Brazilian Military Dictatorship: theoretical and historiographical approximations

Carlos Fico

Resumo


As is common in the History of Present, there is a significant interconnection between politics and academic research regarding the history of the Brazilian military dictatorship. Consequently, it is essential that well-established theoretical formulations guide archival research. This article discusses the alleged revisionism of the historiography on the Brazilian military dictatorship, argues that the recruitment of young left-wing students for the armed struggle has generated a traumatic memory, shows the weakness of the debate about the civil-military character of dictatorship, argues that the institutional framework of the state of exception was still active in 1985 and demonstrates that the military controlled the project of “Abertura”.

 

Keywords: Brazilian Military Dictatorship. Historiography. Revisionism. Memory. Trauma.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Estado de exceção. Tradução de Iraci D. Poleti. São Paulo: Boitempo, 2004.

ALEIXO, José Carlos Brandi. Pedro Aleixo, organizador e relator da reforma constitucional. In: SENADO FEDERAL. A constituição que não foi: história da Emenda Constitucional n. 1, de 1969. Brasília; Senado Federal, 2002.

ALMEIDA, Guilherme Bacha de. O Conselho de Segurança Nacional e a ditadura (1964-1969). In: MOTTA, Rodrigo Patto Sá (Org.). Ditaduras militares: Brasil, Argentina, Chile e Uruguai. Belo Horizonte: UFMG, 2015.

ARAUJO, Maria Paula. A luta democrática contra o regime militar na década de 1970. In: REIS, Daniel Aarão; RIDENTI, Marcelo; MOTTA, Rodrigo Patto Sá (Orgs.). O golpe e a ditadura militar: 40 anos depois (1964-2004). Bauru: Edusc, 2004.

BERSTEIN, Serge. Culturas políticas e historiografia. In: AZEVEDO, Cecília e outros. Cultura política, memória e historiografia. Rio de Janeiro: FGV, 2009.

BRASIL. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Governos da República: 15.11.1889 a 15.03.1996. Presidência da República, Casa Civil, Biblioteca. 3ª ed. rev. e atual. Brasília, 1996.

CARDOSO, Ciro Flamarion Santana. Epistemologia pós-moderna, texto e conhecimento: a visão de um historiador. Diálogos. Maringá, v. 3, n. 3, p. 1-28, 1999.

CHARTIER, Roger. Le monde comme représentation. Annales E.S.C. Paris, nov./dec./ 1989 n. 6 p. 1505-1520.

CARDOSO, Fernando Henrique. O modelo político brasileiro e outros ensaios. São Paulo: Difel, 1972.

CHAUÍ, Marilena. Apontamentos para uma crítica da Ação Integralista Brasileira. In: CHAUÍ, Marilena; FRANCO, Maria Sylvia de Carvalho. Ideologia e mobilização popular. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

CODATO, Adriano Nervo. O golpe de 1964 e o regime de 1968: aspectos conjunturais e variáveis históricas. História: Questões & Debates. Curitiba, n. 40, p. 11-36, 2004.

D’ARAUJO, Maria Celina. Sindicatos, carisma e poder: o PTB de 1945-65. Rio de Janeiro: FGV, 1996.

DANIEL, Herbert. Passagem para o próximo sonho. Rio de Janeiro: Codecri, 1982.

DIAS, Luiz Antonio. Entre letras e números: uma análise do jornal Folha de S. Paulo e de pesquisas de opinião do Ibope (1963-1964). In: FERNANDES, Carla M.; CHAGAS, Genira. (Orgs.). Mídia e governos autoritários: 60 anos do suicídio de Getúlio Vargas e 50 anos do golpe civil-militar no Brasil. João Pessoa: Idea, 2014.

FERREIRA, Jorge. O governo Goulart e o golpe civil-militar de 1964. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucília de Almeida Neves (Orgs.). O Brasil republicano: o tempo da experiência democrática – da democratização de 1945 ao golpe civil-militar de 1964 (Livro 3). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

FERREIRA, Jorge. Entre o comício e a mensagem: o presidente Goulart, as esquerdas e a crise política de março de 1964. In: AZEVEDO, Cecília e outros. Cultura política, memória e historiografia. Rio de Janeiro: FGV, 2009.

FICO, Carlos. Reinventando o otimismo: ditadura, propaganda e imaginário social no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 1997.

FICO, Carlos. Como eles agiam. Os subterrâneos da ditadura militar: espionagem e polícia política. Rio de Janeiro: Record, 2001.

FICO, Carlos. Espionagem, polícia política, censura e propaganda: os pilares básicos da repressão. In Ferreira, Jorge, Neves, Lucilia de Almeida (Orgs.). O Brasil republicano. Livro 4: O tempo da ditadura – regime militar e movimentos sociais em fins do século XX. Rio de Janeiro: Record, 2003.

FICO, Carlos. Além do golpe: versões e controvérsias sobre 1964 e a ditadura militar. Rio de Janeiro: Record, 2004.

FICO, Carlos. O grande irmão. Da Operação Brother Sam aos anos de chumbo: o governo dos Estados Unidos e a ditadura militar brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

FICO, Carlos. A ditadura documentada. Acervo. Rio de Janeiro, v. 21, n. 2, p. 67-78, jul./dez. 2008a.

FICO, Carlos. 1968: o ano que terminou mal. In: FICO, Carlos; ARAÚJO, Maria Paula (Orgs.). 1968, 40 anos depois: história e memória. Rio de Janeiro: 7Letras, 2009.

FICO, Carlos. Les régimes autoritaires au Brésil durant l’ére républicaine. Brésil(s). Sciences humaines et sociales. Paris, v. 1, Ouverture, p. 30-40, 2011.

FICO, Carlos. História que temos vivido. In: VARELLA, Flávia e outros (Orgs.). Tempo presente & usos do passado. Rio de Janeiro: FGV, 2012.

FICO, Carlos. Violência, trauma e frustração no Brasil e na Argentina: o papel do historiador. Topoi. Revista de História. Rio de Janeiro, v. 14, n. 27, p. 239-284, jul./dez. 2013.

FICO, Carlos. História do Brasil contemporâneo: da morte de Vargas aos dias atuais. São Paulo: Contexto, 2015.

FIGUEIREDO, Argelina Cheibub. Democracia ou Reformas? Alternativas democráticas à crise política: 1961-1964. Tradução de Carlos Roberto Aguiar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

FONTES, Virgínia. Nas lutas. In: MELO, Demian Bezerra de (Org.) A miséria da historiografia: uma crítica ao revisionismo contemporâneo. Rio de Janeiro: Consequência, 2014.

GARCIA, Miliandre. “Ou vocês mudam ou acabam”: teatro e censura na ditadura militar (1964-1985). Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-graduação em História Social da UFRJ. Rio de Janeiro, 2008.

GASPARI, Elio. A ditadura encurralada. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

GORENDER, Jacob. Combate nas trevas. A esquerda brasileira: das ilusões perdidas à luta armada. 2. ed. São Paulo: Ática, 1987.

GORENDER, Jacob. A escravidão reabilitada. LPH – Revista de História. Mariana, v. 3, n. 1, p. 245-266, 1992.

HEMPEL, Carl G. The Function of General Laws in History. The Journal of Philosophy. New York, v. 39, n. 2, p. 35-48, Jan. 1942.

HOBSBAWM, Eric. Não basta a história da identidade. In: __________. Sobre história: ensaios. Tradução de Cid Knipel Moreira. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

LACAPRA, Dominick. Writing History, Writing Trauma. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 2001.

LARA, Silvia Hunold. Escravidão no Brasil: balanço historiográfico. LPH – Revista de História. Mariana, v. 3, n. 1, p. 215-244, 1992.

LEWANDOWSKI, Enrique Ricardo. As salvaguardas do Estado no Brasil. Revista da Faculdade de Direito. São Paulo, v. 79, p. 140-160, jan. 1984.

MARTINS FILHO, João Roberto. Movimento estudantil e ditadura militar: 1964-1968. Campinas: Papirus, 1987.

MARTINS, Franklin. Prefácio. In: GURGEL, Antonio de Padua. A rebelião dos estudantes: Brasília, 1968. Brasília: UnB, 2002.

MARTINS, William de Souza Nunes. Produzindo no escuro: políticas para a indústria cinematográfica brasileira e o papel da censura (1964-1988). 2009. Tese (doutorado em História Social ) – UFRJ, Programa de Pós-graduação em História Social, Rio de Janeiro, 2009.

MATHIAS, Suzeley Kalil. Distensão no Brasil: o projeto militar (1973-1979). Campinas: Papirus, 1995.

MATTOS, Marcelo Badaró. O governo João Goulart: novos rumos da produção historiográfica. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 28, n. 55, p. 245-263, 2008.

MATTOS, Marcelo Badaró. As bases teóricas do revisionismo: o culturalismo e a historiografia brasileira contemporânea. In: MELO, Demian Bezerra de (Org.) A miséria da historiografia: uma crítica ao revisionismo contemporâneo. Rio de Janeiro: Consequência, 2014.

MÉDICI, Roberto Nogueira. Médici, o depoimento. Rio de Janeiro: Mauad. 1995.

MELO, Demian Bezerra de (Org.) A miséria da historiografia: uma crítica ao revisionismo contemporâneo. Rio de Janeiro: Consequência, 2014.

MELO, Demian Bezerra de. A miséria da historiografia. Outubro. n. 14, p. 111-130, 2º. sem. 2006.

MELO, Demian Bezerra de. O golpe de 1964 e meio século de controvérsias: o estado atual da questão. In: MELO, Demian Bezerra de (Org.) A miséria da historiografia: uma crítica ao revisionismo contemporâneo. Rio de Janeiro: Consequência, 2014.

MOORE JR. Barrington. As origens sociais da ditadura e da democracia. Tradução de Maria Ludovina F. Couto. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. As universidades e o regime militar: cultura política brasileira e modernização autoritária. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

NAGEL, Ernest. Some issues in the Logic of the Historical Analysis. The Scientific Monthly. New York, v. 74, n. 3, p. 162-169, March 1952.

NAPOLITANO, Marcos. A “resistência cultural” durante o regime militar brasileiro: um novo olhar historiográfico. In: MOTTA, Rodrigo Patto Sá (Org.). Ditaduras militares: Brasil, Argentina, Chile e Uruguai. Belo Horizonte: UFMG, 2015.

NAPOLITANO, Marcos. 1964: história do regime militar brasileiro. São Paulo: Contexto. 2016.

OLIVEIRA, Eliézer Rizzo de. As Forças Armadas: política e ideologia no Brasil (1964-1969). Petrópolis: Vozes, 1976.

OLIVEIRA, Gil Vicente Vaz. Fotojornalismo subversivo: 1968 revisto pelas lentes do Correio da Manhã. Acervo, Rio de Janeiro, v. 11, nº 1-2, p. 117-136, jan./dez., 1998.

PALMEIRA, Vladimir. Vladimir Palmeira [entrevista concedida por]. In: REIS FILHO, Daniel Aarão; MORAES, Pedro de. 1968: a paixão de uma utopia. 3. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2008.

REIS, Daniel Aarão. Ditadura militar, esquerdas e sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

REIS, Daniel Aarão. Ditadura e sociedade: as reconstruções da memória. In: REIS, Daniel Aarão; RIDENTI, Marcelo; MOTTA, Rodrigo Patto Sá (Orgs.). O golpe e a ditadura militar: 40 anos depois (1964-2004). Bauru: Edusc, 2004.

REIS, Daniel Aarão. Trinta anos depois. In: REIS FILHO, Daniel Aarão; MORAES, Pedro de. 1968: a paixão de uma utopia. 3. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2008.

REIS, Daniel Aarão. Ditadura, anistia e reconciliação. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v. 23, n. 45, p. 171-186, jan./jun. 2010.

REIS, Daniel Aarão. Ditadura e democracia no Brasil: do golpe de 1964 à Constituição de 1988. Rio de Janeiro: Zahar, 2014

REIS, Daniel Aarão; ROLLAND, Denis. Apresentação. In: REIS, Daniel Aarão; ROLLAND, Denis (Orgs.). Modernidades alternativas. Rio de Janeiro: FGV, 2008.

REIS FILHO, Daniel Aarão. A revolução faltou ao encontro: os comunistas no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1980.

REIS FILHO, Daniel Aarão e outros. Versões e ficções: o sequestro da história. São Paulo: Perseu Abramo, 1997.

REIS FILHO, Daniel Aarão. 1968, o curto ano de todos os desejos. Tempo Social. São Paulo, v. 10, n. 2, p. 25-35, out. 1998.

REIS FILHO, Daniel Aarão. Ditadura no Brasil: entre memória e história. In: MOTTA, Rodrigo Patto Sá (Org.). Ditaduras militares: Brasil, Argentina, Chile e Uruguai. Belo Horizonte: UFMG, 2015.

REIS FILHO, Daniel Aarão; MORAES, Pedro de. 1968: a paixão de uma utopia. 3. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2008.

RIDENTI, Marcelo. O fantasma da revolução brasileira. São Paulo: UNESP, 1993.

RIDENTI, Marcelo. Que história é essa? In: REIS FILHO, Daniel Aarão e outros. Versões e ficções: o sequestro da história. São Paulo: Perseu Abramo, 1997.

RIDENTI, Marcelo. Cultura e política: os anos 1960-1970 e sua herança. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucília de Almeida Neves (Orgs.). O Brasil republicano: o tempo da ditadura – regime militar e movimentos sociais em fins do século XX (Livro 4). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

RIDENTI, Marcelo. Canetas e fuzis: intelectuais e artistas brasileiros nos anos 1960/70. In: REIS, Daniel Aarão; ROLLAND, Denis (Orgs.). Modernidades alternativas. Rio de Janeiro: FGV, 2008.

ROLLEMBERG, Denise. O apoio de Cuba à luta armada no Brasil: o treinamento guerrilheiro. Rio de janeiro: Mauad, 2001.

ROLLEMBERG, Denise. Esquerdas revolucionárias e luta armada. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucília de Almeida Neves (Orgs.). O Brasil republicano: o tempo da ditadura – regime militar e movimentos sociais em fins do século XX (Livro 4). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

ROLLEMBERG, Denise. Memória, opinião e cultura política. A Ordem dos Advogados do Brasil sob a ditadura (1964-1974). In: REIS, Daniel Aarão; ROLLAND, Denis. (Orgs.). Modernidades alternativas. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 2008, p. 57-96.

ROLLEMBERG, Denise. As trincheiras da memória. A Associação Brasileira de Imprensa e a ditadura (1964-1974). In: ROLLEMBERG, Denise; QUADRAT, Samantha Viz. (Orgs.). A construção social dos regimes autoritários. Legitimidade, consenso e consentimento no Século XX: Brasil e América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010, vol. 2, p. 97-144.

ROLLEMBERG, Denise; QUADRAT, Samantha Viz. (Orgs.). A construção social dos regimes autoritários. Legitimidade, consenso e consentimento no Século XX: Brasil e América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010, vol. 2.

SAES, Décio. Classe média e política no Brasil (1930-1964). In: FAUSTO, Boris (Dir.). História geral da civilização brasileira. Tomo III: O Brasil republicano, 3º volume: Sociedade e política (1930-1964). São Paulo: Difel, 1981.

SCARTEZINI, Antonio Carlos. Segredos de Medici. São Paulo: Marco Zero, 1985.

SCHMITTER, Philippe C. Interest conflict and political change in Brazil. California: Stanford University Press, 1971.

SCHNEIDER, Ronald M. The political system of Brazil: emergence of a “modernizing” authoritarian regime, 1964-1970. New York: Columbia University Press, 1971.

SERRA, Jose´. Cinquenta anos esta noite: o golpe, a ditadura e o exílio. Rio de Janeiro: Record, 2014.

SILVA, Francisco Carlos Teixeira da. Crise da ditadura militar e o processo de abertura política no Brasil, 1974-1985. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucília de Almeida Neves (Orgs.). O Brasil republicano: o tempo da ditadura – regime militar e movimentos sociais em fins do século XX (Livro 4). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

SILVA, Izabel Priscila Pimentel da. Os filhos rebeldes de um velho camarada: a dissidência comunista da Guanabara (1964-1969). 2009. Dissertação (Mestrado em História) - UFF, Programa de Pós-graduação em História, Niterói, 2009.

SIRKIS, Alfredo. Os carbonários. Rio de Janeiro: Record, 1998.

SOUZA, Jessé. A tolice da inteligência brasileira. São Paulo: LeYa, 2015.

STACCHINI, José. Março 64: mobilização da audácia. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1965.

STEPAN, Alfred. The military in politics: changing patterns in Brazil. Princeton University Press, 1971.

TOLEDO, Caio N. de. 1964: golpismo e democracia. As falácias do revisionismo. Crítica Marxista. Campinas, n. 19, p. 27-48, 2004.

VIEIRA, Fabrício de Assis C. Vieira; HOLLAND, Márcio Holland. Crescimento econômico secular no Brasil, modelo de Thirlwall e termos de troca. Economia e Sociedade. Campinas, v. 17, n. 2 (33), p. 17-46, ago. 2008.

VILLA, Marco Antonio. Jango: um perfil (1945-1964). São Paulo: Globo, 2004.

VILLA, Marco Antonio. Ditadura à brasileira – 1964-1985: a democracia golpeada à esquerda e à direita. São Paulo: LeYa, 2014.




Contato:
Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
Centro de Ciências Humanas e da Educação - FAED
Programa de Pós-Graduação em História - PPGH
Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC
CEP: 88.035-001            Telefone: (48) 3664-8585
tempoeargumento@gmail.com