A palavra que age: O Teatro de Animação como um território de escutas.

Leandro Alves da Silva

Resumo


No presente artigo o autor propõe a encenação no Teatro de Animação, especialmente o teatro de bonecos, como um “território de escutas” plurais e polissêmicas, em que voz, silêncio e escuta se articulam e estabelecem o aspecto relacional desta linguagem. Toma como base de suas reflexões o antológico artigo Da Escuta, redigido por Roland Barthes em colaboração com Roland Havas e questiona o lugar e importância da escuta na formação do ator bonequeiro.

Palavras-chave: Escuta. Voz. Formação. Teatro de Animação. Teatro de Bonecos.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5965/2595034701192018133

Direitos autorais 2019 Móin-Móin - Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

INDEXADORES, DIRETÓRIOS E BASES DE DADOS: