Humano em cena: reflexões a partir da obra de Philippe Genty

Flávia D´Ávila

Resumo


Este artigo discute a presença humana na cena e a sua relação com o inanimado,
colocando em perspectiva a obra dramatúrgica de Philippe Genty. O artista
iniciou o seu percurso criativo como marionetista, e suas produções evoluíram para um teatro pautado na visualidade e por ele denominado como um tipo de Teatro Visual descendente das teorias de Gordon Craig, segundo as quais todos os elementos têm a mesma importância no espaço da representação. A metamorfose criativa em Genty ocorreu graças à inserção do elemento humano em sua poética, à sua abertura para outras linguagens artísticas e à ampliação da utilização do inanimado – manequins, marionetes não figurativas, máscaras, próteses e outros materiais (papéis, plásticos, tecidos) em suas dramaturgias.

Palavras-chave: Corpo. Presença. Estranheza.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5965/2595034701172017107

Direitos autorais 2018 Móin-Móin Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas



Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

INDEXADORES, DIRETÓRIOS E BASES DE DADOS: