Quando a Odebrecht construiu Salvador: a narrativa jornalística da história na coleção Terra Brasilis, de Eduardo Bueno (1998-2006)

Rodrigo Bragio Bonaldo

Resumo


O que fabrica o jornalista quando escreve sobre história? Ao subverter a questão clássica de Michel de Certeau (2007), este artigo propõe contribuir para o debate sobre a relação da escrita da história com as amplas audiências. Ao focar em uma análise da principal obra de um dos mais célebres escritores não acadêmicos de livros de história no Brasil – Eduardo Bueno com sua coleção Terra Brasilis – propõe-se que, entre o trabalho do divulgador e a historiografia profissional, dispõe-se outro ponto de intersecção merecedor de atenção e que responde pelos critérios do “lugar social” do jornalista. É, portanto, a partir de um diálogo com tais referências que percebemos uma narrativa jornalística da história alheia aos mecanismos de mediação próprios da memória disciplinar da historiografia, o que carregaria em si implicações ideológicas (WHITE, 1992) derivadas de querelas do tempo presente.

 

Palavras-chave: Jornalismo. Historiografia. Corrupção. Implicação Ideológica.


Texto completo:

PDF

Referências


AQUINO, Maria Aparecida. Censura, imprensa e estado autoritário: o exercício cotidiano da dominação e da resistência. Bauru: Edusc, 1999.

BONALDO, Rodrigo Bragio. A narrativa jornalística da história: o passado como produto para o mercado. História Oral (Rio de Janeiro), v. 14, p. 123-144, 2011.

BONALDO, Rodrigo Bragio. Um fardo do presente? O jornalista entre a história e a memória. In: MAGALHÃES, Marcelo; ROCHA, Helenice; RIBEIRO, Jayme Fernandes; CIAMBARELLA, Alessandra. (Orgs.). Ensino de história: usos do passado, memória e mídia. 1. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2014, p. 255-277.

BOURDIEU, Pierre. Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996

BUENO, Eduardo. História do Brasil. Porto Alegre: Zero Hora/RBS Jornal. 1997.

BUENO, Eduardo. Brasil: uma História, a incrível saga de um país. São Paulo. Ática. 2003.

BUENO, Eduardo. A viagem do descobrimento: a verdadeira história da expedição de Cabral. Rio de Janeiro: Objetiva, 1998a

BUENO, Eduardo. Náufragos, traficantes e degredados: as primeiras expedições ao Brasil, 1500-1531. Rio de Janeiro: Objetiva, 1998b

BUENO, Eduardo. Capitães do Brasil: a saga dos primeiros colonizadores. Rio de Janeiro: Objetiva, 1999a

BUENO, Eduardo. Convite para a viagem do autodescobrimento: juntar-se à frota de Cabral faz bem ao espírito. Revista Época, n. 51, 10 de maio de 1999b.

BUENO, Eduardo. A coroa, a cruz e a espada: lei, ordem e corrupção no Brasil Colônia. Rio de Janeiro: Objetiva, 2006.

BUENO, Eduardo. Entrevista com Eduardo Bueno. EXTRA Classe. Abril de 2000. Disponível em: < http://www.sinpro-rs.org.br/extra/nov00/entrevista.asp >. Acesso em: 09/02/09.

BUENO, Eduardo. Povo que não conhece sua história está condenado a repeti-la [Blog]. 2012. Entrevista para o blog Minuto Palmeira dos índios. Disponível em: . Acesso em: 10/11/2016. 2012.

CALLINICOS, Alex. Theories and narratives: Reflections on the philosophy of history. Durham: Duke University Press, 1995.

CARNEIRO, Edison. A cidade de Salvador: uma reconstituição histórica. Rio de Janeiro: Organização Simões, 1954.

CERTEAU, Michel De. A escrita da história. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

CHIPPA, Marcos (Org). Entrevista e ética: uma introdução. São Paulo: Edusc, 1998.

CORTESÃO, Jaime. Fundação de São Paulo: capital geográfica do Brasil. São Paulo. 1954.

CÔRTES, Celina. O Historiador pop. Entrevista com Eduardo Bueno. Revista Isto É. 24/2/1999.

DARNTON, Robert. O Beijo de Lamourette: mídia, cultura e revolução. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

DIAS. João José Alves (Cord). Portugal: do Renascimento à Crise Dinástica. In: SERRÃO, Joel; MARQUES de Oliveira A.H. (Dir). Nova História de Portugal. Lisboa: Presença, 1998

ESPERANÇA, Clarice Gontasrki. Testemunhas ou fontes: relações e desencontros entre jornalistas e historiadores. Em Questão, Porto Alegre, v. 12, n. 2, p.235-251, jun./dez., 2006.

FERLA, Marcelo. Peninha, vulgo Eduardo Bueno. In: Suburbia08: memorabilia, achismos & devaneios [Blog.], 2010. Disponível em: . Acesso em 15/02/2010.

FOLHA DE SÃO PAULO. Manual da redação. São Paulo: PubliFolha, 2001.

FREYRE, Gilberto. Novo mundo nos trópicos. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1971.

GOMES, Laurentino. 1808: Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal e do Brasil. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2007.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Production of presence: what meaning cannot convey. Stanford: Stanford University Press, 2004.

GUILLEN, Isabel. 500 Anos um novo mundo na TV. Brasília : MEC. Secretaria de Educação a Distância. 2000, p. 16. (Cadernos da TV Escola 1).

GUIMARÃES. Manoel Luiz Lima Salgado. Nação e civilização nos trópicos: O Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e o Projeto de uma História Nacional. Estudos Históricos, Rio de Janeiro. n. 1, 1988.

HABERMAS. Jüngen. Mudança estrutural da esfera pública. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. 1984.

HARTOG, François. A testemunha e o historiador. In: PESAVENTO, Sandra Jatahy (Org). Fronteiras do milênio. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2001.

HARTOG, François. Regimes d´historicité: Présentisme et expérience du temps. Paris: Éditions du Seuil, 2003.

HUGHES, Helen MacGill. Newspapers and the Moral World.The Canadian Journal of Economics and Political Science: Revue canadienne d´Economique et de Science politique, n.11, n.2, maio, 1945.

JOHNSON, Harold. O Império Luso-Brasileiro (1500-1640) In: SERRÃO, Joel; MARQUES de Oliveira A. H. (Dirs.). Nova história da expansão portuguesa. Lisboa: Editorial Estampa, 1998.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, PUC-Rio, 2006.

LEMANN, Nicholas. History solo: non-academic historians. The American Historical Review, v 1. 100, n.3, Jun., 1995.

LIPOVETSKY, Gilles. Metamorfoses da cultura liberal: ética, mídia, empresa. Porto Alegre: Editora Sulina, 2004.

MAGALHÃES, Joaquim Romero (Cord). Portugal no alvorecer da modernidade (1480-1620). In: MATTOSO, José (Dir). História de Portugal. Lisboa: Editora Estampa, 1997.

MALERBA, Jurandir. Acadêmicos na berlinda ou como cada um escreve a história: uma reflexão sobre o embate entre historiadores acadêmicos e não acadêmicos no Brasil à luz dos debates sobre a Public History. História da Historiografia, v. 15, p. 27-50, 2014.

MALERBA, Jurandir. (Org). História & narrativa: a ciência e a arte da escrita da história. Petrópolis, RJ: Vozes. 2016.

MALCOLM. Janet. O jornalista e o assassino. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A Ideologia Alemã. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

MOMIGLIANO, Arnaldo. As raízes clássicas da historiografia moderna. Bauru, SP: Edusc. 2004

MONTAIGNE, Michel de. Os ensaios. São Paulo: Pinguin Books, 2010.

MOREIRA, Fabiane Barbosa. Fato jornalístico e fato social. Em Questão, Porto Alegre, v. 10, n.2. p. 275-285, jul./dez., 2004.

NORA, Pierre. L´ère de la commémoration. In: NORA, Pierre. Les Lieux de mémoire. Paris: Gallimard, 1992/1997, v. 3.

NOVAES, Ana Paula. Uma proposta polêmica: buscar um novo olhar par a História. Entrevista com Eduardo Bueno. Folha Dirigida. Suplemento Educação, 2010. Disponível em: . Acesso em 10/02/2010.

SERRÃO, Joel, MARQUES, Oliveira (Dir). Nova história da expansão portuguesa. Lisboa: Editorial Estampa, 1998.

PEREIRA, Mateus Henrique de Faria. A Máquina da memória: almanaque abril. O tempo presente entre a história e o jornalismo. Bauru, SP: Edusc. 2009.

RICOEUR, Paul. Ideologia y utopía. Editorial Gedisa. Barcelona, 1997.

ROCOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas, SP. Editora da Unicamp, 2007.

RÜDIGER, Francisco. Tendências do jornalismo. 3. ed. Porto Alegre: UFRGS Editora. 2003.

RÜSEN, Jörn. A razão histórica. Teoria da história: os fundamentos da ciência histórica. Brasília: Editora UNB, 2001.

SAMPAIO. Theodoro. História da Fundação da Cidade de Salvador. Bahia: Tipografia Beneditina LTDA, 1949.

SANTAYANA, Georges. The Life of reason or the phases of human progress: reason in common sense. New York:Scribner's, 1920

SPENCER, Herbert. The Man Versus State. Nova Iorque: Mitchell Kennerley, 1912.

TEIXEIRA, Rosane Siqueira. Norteando o gosto do leitor: a indústria editorial e a coleção Terra Brasilis. 2001. Monografia (Especialização) - Curso de Educação, Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Araraquara, 2001.

VLADO - 30 anos depois. Dir. e rot: João Batista de Andrade. Prod: Ariane Porto. Fotog.: João Batista de Andrade; Fabiano Pierri; Carlos Ebert; Edis Cruz. Dir.arte: Paulo Caetano. Ed.: Landa Costa. São Paulo: Oeste Filmes; TAO Produções, Europa Filmes, 2005. (86 min.) son, color.

WHITE, Hayden. Meta-história: a imaginação histórica do século XIX. São Paulo: Edusp, 1992.

WHITE, Hayden. The Content of the form: narrative discourse and historical representation. Baltimore and London: Johns Hopkins University Press, 1987.

WOLF, Mauro. Teorias das comunicações de massa. São Paulo: Martins Fontes, 2005. p 184.

YATES, Frances. A arte da memória. Campinas: Editora Unicamp. 2007




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/2175180309202017130

Contato:
Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
Centro de Ciências Humanas e da Educação - FAED
Programa de Pós-Graduação em História - PPGH
Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC
CEP: 88.035-001            Telefone: (48) 3664-8585
tempoeargumento@gmail.com