Contribuições das Neurociências para o campo da Música: Estratégias para a inserção interdisciplinar no Ensino Superior

Luciane da Costa Cuervo, Renata Menezes Rosat

Resumo


Resumo: Este trabalho propõe a discussão no âmbito dos estudos sobre a mente musical, bem como suas implicações no contexto acadêmico de formação de músicos e professores no Ensino Superior. Partindo do debate sobre a lacuna na formação básica acadêmica no que diz respeito ao tema, apresenta um conjunto de estratégias adotadas no sentido de difundir conhecimentos neurocientíficos no contexto acadêmico de graduação em música. Aborda, ainda, uma reflexão sobre mitos propagados no senso comum em relação ao cérebro, defendendo argumentos teóricos para fundamentar o debate.


Texto completo:

PDF

Referências


Referências

ALTENMÜHLER, E. O. How many music centers are in the brain? In: PERETZ, I. e ZATORRE, R. (Eds.). The cognitive neuroscience of music. Oxford: Oxford University Press, 2003, p.346-355.

ALTENMÜLLER, E.; GRUHN, W. Brain mechanism. In: PARNCUTT, R.; MCPHERSON, G. E. (Orgs.) The science and psychology of music performance; creative strategies for teaching and learning. Oxford: Oxford University Press, 2002, p. 63-81.

BRATTICO, E. et al. A functional MRI study of happy and sad emotions in music with and without lyrics. Frontiers in Psychology, Lausanne, 01 dez. 2011.

CATTAPAN, F.; CATTAPAN, K. Música e cérebro. Caderno Versa: Música e Pensamento, nº. 1, v. 1, 2011.

CROSS, I. Music, cognition, culture, and evolution. Annual New York Academy of Science, 930, 2001, p. 28-42.

CROSS, I. Musicality and the human capacity for culture. Musicae Scientiae, v. 16, p.185-199, 2012.

CUERVO, L. Articulações entre Música, Educação e Neurociências. Projeto de pesquisa registrado na Pró-Reitoria de Pesquisa (PROPESQ) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2011-2014.

CUERVO, L. Musicalidade da performance na cultura digital: estudo exploratório-descritivo sob uma perspectiva interdisciplinar. Tese (Doutorado Informática na Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

CUERVO, L. Estudos Interdisciplinares sobre a Mente Musical. Projeto de pesquisa registrado na Pró-Reitoria de Pesquisa (PROPESQ) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2017-atual.

CUERVO, L. Disciplina Estudos sobre a mente musical. Registrada no currículo do Curso de Música sob o código ART03969. Plano de Ensino 2018/1. Professora ministrante e responsável. Departamento de Música, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2018.

CUERVO, L; ADAMI, F. K.; SONZA, A. Música e Cérebro: desafios e contribuições da temática para o Ensino Superior. Mesa Redonda. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE MÚSICA DA AMAZÔNIA – SIMA, 3º, Manaus, 2014. Anais... Manaus: UFAM, 2014, p. 441445.CUERVO, L.; MAFFIOLETTI, L.A. Musicalidade e amusia: interfaces de um mesmo ser musical. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE COGNIÇÃO E ARTES MUSICAIS, XI, 2015. Anais.... Pirenópolis, Associação Brasileira de Cognição e Artes Musicais, 2015, p. 65-73.

CUERVO, L.; MAFFIOLETTI, L. Sindô Lê Lê, Sindô Lá Lá, não podemos viver sem cantar! Identidade, educação e expressão através da voz. Revista Música na Educação Básica. Associação Brasileira de Educação Musical – ABEM. Londrina, v. 7, nº 7/8, 2016.

DISSANAYAKE, E. Homo Musicus: Are humans predisposed to be musical? In: ENCUENTRO DE CIÊNCIAS COGNITIVAS DE LA MUSICA, 10, 2011, Buenos Aires. Actas del X Encuentro de Ciencias Cognitivas de la Música. Buenos Aires: SACCoM, 2011, p.1-9. FEDORENKO, E. et al. Sensitivity to musical structure in the human brain. Journal of Neurophysiology, v. 108, n. 12, Dez. 2012. DOI:10.1152/jn.00209.2012

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GASER, C.; SCHLAUG, G. Brain structures differ between musicians and non-musicians. The Journal of Neuroscience, v. 23, n. 27, p. 9240-9245, out. 2003.

GERMANO, N. G. Em busca de uma definição para o fenômeno do ouvido absoluto. Dissertação (Mestrado). Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. São Paulo, 2015.

HABIBI, A.; DAMÁSIO, A. Music, feelings, and the human brain. Psychomusicology: Music, Mind, and Brain, vol. 24, n. 1, p. 92-100. 2014.

HERDENER, M. et al. Musical training induces functional plasticity in human hippocampus. The Journal of Neuroscience, v. 30, p.1377-1384, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 ago.2018.

HERCULANO-HOUZEL, S. O Cérebro em Transformação. Rio de Janeiro: Objetiva, 2005.

HERHOLZ, S.; ZATORRE, R. Musical training as a framework for brain plasticity: behavior, function, and structure. Neuron, v.3, n. 76, p. 486-502, 2012.

HURON, D. Um Instinto Para a Música: seria a música uma adaptação evolutiva? Em Pauta, v. 20, n. 34/35, p.49-84, jan-dez. 2012.

HADDAD, H. As Ciências Cognitivas e a Educação. I Fórum Internacional de Ciência da Mente, Cérebro e Educação. Governo RS, UFRGS e Sociedade Brasileira de Neurociência e Educação. Porto Alegre, 06.ago.2012.

IZQUIERDO, I. Memória. Porto Alegre: ArtMed, 2018.

LEVITIN, D. A Música no seu Cérebro: a história de uma obsessão humana. Trad. Clóvis Marques. São Paulo: Civilização Brasileira, 2010.

LEVITIN, D. The World in Six Songs: How the Musical Brain Created Human Nature. New York, 2016.

LEVITIN, D.; TIROVOLAS, A. Current Advances in the Cognitive Neuroscience of Music. The Year in Cognitive Neuroscience, v. 1156, p. 211-231, 2009. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2018.

MARIATH, L. M. et al. Music Genetics Research: Association with Musicality of a Polymorphism in the AVPR1A Gene. Genetics and Molecular Biology, v. 40, n. 2, p. 421-429, 2017.

MUSZKAT, M.; CORREIA, C. M. F.; CAMPOS, S. M. Música e Neurociências. Neurociências, v. 8, p. 70-75, 2000.

PERETZ, I. Brain specialization for music: New evidence from congenital amusia. In: PERETZ, I.; ZATORRE, R. (Eds). The cognitive neuroscience of music. Oxford: Oxford University Press, 2003, p.192-203.

PINKER, S. Como a Mente Funciona. Trad. Laura Motta. São Paulo: Cia das Letras, 1999.

RAUSCHER, F. H.; SHAW, G. L.; KY, N. K. Music and spatial task performance. Nature, v. 365, n. 611, 1993. doi: 10.1038/365611a0

RIESGO, R. Desenvolvimento neuropsicomotor normal período neonatal até a adolescência. Material não publicado, distribuído na disciplina Aprendizagem Humana, do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEDU)/UFRGS. Porto Alegre, 2011.

SACKS, O. Musicophilia: Tales of Music and the Brain. New York: Vintage Books, 2007.

SCHALAUG, G. The brain of musicians. A model for functional and structural adaptation. The Annals of the New York Academy of Sciences, v.930, n. 99, 2001. DOI:10.1111/j.1749-6632.2001.tb05739.x

SARROF, A. Musicians and Non-Musicians: Anatomical Differences in the Human Brain. Psychology of Music, London, 2009. Disponível em: . Acesso em: 03 ago. 2018.

SCHOLL-FRANCO, A.; HADDAD, H. Neuroeducação: Novos caminhos para uma Pedagogia do Séc. XXI. I Fórum Internacional de Ciência da Mente, Cérebro e Educação. Governo RS, UFRGS e Sociedade Brasileira de Neurociência e Educação. Porto Alegre, 06/08/2012.

STEELE, K. M.; BASS, K. E.; CROOK, M. D. The Mystery of the Mozart Effect – Failure to Reaplicate. Psychological Science, v.10, n. 4, Jul/1999.

TOKUHAMA-ESPINOSA, T. Mind, brain and education conscience: a comprehensive guide to the new brain base teaching. Nova York: NY WW Norton, 2012.

TURNER, R.; IOANNIDES, A. Brain, music and musicality: Inferences from neuroimaging. In: MALLOCH, S.; TREVARTHEN, C. Communicative Musicality: Exploring the Basis Of Human Companionship. Nova York: Oxford University Press, 2009.

WELCH, G. Investigar o desenvolvimento da voz e do canto ao longo da vida. Revista Música, Psicologia e Educação, n. 5, p.5-20. 2003.

WELCH, G. Os maiores benefícios da música. In: SIMPÓSIO DE COGNIÇÃO E ARTES MUSICAIS, 8, 2012, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UDESC/Departamento de Música, 2012. p.23-27.

WELCH, G. Historias de la vida. Entrevista concedida a Andrea Giráldez. Revista Eufonía Didactica de la Muúsica, n. 60, p.1-11, jan. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores, diretórios e bases de dados


                   

   

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.