Analfabetismo funcional: Uma análise das estatísticas públicas e o ensino da matemática através dos jogos

Claudimara da Silva Pfiffer, Raquel Furlanetto

Resumo


Analfabetismo Funcional atualmente constitui-se como um problema severo e silencioso, que está relacionada ao fato do indivíduo saber ler, contar, escrever frases simples, mas não é capaz de interpretá-los com facilidade, onde envolve basicamente as áreas da Linguagem e Matemática. Mais do que resolver o problema da decadência nas matrículas, seria necessário investir em propostas pedagógicas mais encantadoras e desafiadoras, que correspondam com a realidade destes jovens. Dentro dessas propostas existem possibilidades pedagógicas para o ensino da matemática: realizar cálculo mental; rever o limite; controlar a ansiedade; desenvolver a linguagem, a organização espacial e a concentração; superar frustrações causadas pelo erro; desenvolver a autonomia e o cumprimento de regras, bem como promover a interação entre os estudantes. Visaram estabelecer um paralelo entre os princípios e pressupostos das pesquisas de órgãos políticos nacionais atuais e os ensinos da matemática através dos jogos, permitindo trabalhar com diversas aprendizagens, como conciliar interesses e enfrentar dificuldades.


Texto completo:

PDF

Referências


Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, INEP. Mapa do Analfabetismo no Brasil. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/documents/186968/485745/Mapa+do+analfabetismo+no+Brasil/a53ac9ee-c0c0-4727-b216-035c65c45e1b?version=1.3 >Acesso em 21 de setembro de 2017.

PFIFFER. Claudimara da Silva. Jogos com conteúdos matemáticos para os anos finais do ensino fundamental. Blumenau, 2014. Originalmente apresentada como dissertação de mestrado, Fundação Universidade Regional de Blumenau, 2014.

Plano Nacional da Educação, PNE. Planejando a próxima década.

Disponível em: Acesso em 20 de setembro de 2017.

TOLEDO, Lucinéia Silveira. Adolescentes em situação de analfabetismo funcional: contribuições da psicanálise. Belo Horizonte, 2015. Originalmente apresentada como tese de doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.