs). Playing with the Past. Digital Games and the Simulation of History. New York: Bloomsbury, 2013.

FRASCA, G. Play the Message: Play, Game and Videogame Rethoric. 2007. 213 f. Tese de Doutorado em Filosofia. IT University of Copenhagen, Copenhagen. 2007

FRUM, Lary. American history unfolds in 'Assassin's Creed 3'. CNN, 19. oct. 2012. Disponível em: . Acesso em 01 ago. 2014.

GIBSON, Sean. Assassin's Creed Interview: Concept Artist Gilles Beloei. Gaming illustrated, 05 nov. 2012. Disponível em: Acesso em: 07 ago. 2014.

GIRARDET, Raoul. Mitos e Mitologias Políticas. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

GRAU, O. Arte Virtual da ilusão à imersão. São Paulo: Editora UNESP, 2007.

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. São Paulo: Ed. Centauro, 2004

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de janeiro: DP&A; 2005.

HUIZINGA, J. Homos ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 1980.

JAMESON, F. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 2007

LÉVY, P. Cibercultura. Rio de Janeiro: Editora 34, 2010.

LEWIS, B. Os Assassinos. Os primórdios do terrorismo no Islã. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

MARTEL, F. Mainstream. A guerra global das mídias e das culturas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. A História, Cativa da Memória? Para um Mapeamento da Memória no Campo das Ciências Sociais. In: Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 34, p. 9-23, dec. 1992.

MILLER, M. Assassin’s Creed – The Complete Visual History. San Rafael, CA: Insight Editions, 2015.

MORETTIN, E. O cinema como fonte histórica na obra de Marc Ferro. In: CAPELATO, M. H. R. et. al. (Orgs.) História e Cinema. São Paulo: Alameda, 2007. p.42-64

MURRAY, J. Hamlet no Holodeck: O futuro da narrativa no ciberespaço. SP: Unesp, 2003.

NANCY, Dominique. Historian François Furstenberg works on the video game Assassin's Creed III. Disponível em: . Acesso em: 05 abr. 2017.

NAPOLITANO, M. A escrita fílmica da história e a monumentalização do passado: uma análise comparada de Amistad e Danton. In: CAPELATO, M.H.R. et al. (Orgs.) História e Cinema. São Paulo: Alameda, 2007. p. 67.

NAPOLITANO, M. A História depois do Papel. In: PINSKY, Carla Bassanezi (org.). Fontes Históricas. São Paulo: Contexto, 2008. p. 238.

NITSCHE, Michael. Video Game Spaces. Image, Play, and Structure in 3D Worlds. Massachussets: MIT Press, 2008.

NORA, P. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História da PUC-SP, São Paulo, n.10, dez.1993. p.13. Tradução de Yara Aun Khoury.

OLIVEIRA, Jônatas Kerr de. Videogames e a narrativa seriada: Quest como ferramenta para a construção de mundos. Dissertação (Mestrado em Imagem e Som) - Universidade Federal de São Carlos (UFscar), 2010.

PEARCE, Cecilia. Sims, Battlebots, Cellular Automata God and Go: A conversation with Will Wright by Cecilia Pearce. GAMESTUDIES, v. 2, n. 1, 2002. Disponivel em: Acesso em: 14 ago. 2015.

PLANTE, Chris. ‘Assassin's Creed 3' Team Historian talks inspirations. Polygon, 24 set. 2012. Disponível em: Acesso em: 13 mai. 2014.

POLLAK, Michel. Memória, esquecimento e silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, 1989.

UBISOFT FAZ JOAQUIM BARBOSA VIRAR PERSONAGEM DE ASSASSIN’S CREED. G1. 20 nov. 2013. Disponível em: Acesso em: 30 nov. 2013.

URICCHIO, W. Simulation, History and Computer Games. In:. RAESSENS, J; GOLDSTEIN, J. (Eds). Handbook of Computer Game Studies. Cambridge, MA: MIT PRESS, 2005.

VINHA, Felipe. Ubisoft pede desculpas pela fase brasileira em

Assassin's Creed 3. TECHTUDO, 2014. Disponível em: Acesso em: 25 de Junho de 2013

Žižek, S. Multiculturalism, or, the Cultural Logic of Multinational Capitalism. New Left Review, sep.-oct., 1997. pp. 28-51.

FONTES

ASSASSIN’S CREED. Direção: Patrice Désilets. Produção: Jade Raymond. Roteiro: Corey May. Plataformas: Playstation 3, Xbox 360, Computadores. Montreal, Canadá: Ubisoft, 2007.

ASSASSIN’S CREED II. Direção: Patrice Désilets. Produção: Jade Raymond, Sebastien Puel . Roteiro: Corey May, Joshua Rubin; Jeffrey Yohalem. Plataformas: Playstation 3, Xbox 360, Computadores. Montreal, Canadá: Ubisoft, 2009.

ASSASSIN’S CREED: BROTHERHOOD. Direção: Patrick Plourde. Produção: Sebastien Puel . Roteiro: Corey May, Patrice Désilets, Jeffrey Yohalem. Plataformas: Playstation 3, Xbox 360, Computadores. Montreal, Canadá: Ubisoft, 2010.

ASSASSIN’S CREED: REVELATIONS. Direção: Alexandre Amancio. Produção: Sebastien Puel . Roteiro: Corey May, Darby McDevitt, Richard Farrese, Jeffrey Yohalem, Nicholas Grimwood. Plataformas: Playstation 3, Xbox 360, Computadores. Montreal, Canadá: Ubisoft, 2011.

ASSASSIN’S CREED III. Direção: Alex Hutchinson. Produção: François Pelland. Roteiro: Corey May, Nicholas Grimwood, Rusell Lees, Matt Turner, Ceri Young, Danny Wallace. Plataformas: Playstation 3, Xbox 360, Wii U, PC. Montreal, Canadá: Ubisoft, 2012.

ASSASSIN’S CREED III: LIBERATION HD. Direção: Julian Gollop. Produção: Ivan Balabanov, Momchil Gindyanov. Roteiro: Richard Farrese, Jill Murray. Plataformas: Playstation 3, Xbox 360, Computadores. Sofia, Bulgária: Ubisoft, 2014.

ASSASSIN’S CREED IV: BLACK FLAG. Direção: Jean Guesdon. Produção: Martin Schelling. Roteiro: Darby McDevitt; Mustapha Mahrach; Jean Guesdon, Darby McDevitt. Plataformas: Playstation 3, Playstation 4, Xbox 360, Xbox One, Wii U, Computadores. Montreal, Canadá: Ubisoft, 2013.

ASSASSIN’S CREED ROGUE. Direção: Mikhail Lozanov, Spass Kroushov, Martin Capel, Jean Guesdon. Produção: Ivan Balabanov. Roteiro: Richard Farrese. Plataformas: Playstation 3, Xbox 360, Computadores. Sofia, Bulgária: Ubisoft, 2014.

ASSASSIN’S CREED UNITY. Direção: Alexandre Amancio. Produção: Vincent Pontbriand. Roteiro: Alexandre Amancio; Sylvain Bernard; Travis Stout, Russell Lees, Darby McDevitt, Ceri Young, Jeffrey Yohalem. Plataformas: Playstation 4, Xbox One, Computadores. Montreal, Canadá: Ubisoft, 2014.

ASSASSIN’S CREED SYNDICATE. Direção: Marc-Alexis Côté. Produção: François Pelland. Roteiro: Jeffrey Yohalem. Plataformas: Playstation 3, Xbox 360, Computadores. Quebec, Canada: Ubisoft, 2015.




DOI: https://doi.org/10.5965/2175180311272019304