Diálogos entre os currículos de educação de jovens e adultos e seus/as alunos/as

Roberta Avoglio Alves Oliveira

Resumo


Este trabalho tem como objetivo travar um diálogo entre as vivências dos/as alunas da Educação de Jovens e Adultos (EJA) e os currículos da modalidade, compreendendo-os como enunciação cultural, construídos a partir da diversidade de significações e demandas de seus sujeitos. Compreendendo que os/as alunos/as da EJA são protagonistas em suas comunidades, ainda que nossa sociedade seja extremamente excludente, são capazes de reivindicar pautas, articular-se, ou seja, embora não tenham tido a oportunidade de estudar formalmente ou concluir sua escolaridade, apresentam vivências que lhes garantem leituras do mundo, não sendo a escola a proporcionar esta dimensão de inserção social. A EJA se configura na diversidade, sendo formada por uma multiplicidade de sujeitos, que devem ser chamados, na minha compreensão, para colaborar na construção de um currículo que dialogue com suas demandas e afastado de saberes escolares que hierarquizam conhecimentos. Não se trata de negar o conhecimento, mas compreender em que medida fazem sentido ou não. Dadas as características da EJA, assumo que ela pode vir a nos apontar um caminho de aproximação com aprendizagens significativas, cientes da precariedade dos projetos educacionais, pensando o currículo a partir da produção cultural e não como um instrumento fixo de trabalho na escola.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Constituição Federal de 1988. Disponivel em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm . Acesso em: ago 2017.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação(Lei 9394/96). Disponivel em: . Acesso em: ago 2017.

BRASIL. Parecer CNE/CEB nº 11/2000 .Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Carlos Roberto Jamil Cury (relator).

LACLAU, E.; MOUFFE, C.. Hegemonia e estratégia socialista: por uma política democrática radical. São Paulo, Intermeios, 2015.

LOPES, A.C.. Política, conhecimento e a defesa de um vazio normativo. In: MENDONÇA, D.; RODRIGUES, L.P.; LINHARES, B (org). Ernesto Laclau e seu legado transdisciplinar. São Paulo: Intermeios, 2017

PEREIRA, T. V.. As contribuições do paradigma pós‐ estruturalista para analisar as políticas curriculares. revista espaço do currículo, v.3, n.1, pp.419-430. Paraíba, 2010


Apontamentos

  • Não há apontamentos.