Maio de 68 e o “efeito Bourdieu”: críticas ao estruturalismo althusseriano e ao reprodutivismo bourdieusiano em Jacques Rancière

Fernando Vojniak

Resumo


Este artigo compõe-se de uma apresentação e uma análise das principais críticas ao reprodutivismo assinaladas por Jacques Rancière, desde seu afastamento do estruturalismo althusseriano no fim dos anos 1960, até suas críticas mais recentes ao reprodutivismo, especialmente aquelas relacionadas à noção de “redução das desigualdades” que aparece no pensamento de Pierre Bourdieu. Nesta análise, também são apresentados alguns aspectos das concepções sobre história, política e igualdade no pensamento de Jacques Rancière.

 

Palavras-chave: RANCIÈRE, Jacques, 1940-. Estruturalismo. ALTHUSSER, Louis, 1918-1990. Reprodutivismo. BORDIEU, Pierre, 1930-2002.


Texto completo:

PDF

Referências


ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Filosofia da educação. 2 ed. São Paulo: Moderna, 1996.

AUGUSTO, Daniel. Não há mais acordo entre arte e espectadores, afirma Jacques Rancière. Estadão. São Paulo, 11 de março de 2017. Disponível em: . Acesso em: 10/05/2017.

ALTHUSSER, Louis; RANCIÈRE, Jaques; MACHEREY, Pierre. Ler o capital. (Vol. 1). Trad. Nathanael C. Caixeiro. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1979.

ALTHUSSER, Louis. Pour Marx. Paris: François Maspero, 1966.

ALTHUSSER, Louis. Réponse à John Lewis. Paris, François Maspero, 1973.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. Tradução de Daniela Kern e Guilherme J. E. Teixeira. 2 ed. Porto Alegre: Zouk, 2013.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Tradução de Reynaldo Bairão; 4 ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

BOURDIEU, Pierre; CATANI, Afranio M. (Org). Escritos de educação. Seleção, organização, introdução e notas de Maria Alice Nogueira e Afrânio Catani. 13 ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

BOURDIEU, Pierre. Homo academicus. Trad. Ione Ribeiro Valle; Nilton Valle, Rev. Téc. Maria Tereza de Queiroz Piacentini. 2 ed. Florianópolis: Editora da UFSC, 2013.

BOURDIEU, Pierre. La noblesse d’Etat. Grandes Écoles et esprit de corps. Paris: Les Editions de Minuit, 1989.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. Os herdeiros: os estudantes e a cultura. Tradução de Ione Ribeiro Valle, Nilton Valle. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2014.

COLLECTIF “RÉVOLTES LOGIQUES”. L'empire du sociologue: Cahiers libres, 384. Paris: Éditions La Découverte, 1984.

ESTABLET, Roger; BAUDELOT, Christian. L’école capitaliste en France. Paris: Maspero, 1971.

ESTOP, Juan Domingo Sánchez. Um corte sempre adiado. (rupturas e continuidades entre Jacques Rancière e Louis Althusser). A Trabe de ouro: publicación galega de pensamento crítico. n. 97, 2014, p. 23-38.

FAURE, Alain; RANCIÈRE, Jacques. La parole ouvrière. Paris: Editions La Fabrique, 1976.

FOUCAULT, Michel. Os intelectuais e o poder. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979, p. 69-78.

HARTOG, François. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Tradução de Andréa Souza de Menezes, Bruna Beffart, Camila Rocha de Moraes, Maria Cristina de Alencar Silva, Maria Helena Martins. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

LASOWSKI, Aliocha Wald. Althusser et nous. Paris: PUF, 2016.

LES REVOLTES LOGIQUES. Cahiers du Centre de Recherches sur les Idéologies de la Révoltes. Paris: Solin, n. 1, hiver, 1975.

LEWIS, John, The Althusser Case. Part 1. Marxist Humanism. Marxism Today. London: CPGB, Jan., 1972, p. 23-28.

LLORENTE, Francisco Rubio. Introdução. In: MARX, K. Manuscritos de economia y filosofía. Introdução, Tradução e Notas de Francisco Rubio Llorente. Madrid: Alianza Editorial, 2010, p. 7-44.

RAMBAUD, Arthur. Démocratie. Iluminations. Poésies. [S. l.]: Maxi-Livres, 2002, p. 180.

RANCIÈRE, Jaques. A noite dos proletários. Tradução de Marilda Pedreira. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

RANCIÈRE, Jaques. A partilha do sensível. Tradução de Mônica Costa Neto. São Paulo: EXO experimental org.; Ed. 34, 2005.

RANCIÈRE, Jaques. El método de laigualdad. Buenos Aires: Nueva Visión, 2012a.

RANCIÈRE, Jaques. Modo de usar – para uma reedição de “Lire Le Capital”. Estudos CEBRAP, n. 7. São Paulo: Edições CEBRAP, 1974a.

RANCIÈRE, Jaques. Sens et figures de l’histoire. In: AMELINE, Jean-Paul (Ed.) Face à l’histoire (1933-1996): l’artiste moderne devant l’événement historique. Paris: Flammarion; Centre George Pompidou, 1996b, p. 20-27.

RANCIÈRE, Jaques. Figuras de la historia. 1a ed. Traducción de Cecilia González. Buenos Aires: Eterna Cadencia Editora, 2013.

RANCIÈRE, Jaques. La leçon d'Althusser. Paris, Editions Gallimard, 1974b.

RANCIÈRE, Jaques. La nuit des proletaires. Archives du revê ouvrier. Librairie Arthème Fayard, 1981.

RANCIÈRE, Jaques. Le philosophe et ses pauvres. Paris: Flammarion, 2010.

RANCIÈRE, Jaques. Le maître ignorant – cinq leçons sur l’émancipation intellectuelle. Librairie Arthème Fayard, 1987.

RANCIÈRE, Jaques. O desentendimento: política e filosofia. São Paulo: 34, 1996a.

RANCIÈRE, Jaques. O expectador emancipado. Trad. Ivone Benedetti. Martins Fontes, 2012b.

RANCIÈRE, Jaques. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. Tradução de Lílian do Valle. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

RANCIÈRE, Jaques. Políticas da escrita. Tradução de Raquel Ramalhete, Laís Eleonora Vilanova, Lígia Vassalo e Eloísa de Araújo Ribeiro. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995.

RANCIÈRE, Jaques. Sobre a teoria da ideologia: a política de Althusser. Porto: Portucalense, 1971.

ROSS, Kristin. May ’68 and its afterlives. Chicago; London: The University of Chicago Press, 2002.

ROSS, Kristin. Translator’s Introduction. In: RANCIÈRE, Jaques. The Ignorant Schoolmaster. Five Lessons in Intellectual Emancipation. California: Stanford University Press, 1991, p. I-XXIII.

ROUDINESCO, Elisabeth. Louis Althusser: a cena do assassinato. In: ROUDINESCO, Elisabeth. Filósofos na tormenta: Canguilhem, Sartre, Foucault, Althusser, Deleuze e Derrida. Tradução de André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2007, p. 153-203.

SALOMON, Marlon. Jacques Rancière, cenografias políticas. História da historiografia. Ouro Preto: n. 13, dez. 2013, p. 226-234.

VERMEREN, Patrice; CORNU, Laurence; BENVENUTO, Andrea. Atualidade de O Mestre Ignorante. Educação & Sociedade, v.24, n.82, 2003, p. 185-202.

VOJNIAK, Fernando. O sujeito intelectual: leituras de Joseph Jacotot (1770-1840) no Brasil. In: VOJNIAK, Fernando (Org.) História e linguagens: memória e política. Jundiaí (SP): Paco Editorial, 2015, p. 163-2011.




DOI: https://doi.org/10.5965/2175180310242018341

Contato:
Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
Centro de Ciências Humanas e da Educação - FAED
Programa de Pós-Graduação em História - PPGH
Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC
CEP: 88.035-001            Telefone: (48) 3664-8585
tempoeargumento@gmail.com