Na Baixa do Sapateiro (Bahia) de Ary Barroso na interpretação de John Coltrane: A utilização da composição como veículo para a improvisação no jazz modal.

Luis Felipe Gomes

Resumo



Resumo: Estudo analítico da interpretação de John Coltrane da música Na Baixa do Sapateiro (Bahia), composição de Ary Barroso. A partir do registro fonográfico, foi realizada uma transcrição pelo autor do presente artigo onde pôde-se observar uma adaptação da composição para a sua utilização como prática de improvisação vinculada ao jazz modal, território explorado pelo saxofonista em sua carreira. Primeiramente, discuto questões políticas que contribuíram para a difusão da música brasileira nos Estados Unidos na década de 1940. Em seguida, abordo a relação de Coltrane com o jazz modal, elucidando as características e salientando a importância da teoria de George Russell (2001) na gênese do estilo. Por fim, trato de questões da performance no que diz respeito às adaptações da referida composição, como também, de aspectos da improvisação do saxofonista. Com isso, o trabalho significa uma contribuição aos estudos sobre improvisação, vindo a somar-se na perspectiva da etnomusicologia e das práticas interpretativas em música popular.

 


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Samuel. The Politics of Passion: The impact of Bolero on Brazilian Musical Expression. Yearbook for Tradicional Music, Vol. 31. 1999. Disponível em http://www.jstor.org/stable/767972 acessado em 25/05/2016

________________. Acoustic Labour in the Timing of Everyday Life: A critical history of samba in Rio de Janeiro, 1917-1990. Tese (Doutorado em Musicologia). University of Illinois at Urbana Champaign. Urbana (EUA). 1992. Em BASTOS, Rafael josé de Menezes. Para uma antropologia histórica da música popular brasileira. Antropologia em Primeira Mão. Artigo. UFSC. Florianópolis. SC. 2014.

BAIR, Jeff. Cyclic Patterns in John Coltrane´s Melodic Vocabulary as Influenced by Nicolas Slonimsky´s Thesaurus os Scales and Melodic Patterns: An Analysis of Selected Improvisations. Dissertation (Doctor of Musical Arts). University of North Texas. 2003.

BARBOSA, Márcia Helena Saldanha e GAGLIETE, Mauro: A Questão da Hibridação Cultural em Nestor Canclini. Comunicação. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação VIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação da Região Sul – Passo Fundo – RS. 2007.

BARRET, Samuel. Kind of Blue and the economy of modal jazz. Popular Music. Vol. 25/2. University of Cambridge. 2006

_______________. Classical Music, Modal Jazz and the making of Kind of Blue. Dutch Journal of Music Theory, vol. 16. N. 1. 2011

BOOTHROYD, Myles. Modal Jazz and Miles Davis: George Russell's Influence and the Melodic Inspiration behind Modal Jazz, Nota Bene: Canadian Undergraduate Journal of Musicology: Vol. 3: Iss. 1, Article 5. 2010. http://ir.lib.uwo.ca/notabene/vol3/iss1/5 acessado em 01/09/2016

FABRIS, Bernardo Vescovi. Catita de K-Ximbinho e a interpretação do saxofonista Zé Bodega: aspectos híbridos entre o choro e o jazz. Belo Horizonte: UFMG, 2005. (Dissertação de Mestrado).

GANC, David. Fricção e Hibridismo na música de Nivaldo Ornelas. Artigo. Anais do III SIMPOM 2014 – Simpósio Brasileiro Pós-Graduação em Música. 2014.

KERNFELD, Barry D. Adderley, Coltrane, and Davis at the Twilight of Bebop: The Search for Melodic Coherence (1958-59)’, Ph.D. Dissertation, Cornell University, 1981, 2 vols., vol. I, 155-174. Em BARRET, Sam. Classical Music, Modal Jazz and the making of ‘kind of blue’ dutch journal of music theory, volume 16, number 1. 2011.

MILLER, Ron. Modal Jazz Composition and Harmony. Vol. 1. Advanced Music. 1996.

MONSON, Ingrid T. Saying Something: Jazz Improvisation and Interaction. Chicago: University of Chicago Press, 1996.

________________. “Oh Freedom: George Russell, John Coltrane, and Modal Jazz.” In In the Course of Performance: Studies in the World of Musical Improvisation, edited by Bruno Nettl with Melinda Russell. Chicago: University of Chicago Press, 1998. 149-168.

MOORE, Robert. George Alan Russell: Jazz's First Theorist. Trotter Review: Vol. 2: Iss. 2, Article 5. 1988. Disponível em http://scholarworks.umb.edu/trotter_review/vol2/iss2/5 acessado em 01/09/2016

PIEDADE, Acácio Tadeu de Camargo. Jazz, música brasileira e fricção de musicalidades. Campinas: Opus, Revista da ANPPOM, nº 11, p. 197 a p. 207, 2005.

_______________________________. Perseguindo fios da meada: pensamentos sobre hibridismo, musicalidade e tópicas. Per Musi, Belo Horizonte, nº 23, p.103-112, 2011.

RUSSELL, George - Lidian Cromatic Concept of Tonal Organization – Concept Publish Company, 40 Shepard Street; Cambridge, MA 02138, 2001.

SCHOENBERG, Arnold. Fundamentos da Composição Musical: Tradução de Eduardo Seincman. 3° ed. São Paulo. Ed. da Universidade de São Paulo. 2008.

SEEGER, Charles. Music as a factor in cultural strategy in américa. Bulletin of the American Musicological Society, n.3 1939 em VELLOSO, Henrique Soares. Aquarelas Musicais das Américas: Projetos de nação nas performances radiofônicas de Radamés Gnattali e Alan Lomax (1939 – 1945) Tese (doutorado em Música-Etnomusicologia). UFRG. 2015. p. 32-33

SLOBIM, Mark. Motion Pictures Music: History and Criticism. Weslyean University Press. Middletown. 2008

TINHORÃO, Jose Ramos. História da música popular brasileira. São Paulo: Editora 34. 1998. 365

______________________. Pequena História da Música Popular Brasileira: Da Modinha à Canção de Protesto. ED. Vozes. Petrópolis. RJ. 1974.

VELLOSO, Henrique Soares. Aquarelas Musicais das Américas: Projetos de nação nas performances radiofônicas de Radamés Gnattali e Alan Lomax (1939 – 1945) Tese (doutorado em Música-Etnomusicologia). UFRG. 2015.

WASHBURN, Christopher. Latin Jazz: the other jazz. Current musicology, n. 71-73 (Spring 2001-2002) Columbia University. New York. 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/2525530401022016044

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores, diretórios e bases de dados

                       

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.