Educação das Relações Étnico-Raciais e o Ensino de Música: notas sobre a operacionalização do conhecimento étnico nas práticas escolares

Rodrigo Cantos Savelli Gomes

Resumo


O presente ensaio problematiza a educação das relações étnico-raciais para além de um “conteúdo” dos componentes curriculares, mas principalmente como uma abertura para diferentes epistemologias, cosmologias, para diferentes possiblidades de transmissão e produção do conhecimento. Isto implica revisão de valores e conceitos, reposicionamento de hierarquias, modificações das estruturas espaciais, entre outros aspectos. Com base  nesta perspectiva, apresento algumas reflexões a partir de minha atuação enquanto professor do Ensino Fundamental na disciplina artes-música, em diálogo com as teorias antropológicas e etnomusicológicas, áreas que cursei no mestrado e doutorado enquanto trabalhava na escola. Recorro as noções teóricas de “escola como fronteira” (TASSINARI, 2012), “disposições adequadas” (INGOLD, 2000), “ouvido dançante” (OLIVEIRA, 2015), “musicalização do outro” (HILL, 2014) em paralelo às reflexões das vivências escolares. Busco, com isso, refletir criticamente sobre a escolarização dos conhecimentos, sobre as rotinas escolares que impedem o reconhecimento de outras formas de aprendizagem, assim como apontar outras formas de se relacionar com os saberes e de produzi-los.
Palavras-chave: produção de conhecimento; diversidade étnico-racial; práticas escolares.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. Berenice; PUCCI, Magda D. Outras terras, outros sons. São Paulo: Callis, 2002. (Acompanha CD).

BEAUCHAMP, Jeanete; PAGEL, Sandra Denise; NASCIMENTO, Aricélia Ribeiro do. (Orgs). Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília: Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica, 2007.

BLACKING, John. How Musical is Man?. Seattle and London: University of Washington Press, 1974.

BLACKING, John. Venda Children’s Songs: a study in ethnomusicological analysis. Witwatersrand University Press, 1967.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: arte. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Lei 10.639/2003, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9. 394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília.

BRASIL. Lei 11.645/08 de 10 de Março de 2008. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília.

COHN, Clarice. Antropologia da Criança. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E PARA O ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA E AFRICANA. Brasília-DF. 2004.

GIOIELLI, Décio. A Mbira da beira do rio Zambeze. São Paulo: Moderna, 2007 (acompanha CD).

HARDMAN, Charlote. Can there be na anthropology of children? Childhood, v.8, n. 4, p.501-517, 2001.

HILL, Jonathan. Musicalizando o outro: Etnomusicologia na era da Globalização. In: MONTARDO, Deise L; DOMÍNGUEZ, Maria Eugênia. Arte e Sociabilidade em Perspectiva Antropológica. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2014, p. 13-46.

LAVE, Jean. Aprendizagem como/na prática. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 21, n. 44, p. 37-47, jul./dez. 2015.

MATRIZ CURRICULAR PARA EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Prefeitura Municipal de Florianópolis. Secretaria Municipal de Educação. Florianópolis, 2016.

MELO, Clarissa Rocha de. Aprendizado, percepção e conhecimento Guarani: possibilidades de diálogo entre saberes distintos. In: TASSINARI, A.; ALMEIDA, J.; RESENDÍZ, N. Diversidade, Educação e Infância: reflexões antropológicas. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2014, p. 295-329.

OLIVEIRA, Allan Paula. O ouvido dançante: música popular entre swings e cangotes. El Oído Pensante, v. 3, n. 2, p. 1-21, 2015.

ORIENTAÇÕES CURRICULARES: expectativas de aprendizagem para a educação étnico-racial na educação infantil, ensino fundamental e médio / Secretaria Municipal de Educação – São Paulo : SME / DOT, 2008.

PLANO NACIONAL DE IMPLEMENTAÇÃO DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E PARA O ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA E AFRICANA. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Brasília: MEC, SECADI, 2013.

SCHAFER, Murray. O ouvido pensante. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1991.

TASSINARI, Antonella. e COHN, Clarice. Escolarização indígena entre os Karipuna e Mebengokré-Xikrin: uma abertura para o outro. In: TASSINARI, A; GRANDO, B; ALBUQUERQUE, M. (Orgs). Educação Indígena: reflexões sobre noções nativas de infância, aprendizagem e escolarização. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2012, p. 247-274.

TASSINARI, Antonella. A sociedade contra a escola. In: TASSINARI, A; GRANDO, B; ALBUQUERQUE, M. (Orgs). Educação Indígena: reflexões sobre noções nativas de infância, aprendizagem e escolarização. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2012a, p. 275-294.

TASSINARI, Antonella. Introdução: sobre noções nativas e antropológicas em educação indígena. In: TASSINARI, A; GRANDO, B; ALBUQUERQUE, M. (Orgs). Educação Indígena: reflexões sobre noções nativas de infância, aprendizagem e escolarização. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2012b, p. 15-24.

TASSINARI, Antonella. Ajudando e aprendendo: a participação de crianças nas atividades produtivas da agricultura familiar. In: TASSINARI, A.; ALMEIDA, J.; RESENDÍZ, N. Diversidade, Educação e Infância: reflexões antropológicas. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2014, p. 97-132.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores, diretórios e bases de dados

                       

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.