(Re) Percussões de “Missa dos Quilombos”

Luiz Henrique Assis Garcia, Hudson Leonardo Lima Públio

Resumo


Este artigo propõe reflexões sobre Missa dos Quilombos, álbum produzido e gravado ao vivo em 1982, com música e arranjos e Milton Nascimento para letras do sacerdote Pedro Casaldáliga e do poeta Pedro Tierra, reeditado em CD em 1995. Tomaremos os fonogramas como fonte maior de nossa análise, mas procurando articulá-los ao evento e repercussão do rito religioso que gerou a gravação, na medida em que estes contribuem também para elucidar o projeto estético e político maior que engloba todos estes registros. Aliando a análise interdisciplinar dos estudos de canção e música popular à investigação historiográfica de fontes impressas, esperamos, finalmente, compreender a Missa e sua gravação como partícipes da história cultural brasileira relevantes na retomada democrática justamente pela forma como nelas confluem linhas mestras da afirmação de matrizes culturais e religiosas afrodiaspóricas como elementos indispensáveis da história e da sociedade brasileira e latino-americana.


Texto completo:

PDF

Referências


AUTOR 1, 2000.

AUTOR 1, 2003.

AUTOR1, AUTOR2 e COAUTOR, 2018 (no prelo).

AMARAL, Francisco Eduardo Fagundes (Chico Amaral). A Música de Milton Nascimento. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2018 [1ª Ed. 2013, do autor].

BRANT, Fernando. Texto no encarte do disco Missa dos Quilombos. Diadema: Ariola, 1982.

CÂMARA, Dom Hélder. Invocação à Mariama. Diadema: Ariola, 1982.

CAMPOS, Beatriz Schmidt. Letra, música, performance e memória do racismo na Missa dos Quilombos. Brasília: Instituto de Letras da Universidade de Brasília - UNB, Campus Darcy Ribeiro, 2017 (Dissertação de Mestrado).

CANTON, Ciro. Das “velhas Senzalas” às “Novas Favelas”: a Missa dos Quilombos. In: Anais do XXV Simpósio Nacional de História e Ética, 25. Fortaleza, 2009, 10p.

CARVALHO, José Jorge, ” Las Culturas Afroamericanas en Iberoamérica: Lo Negociable y lo Innegociable”. En: GARCÍA CANCLINI, Néstor (org), Iberoamerica 2002. Diagnóstico y Propuestas para el Desarrollo Cultural. Madrid: OEI/México: Santillana, 2002, p. 97-132.

CASALDALIGA, Pedro; TIERRA, Pedro. Missa da terra sem males. São Paulo: Livramento, 1979.

CASALDÁLIGA, Pedro. Na procura do Reino: antologia de textos (1968-1988). São Paulo: FTD, 1988.

ESCRIBANO, Francesc. Descalço sobre a terra vermelha: a vida do bispo Pedro Casaldáliga. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2014.

GARCÍA CANCLINI, Néstor. Culturas híbridas. São Paulo: Editora USP, 1997.

GUIMARÃES, Raquel Beatriz Junqueira. In: VERBO DE MINAS, Juiz de Fora, v. 18, n. 32, Ago./Dez. 2017, p. 79-95.

GUTIÉRREZ, Gustavo. Teologia da Libertação: perspectivas. Petrópolis: Editora Vozes, 1979.

LIBBY, Douglas Cole; FURTADO, Júnia Ferreira. Trabalho livre, trabalho escravo: Brasil e Europa, séculos XVIII e XIX. São Paulo: Annablume, 2006.

LUCAS, Glaura. Os sons do Rosário: o congado mineiro dos Arturos e Jatobá. Belo Horizonte: Editoria UFMG, 2002.

NERI, Marcelo Côrtes (coord.). Novo mapa das religiões. Rio de Janeiro: FGV, CPS, 2011.

OLIVEIRA, Augusto Marcos Fagundes. Êxodos e encruzilhadas da Missa dos Quilombos. Florianópolis: UFSC, 2015 (tese de doutorado).

PIRES, Dom José Maria. Texto de 1981 contido no encarte do disco Missa dos Quilombos. Diadema: Ariola, 1982.

ROUANET, Sérgio Paulo. A coruja e o sambódromo. In: Mal-estar na modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2001, p. 46-95.

SENRA, Rafael. Missa dos Quilombos: produto político, religioso e cultural. Juiz de Fora: Revista Darandina, UFJF, 2013, p.1-10.

TIERRA, Pedro. Poemas do Povo da Noite. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo/Publisher Brasil, 2009 (1ª edição: 1979).

VILELA, Ivan. Nada ficou como antes. REVISTA USP, São Paulo, n.87, p. 14-27, setembro/novembro 2010.

WILLIAMS, Raymond. Cultura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores, diretórios e bases de dados


                   

   

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.