A marionete íntima e voraz

Juliana Notari

Resumo


O mergulho e a internação em casas de repouso para a criação da série de
miniespetáculos Velhas caixas resultaram na pesquisa gestual e textual sobre a velhice e o gesto essencial da marionete. Juliana Notari abre pela primeira vez seu diário de criação e compartilha momentos íntimos e profundos vivenciados em seis meses de residência de criação. O corpo da marionetista, a travessia incessante entre a vida e morte para existência da marionete e a utopia costuram o texto.

Palavras-chave: Afetos. Gestualidade. Criação.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5965/2595034701172017146

Direitos autorais 2018 Móin-Móin Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

INDEXADORES, DIRETÓRIOS E BASES DE DADOS: