Cartografia: seguindo os rastros de alunos na criação colaborativa de jogos digitais

Isabela Oliveira, Martha Kaschny Borges

Resumo


O presente resumo pretende apresentar o projeto de dissertação em andamento vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), na linha de pesquisa Educação, Comunicação e Tecnologia.Este projeto tem como pressupostos teórico-metodológicos a Teoria Ator-Rede (TAR) e a abordagem da cartografia das controvérsias. Entre os autores que dialogaremos estão: Lucia Santaella (2009), Bruno Latour (2012) e Kenski e Jordão (2014). O projeto pretende cartografar as ações que as crianças realizam no ciberespaço ao criarem jogos digitais de maneira colaborativa. O estudo irá analisar os dados coletados por meio de observação participante e de intervenções pedagógicas para a elaboração de cartografias das rotas de navegação dos alunos. As atividades serão realizadas em grupo, incentivando a colaboração entre os alunos e as ações realizadas serão registradas por meio de um programa de captura de vídeo e de comandos executados no computador. A análise das cartografias terá como base os conceitos da TAR, como actante, rede, rastros e caixa preta. Este estudo poderá contribuir para reforçar a necessidade de se discutir a importância da inserção das TD na escola, especialmente os jogos digitais, de uma maneira que os próprios estudantes possam ser os autores destes jogos.


Texto completo:

PDF

Referências


KENSKI, Vani Moreira; JORDÃO, Teresa Cristina. Atuação dos educadores facilitando a autoria colaborativa de jogos pelos alunos. In: PATRICIA LUPION TORRES. (Org.). Complexidade: redes e conexões na produção do conhecimento /. 1ed.Curitiba: SENAR-PR/KAIRÓS EDIÇÕES, 2014, v. 1, p. 285-300.

LATOUR, Bruno. Reagregando o social: uma introdução à teoria Ator-Rede. Salvador: Edugba, 2012.

SANTAELLA, Lucia; FEITOZA, Mirna. Mapa do Jogo: A diversidade cultural dos games. São Paulo: Cengage Learning, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.