Militância estudantil e memórias dos anos 1960

Mauricio Freitas Brito

Resumo


O artigo explora entrevistas de militantes estudantis dos anos 1960 que atuaram na UFBA. Investiga essa memória militante a respeito do movimento estudantil e suas representações sobre festa na política, violência, repressão e usos políticos do passado. Reflete sobre o esquecimento nas narrativas das lutas desenvolvidas pela militância estudantil antes do golpe de 1964. Sugere que investigar as continuidades e rupturas entre a militância estudantil antes do golpe e a que atuou na resistência à ditadura pode contribuir para novas problemáticas historiográficas. Problematiza a associação entre geração de 1960 e geração de 1968.

 

Palavras-chave: Movimentos estudantis – Brasil. Estudantes – Atividades Políticas. Ditadura – Brasil. Memórias Estudantis. Geração de 1960 – Geração de 1968.


Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Alzira Alves de. Os anos de chumbo: memória da guerrilha, In: Ferreira, Marieta de Moraes (org.). Entre-vistas: abordagens e usos da história oral. Rio de Janeiro, Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1994.

ALCAZAR I GARRIDO, Joan Del. “As fontes orais na pesquisa histórica: uma contribuição ao debate”. Revista Brasileira de História, 25/6, São Paulo, 1993.

ALMEIDA, Maria H. T & WEISS, Luiz. "Carro-zero e pau-de-arara: o cotidiano da oposição de classe média ao regime militar". In: Schwarcz, Lilia Moritz (org.). História da Vida Privada no Brasil, volume 4, Companhia das Letras, São Paulo, 1998.

AMADO, Janaína & FERREIRA, Marieta de M. Usos & Abusos da História Oral. Rio de Janeiro, Fundação Getúlio Vargas, 1996.

ANSART, Pierre. História e Memória dos Ressentimentos. In: Bresciani, Stella; Naxara, Márcia. Memória e (Res) sentimento: Indagações sobre uma questão sensível. Campinas: UNICAMP, 2001.

ARAÚJO, Maria Paula. Memórias estudantis, 1937-2007: da fundação da UNE aos nossos dias. Rio de Janeiro: Relume Dumará: Fundação Roberto Marinho, 2007.

ARAÚJO, Ubiratan Castro de. 1968: o movimento estudantil na Bahia. Um testemunho. IN. Revista Perspectiva Histórica. Volume 2, No. 3, Julho-dezembro 2012, p. 85-96.

BECKER, Jean-Jacques. O handicap do a posteriori. In: Ferreira, Marieta de Moraes & Amado, Janaína (org.). Usos & Abusos da história oral. Rio de Janeiro, Editora da Fundação Getúlio Vargas, 2001.

BENEVIDES, Sílvio. Proibido Proibir: Uma geração na contramão do poder – O Movimento Estudantil na Bahia e o Jovem. Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais. UFBA, 1999.

BOSI, Eclea. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo, T. ª Queiroz Editor/EDUSP, 1983.

BOUTIER, Jean & JULIA, Dominique (Orgs). Passados recompostos; campos e canteiros da história. Rio de Janeiro: Editora UFRJ: Editora FGV, 1998.

BRITO, Mauricio. Capítulos de uma História do Movimento Estudantil na UFBA (1964-1969). Salvador: EDUFBA, 2016.

BURKE, Peter. Variedades da História Cultural. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

CANDAU, Joel. Memória e identidade. São Paulo: Contexto, 2011.

CARDOSO, Irene. “Maria Antônia: o edíficio de n. 294”. In: 1968 Faz 30 Anos. Organizado por João Roberto Martins Filho. São Paulo, Editora da UFSCar, pp 27-48, 1998.

________________. A geração dos anos de 1960: o peso de uma herança. Tempo Social, v. 17, n. 2, nov. 2005, p. 93-107.

CASTRO DE ARAÚJO, Ubiratan. 1968 – O movimento estudantil na Bahia: um testemunho. Salvador, mimeo, 1998

CHAUVEAU, A. & TÉTARD, Philippe. Questões para a história do presente. São Paulo: EDUSC, 1999.

DARNTON, Robert. Boemia Literária e Revolução: o submundo das letras no Antigo Regime. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

DIAS, José Alves. A subversão da ordem: manifestações de rebeldia contra o regime militar na Bahia (1964-1968). Dissertação de mestrado. UFBA, 2001.

DIRCEU, José e PALMEIRA, Wladimir. Abaixo a Ditadura. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, Garamond, 1998.

DREIFUSS, René A. 1964: a conquista do estado – ação política, poder e golpe de classe. 3. Edição, Petrópolis, Vozes, 1981.

FÁVERO, Maria de Lourdes de A . A UNE em tempos de autoritarismo. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1995.

FERREIRA, Marieta de Moraes. História Oral e tempo presente. In: Meihy, José Carlos Sebe Bom (org.). (Re) introduzindo a história oral no Brasil. São Paulo, Xamã, 1996.

________ & AMADO, Janaína (org.). Usos & abusos da história oral. Rio de Janeiro, Editora Fundação Getúlio Vargas, 2001.

FRANK, Robert. Questões para as fontes do presente. In: Chauveau, A & Tétard, Ph. Questões para a história do presente. São Paulo: EDUSC, 1999.

GALLIAN, Dante Marcello C. A Memória do exílio: reflexões sobre interpretações de documentos orais. In: Meihy, José Carlos Sebe Bom (org.). (Re) introduzindo a história oral no Brasil. São Paulo, Xamã, 1996.

GARCIA, Marco Aurélio e VIEIRA, Maria Alice. Rebeldes e Contestadores. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo, 1999.

GIRARDET, Raoul. Mitos e mitologias políticas. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

GOFFMAN, Erving. Estigma. Notas sobre a Manipulação da Identidade Deteriorada. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1975.

GORENDER, Jacob. O combate nas trevas – A esquerda brasileira: das ilusões perdidas à luta armada. São Paulo: Ática, 1987.

HAGEMEYER, Rafael Rosa. 1968: o ano da derrubada do ensino pago no Paraná. In: 1968 Faz 30 Anos. Organizado por João Roberto Martins Filho. São Paulo, Editora da UFSCar, pp 95-128, 1998.

HALBWHACHS Maurice. A memória coletiva. São Paulo, Editora Vértice, 1990.

IZQUIERDO, Ivan. A arte de esquecer. Rio de Janeiro: Vieira & Lent, 2004.

JELIN, Elizabeth. Exclusión, memórias y luchas políticas. In: mato, Daniel (org.). Estúdios latino americanos sobre cultura y trasformaciones sociales en tiempos de globalización. Buenos Aires, CLACSO, 2001.

JOSÉ, Emiliano. Galeria F: Lembranças do Mar Cinzento. São Paulo, Casa Amarela, 2000.

KERTZER, David. Rituais políticos e a transformação do Partido Comunista Italiano. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, n. 15, 2001, pp 15-36.

LIMA, Haroldo e ARANTES, Aldo. História da Ação Popular; da JUC ao PCdoB. São Paulo, Alfa-Ômega, 1984.

MARTINS FILHO, João Roberto. Movimento Estudantil e Ditadura Militar no Brasil: 1964-1968. Campinas: Papirus, 1987.

_________. A Rebelião estudantil: 1968 - México, França e Brasil. Campinas, Editora Mercado de Letras, 1996.

__________. O movimento estudantil na conjuntura do golpe. In: Toledo, Caio Navarro (org.). 1964: Visões críticas: democracia e reformas no populismo. Campinas: Editora Unicamp, 1997.

_________. 1968 Faz 30 Anos. São Paulo, Editora da UFSCar, 1998.

_________. O movimento estudantil nos anos 1960. In: Ferreira, Jorge & Reis, Daniel Aarão. Revolução e democracia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

MATTOS, Marco Aurélio Vannucchi L. Contra os inimigos da ordem: a repressão política do regime militar brasileiro (1964-1985). Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. Em guarda contra o “perigo vermelho”: o anticomunismo no Brasil (1917-1964). São Paulo: Perspectiva/FAPESP, 2002.

MÜLLER, A. 1968: memória dos atores e seus reflexos. História Oral (Rio de Janeiro) , v. 10, p. 51-64, 2007.

__________. “A história como arma”: a memória histórica como objeto da resistência estudantil contra a ditadura militar no final dos anos 1970. In: Delgado, Lucília & Ferreira (orgs). História do tempo presente. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2014, p. 81-97.

NASCIMENTO, Angelina Bulcão. Trajetória da juventude brasileira. Salvador, EDUFBA, 1999.

OLIVEIRA, Antonio Eduardo Alves de. O Ressurgimento do movimento estudantil baiano na década de 70. Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais. UFBA, 2002.

OLIVEIRA, José Alberto Saldanha. A mitologia estudantil: uma abordagem sobre o movimento estudantil alagoano. Maceió, Sergasa, 1994.

¬________________________. O movimento estudantil em Alagoas: uma abordagem e algumas reflexões. In: 1968 Faz 30 Anos. Organizado por João Roberto Martins Filho. São Paulo, Editora da UFSCar, pp 145-164, 1998.

________________________. O mito do poder jovem: a construção da identidade da UNE. Tese de doutorado. UFF. 2001.

PADRÓS, Enrique Serra (org.). As ditaduras de segurança nacional: Brasil e Cone Sul. Porto Alegre; CORAG; Comissão do Acervo de Luta contra a Ditadura, 2006.

PELEGRINI, Sandra C.ª. A UNE nos anos 60 – Utopias e Práticas Políticas no Brasil. Londrina: Ed. da UEL, 1997.

POERNER, Artur. O Poder Jovem. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

POLLACK, Michael. “Memória, Esquecimento e Silêncio”. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v. 2. n. 3, 1989, pp 3-15.

________. “Memória e identidade social”. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, 1992, pp 200-212.

PORTELLI, Alessandro. O massacre de Civitella Val di Chiana: mito, política, luto e senso comum. In: Ferreira, Marieta de Moraes & Amado, Janaína (org.). Usos & abusos da história oral. Rio de Janeiro, Editora Fundação Getúlio Vargas, 2001.

REIS, Daniel. Ditadura militar, esquerdas e sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2002.

REIS FILHO, Daniel Aarão e Pedro de Moraes. 68 – A paixão de uma utopia. Rio de Janeiro, Espaço & Tempo, 1988.

_____________. 1968, o curto ano de todos os desejos. In: Vieira, Maria e Garcia, Marco. Rebeldes e Contestadores. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 1999, pp. 61-71.

RIBEIRO DO VALLE, Maria. O diálogo é a violência: movimento estudantil e ditadura militar em 1968. Campinas: Editora da Unicamp, 1999.

RIDENTI, Marcelo. O fantasma da revolução brasileira. São Paulo, UNESP, 1993.

RIDENTI, Marcelo. Em busca do povo brasileiro. Rio de Janeiro: Record: 2000.

ROUSSO, Henry. A memória não é mais o que era. In: Ferreira, Marieta de Moraes & Amado, Janaína (org.). Usos & abusos da história oral. Rio de Janeiro, Editora Fundação Getúlio Vargas, 2001.

SANFELICE, José L. O movimento estudantil e a UNE na resistência ao golpe de 64. São Paulo: Cortez, 1986.

SANTOS, Nilton (org.). História da UNE. São Paulo: Ed. Livramento, 1980.

SILVA, Justina ª Iva da. Estudantes e Política – estudo de um movimento (RN 1960-1969). São Paulo: Cortez, 1989.

SILVA, Márcia Pereira da. Em busca do sonho: história, juventude e repressão (Franca 1960-1970). Montes Claros: Ed. UNIMONTES, 2001.

SILVA, Sandra Barbosa da. “Ousar lutar, Ousar vencer”: histórias da luta armada em Salvador (1969-1971). Dissertação de mestrado. UFBA, 2004.

SORGENTINI, Hernan. Reflexion sobre la memória y autoreflexión de la historia. Revista Brasileira de História, v 23, no 45. Julho 2003.

SOUSA, Janice Tirelli Ponte de. Reinvenções da utopia: a militância política de jovens nos anos 90. São Paulo, Hackers Editores, 1999.

TOLEDO, Caio Navarro de. (org). 1964: Visões Críticas do Golpe. Campinas: Editora da Unicamp, 1997.

VELASCO E CRUZ, Sebastião C. “1968: Movimento Estudantil e Crise na Política Brasileira”. In: Revista de Sociologia e Política. n.2, pp. 37-55, 1994.

VICENTE, Keides Batista. Retratos de Goiás: memórias de ex-militantes estudantis goianos sobre a década de 1960. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Uberlândia, 2006.

VOLDMAN, Daniele. Definições e usos. In: Ferreira, Marieta de Moraes & Amado, Janaína (org.). Usos & abusos da história oral. Rio de Janeiro, Editora Fundação Getúlio Vargas, 2001, p.

__________, A invenção do depoimento oral. In: Ferreira, Marieta de Moraes & Amado, Janaína (org.). Usos & abusos da história oral. Rio de Janeiro, Editora Fundação Getúlio Vargas, 2001, p.




DOI: https://doi.org/10.5965/2175180309212017094