Imprensa negra e combate ao racismo (Florianópolis, 1914-1925)

Karla Leandro Rascke

Resumo


O presente texto desenvolve análise crítica a respeito da produção e difusão da chamada imprensa negra em Florianópolis nas décadas seguintes à Abolição. Essa ferramenta de comunicação e divulgação compunha estratégia de mobilização de diferentes intelectuais de origem africana preocupados com o combate ao racismo, dimensionando o acesso à educação como meio de ascensão social e instrumento capaz de transformar as desigualdades raciais da sociedade da época. Com base em periódicos da imprensa local e regional, em Estatutos e Atas de associações, mapeamos movimentos de diferentes atores sociais na capital catarinense, em busca de espaços de escolarização, de sociabilidades, de inserção política e cultural. Ancorados em teóricos do campo da cultura da memória e da imprensa, organizamos nossa análise a partir das perspectivas de Taylor (2013), Connerton (1999) e Cruz e Peixoto (2007). Tais teóricos permitem um olhar a respeito das fontes utilizadas, produto de fazeres de intelectuais, “homens de cor letrados”, entre 1914 e 1925, sinalizando formas de mobilização e organização no intento de apontar problemas sociais e os impactos do racismo.

 

Palavras-chave: História. Imprensa Negra. Florianópolis. Pós-Abolição.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTONACCI, Antonieta Martines. Memórias ancoradas em corpos negros. 2ª ed. rev. e ampl. São Paulo: EDUC, 2015.

CALLADO, Petrarcha. Poeta do povo. A Gazeta, Florianópolis, 16 de janeiro de 1945.

CARDOSO, Fernando Henrique; IANNI, Octávio. Cor e mobilidade social em Florianópolis. São Paulo: Cia. Ed. Nacional, 1960.

CARDOSO, Paulino de Jesus Francisco. A luta contra a apatia: estudo sobre a instituição do movimento negro antirracista na cidade de São Paulo (1915-1931). Itajaí: Casa Aberta, 2012.

CARDOSO, Paulino de Jesus Francisco. Negros em Desterro: as experiências das populações de Desterro na segunda metade o século XIX. Itajaí: Casa Aberta, 2008.

CONNERTON, Paul. Como as sociedades recordam. 2ª ed. Oeiras (Portugal): Celta Editora, 1999.

CRUZ, Heloisa de Faria; PEIXOTO, Maria do Rosário da Cunha. Na oficina do historiador: conversas sobre história e imprensa. Projeto História, São Paulo, n. 35, p. 253-270, dez., 2007.

DALLABRIDA, Norberto. A fabricação escolar das elites: o Ginásio Catarinense na Primeira República. Florianópolis: Cidade Futura, 2001.

DOMINGUES, Petrônio. “Um desejo infinito de vencer”: o protagonismo negro no pós-abolição. Revista Topoi, v. 12, n. 23, jul./dez., p. 118-139, 2011.

FRANCISCO, Flavio Thales Ribeiro. O novo negro na diáspora: modernidade afro-americana e as representações sobre o Brasil e a França no jornal Chicago Defender (1916-1940). São Paulo: Intermeios; Fapesp, 2016.

GARCIA, Fábio. Intelectuais negros no pós-abolição: associativismo negro em Florianópolis (1915-1925). Anais Eletrônicos ANPUH. Fortaleza, 2011. Disponível em: http://www.snh2011.anpuh.org/site/anaiscomplementares.

GARCIA, Fábio. Negras pretensões: a presença de intelectuais, músicos e poetas negros nos jornais de Florianópolis e Tijucas no início do século XX. Florianópolis: Umbutu, 2007.

GOMES, Flávio. Negros e política (1888-1937). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

GUIMARÃES, Antônio Sérgio Alfredo. Racismo e Antirracismo no Brasil. 3ª ed. São Paulo: Editora 34, 2009.

PEREIRA, Lucésia. Florianópolis, década de trinta: ruas, rimas e desencantos na poesia de Trajano Margarida. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Florianópolis, 2001.

PINTO, Regina Pahim. O movimento negro em São Paulo: luta e identidade. Ponta Grossa: Editora UEPG; São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2013.

RASCKE, Karla Leandro. Entre a caneta e o pandeiro: letras e enredos de agremiações afrodescendentes em Florianópolis–SC (1920 a 1950). Tese (Doutorado em História) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). São Paulo, 2018.

RASCKE, Karla Leandro. Intelectuais negros: escritos de Trajano Margarida em Florianópolis (1915-1946). In: SEMINÁRIO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E MULTICULTURALISMO (SEREM), VI, 2017, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UDESC, 2016. v. 1. p. 354-366.

SANTOS, André Luiz. Do mar ao morro: a geografia da pobreza urbana em Florianópolis. 2009. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Florianópolis, 2009.

SILVEIRA, Carlos Eduardo. “Orgulho-me de ser homem de cor”: Ildefonso Juvenal da Silva e a luta pelo reconhecimento (início do século XX). 2015. Monografia (Graduação em História) – Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Florianópolis, 2015.

TAYLOR, Diana. O arquivo e o repertório: performance e memória cultural nas Américas. Tradução de Eliana Lourenço de Lima Reis. Belo Horizonte: UFMG, 2013.

THIAGO, Arnaldo. História da Literatura Catarinense. Florianópolis: Imprensa Oficial do Estado de Santa Catarina, 1957.




DOI: https://doi.org/10.5965/2175180310252018038