Sentidos de "digital" em disputa no currículo de história: que implicações para o ensino desta disciplina?

Marcella Albaine Farias da Costa, Carmen Teresa Gabriel

Resumo


Este texto admite como base inicial de reflexão as muitas articulações que já se fizeram no campo educacional em torno dos significantes ‘ensino’ e ‘tecnologia’, em geral, fixando sentidos ligados à ideia de ‘inovação’, ‘afinamento com os novos tempos’ e/ou ‘facilitador da aprendizagem’. No caso da disciplina História, fala-se recorrentemente que a utilização das chamadas tecnologias da informação e da comunicação (TICs) pode gerar novas práticas, indo de encontro ao tão combatido ensino ‘tradicional’, ligado à ‘lógica da memorização’. Sem refutar ou corroborar tais afirmativas, e amparando-se nas contribuições das teorizações do discurso formuladas por Ernesto Laclau e Chantal Mouffe, a análise procura mostrar que fixar e disputar ‘sentidos de digital’ no currículo de História é uma ação política, que mobiliza/desloca a fronteira da própria definição do que é e do que não é a ciência/conhecimento histórico na contemporaneidade, provocando alterações, portanto, tanto na cultura histórica, quanto na cultura escolar. Tendo como empiria o Edital do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) 2015, entendido como texto curricular, o estudo evidencia e problematiza a forma como as disputas em torno da significação e fixação de ‘sentidos de digital’ têm aparecido na área de História, produzindo deslocamentos em meio às práticas articulatórias que fixam sentido para a interface ‘ensino’-‘tecnologia’.

Palavras-chave: História – estudo e ensino; Currículo


Texto completo:

HTML PDF

Referências


ALMEIDA, Anita Correia Lima de; GRINBERG, Keila. As WebQuests e o ensino de História. In: GONTIJO, Rebeca; MAGALHÃES, Marcelo de Souza, ROCHA, Helenice Aparecida Bastos. A escrita da história escolar: memória e historiografia. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009, p. 201-212.

ALMEIDA, Fábio Chang de. O historiador e as fontes digitais: uma visão acerca da internet como fonte primária para pesquisas históricas. Aedos, v. 3, n. 8,. p. 9-30, 2011.

ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Integração de currículo e tecnologias: a emergência de web currículo. In: ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO (ENDIPE), XV, 2010, Belo Horizonte. Anais ... Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2010.

ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula. Revista Nova Escola, São Paulo, jun./jul. 2010. Disponível em: . Acesso em: 7 mar. 2014.

ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de; SILVA, Maria da Graça Moreira da. Currículo, tecnologia e cultura digital: espaços e tempos de web currículo. Revista e-curriculum, São Paulo, v. 7, n. 1, abr. p. 1-19, 2011. Disponível em: . Acesso em: 7 mar. 2014.

ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de ;VALENTE, José Armando. Web Currículo: integração de mídias nas escolas com base na investigação de fatos científicos para o fazer científico. In: SANTOS, Edméa Oliveira dos. Currículos: teorias e práticas. Rio de Janeiro: LTC, 2012. p. 121-136,

ARRUDA, Eucidio Pimenta. Museu virtual, prática docente e ensino de história: apropriações dos professores e potencialidades de elaboração de um museu virtual orientado ao visitante. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PESQUISADORES DO ENSINO DE HISTÓRIA, 9, 2011, Florianópolis. Anais..., Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2011. p. 1-11.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Edital de convocação para o processo de inscrição e avaliação de obras didáticas para o Programa Nacional do Livro Didático PNLD 2015. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Guia de livros didáticos: PNLD 2012: História. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2011.

BURITY, Joanildo A. Discurso, política e sujeito na teoria da hegemonia de Ernesto Laclau. In: MENDONÇA, D.; RODRIGUES, L. P. (Orgs.). Pós-estruturalismo e teoria do discurso: em torno de Ernesto Laclau. Porto Alegre: Edipucrs, 2008. p. 35-51.

COSTA, Marcella Albaine Farias da; RALEJO, Adriana Soares. Pensando a interface entre os livros didáticos de História e as demandas tecnológicas: negociações possíveis. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL AS REDES EDUCATIVAS E AS TECNOLOGIAS: TRANSFORMAÇÕES E SUBVERSÕES NA ATUALIDADE, VII, 2013, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2013.

COSTA, Warley da; GABRIEL, Carmen Teresa. Currículo de história, políticas da diferença e hegemonia - diálogos possíveis. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 36, n.1, jan./abr., p. 127-146, 2011.

CYSNEIROS, Paulo Gileno. Novas tecnologias na sala de aula: melhoria do ensino ou inovação conservadora? Informática Educativa, Los Andes, v. 12, n. 1, p. 11-24, 1999, Disponível em:< http://www.colombiaprende.edu.co/html/mediateca/1607/articles-106213_archivo.pdf>. Acesso em: 7 mar. 2014.

FERREIRA, Carlos Augusto Lima; MARQUES, Edicarla dos Santos. Espaço e tempo como dimensões do conhecimento e objeto de ensino-aprendizagem em História. Revista História Hoje, v. 1, n. 2, p. 227-246, 2012.

FERREIRA, Márcia Serra; GABRIEL, Carmen Teresa. Disciplina escolar e conhecimento escolar: conceitos sob rasura no debate curricular contemporâneo. In: ALVES, Nilda; LIBÂNEO, José Carlos. Temas de pedagogia: diálogos entre didática e currículo. São Paulo: Cortez, 2012. p. 227-241.

FERREIRA, Márcia Serra; GABRIEL, Carmen Teresa; MONTEIRO, Ana Maria Ferreira da Costa. Sentidos de currículo e ‘ensino de’ biologia e história: deslocando fronteiras. trabalho encomendado GT Currículo. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, XXX, LOCAL, 2012. Título da obra. Local: Editor, 2012.

FORQUIN, Jean-Claude. Saberes escolares, imperativos didáticos e dinâmicas sociais. Teoria & Educação, n. 5, p. 28-49, 1992.

GABRIEL, Carmen Teresa. O “outro” como elemento incontornável na produção do conhecimento histórico. In: MONTEIRO, Ana Maria; PEREIRA, Amilcar Araujo. Ensino de história e culturas afro-brasileiras e indígenas. Rio de Janeiro: Pallas, 2013. p. 287-311.

GABRIEL, Carmen Teresa. Teoria da história, didática da história e narrativa: diálogos com Paul Ricoeur. Revista Brasileira de História. São Paulo, n. 64, v. 32, p. 187-210, 2012.

GABRIEL, Carmen Teresa.; LEITE, Miriam Soares; VENERA, Raquel Alvarenga Sena. Abordagens discursivas de juventude no tempo presente: questões metodológicas nas análises de textos curriculares. 2012.. Projeto (Pesquisa) - MCTI/CNPq/MEC/CAPES, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Universidade da Região de Joinville, Rio de Janeiro, Joinville.

GABRIEL, Carmen Teresa; MORAES, Luciene Maciel Stumbo. História das disciplinas e “tempo histórico”: quais narrativas em circulação no campo educacional? In: CARVALHO, Fábio Garcez de; FERREIRA, Márcia Serra; XAVIER, Libania. História do currículo e história da educação: interfaces e diálogos. Rio de Janeiro: Quartet: FAPERJ, 2013, p. 29-59.

HARTOG, François. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

LACLAU, Ernesto. Emancipação e diferença. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011.

LACLAU, Ernesto; MOUFFE, Chantal. Hegemonia y estratégia socialista; hacia uma radicalización de la democracia. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2005.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

LUCCHESI, Anita. A história sem fio: questões para o historiador da Era Google. In: ENCONTRO REGIONAL DE HISTÓRIA DA ANPUH-RJ, XV, 2012, Rio de Janeiro. Anais...Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2012. p. 1-09.

MACEDO, Elizabeth. Currículo como espaço-tempo de fronteira cultural. Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 32, p. 285-296, 2006.

MARCHART, Olivier. El pensamiento político posfundacional: la diferencia política em Nancy, Lefort, Badiou y Laclau. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2009.

MENDONÇA, Daniel de. Como olhar “o político” a partir da teoria do discurso. Revista Brasileira de Ciência Política. Brasília, n. 1, jan./jun. p. 153-169, 2009.

MONTEIRO, Ana Maria Ferreira da Costa. Professores e livros didáticos: narrativas e leituras no ensino de História. In: MAGALHÃES, Marcelo de Souza; REZNIK, Luis; ROCHA, Helenice (Org.). A história na escola: autores, livros e leituras. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2009. p. 177-199.

PRENSKY, Marc. Nativos digitais, imigrantes digitais. Tradução de Roberta de Moraes Jesus de Souza, 2001. Disponível em: . Acesso em: 7 mar. 2014.

ROLLAND, Denis. Internet e história do tempo presente: estratégias de memória e mitologias políticas. :Revista Tempo. Rio de Janeiro, n. 16, p. 59-92, 2004.

RÜSEN, Jorn. ¿Qué es la cultura histórica?: reflexiones sobre una nueva manera de abordar la história". [Unpublished Spanish version of the German original text in K. Füssmann, H.T. Grütter and J. Rüsen, eds. (1994). Historische Faszination. Geschichtskultur

heute. Keulen, Weimar and Wenen: Böhlau, 2009. p. 3-26.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. A formação do professor de história e o cotidiano da sala de aula. In: BITTENCOURT, Circe (Org.). O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2009. p. 54-66.

SEDREZ, Lise Fernanda; CARVALHO, Bruno Leal Pastor de; GRINBERG, Keila. Debate online historia digital: ensino, pesquisa e divulgação. Disponível em: . Acesso em: 5 mar. 2014.




DOI: https://doi.org/10.5965/2175180306122014165

Contato:
Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
Centro de Ciências Humanas e da Educação - FAED
Programa de Pós-Graduação em História - PPGH
Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC
CEP: 88.035-001            Telefone: (48) 3664-8585
tempoeargumento@gmail.com