Políticas de conhecimento para o ensino médio

Aline Rabelo Marques, Fabiany de Cássia Tavares Silva

Resumo


O presente texto tem o objetivo de identificar e analisar o discurso ideológico, que alimenta os processos de seleção de conhecimentos no/para o ensino médio registrados/prescritos em documentos da reforma iniciada nos anos de 1990. Particularmente, nos limites aqui impostos, pontuamos algumas críticas a partir da problematização dos discursos políticos e curriculares, acerca da construção identitária do ensino médio no Estado de Mato Grosso do Sul, Brasil. Analisamos o documento curricular publicado em 20122, enquanto texto “oficial” e, por isso, possuidor de uma linguagem autorizada, produto, processo e produtor de relações de poder interessadas, delineado pelo questionamento de quais concepções e “endereçamentos” se fazem presentes no discurso de formação para esta etapa da educação básica? Quais seriam as nuances políticas e curriculares que configuraram a identidade delineada para o ensino médio local? A que tipo de sociedade interessava a seleção de conhecimentos delineada?Em tempos de efervescência com a discussão da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), a análise e, propriamente, as pesquisas que se debrucem sobre as questões do currículo são mais do que necessárias, são indispensáveis.


Texto completo:

PDF

Referências


CABUGUEIRA, A. C. C. M. Contributos reflexivos para o estudo das relações entre a educação e o desenvolvimento. Gestão e Desenvolvimento, Viseu: Universidade Católica Portuguesa (Centro Regional das Beiras), n. 11, p. 193-233, 2002. Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2016.

MATO GROSSO DO SUL. Secretária de Educação do Estado de Mato Grosso do Sul. Referencial Curricular 2012 Ensino Médio. Campo Grande: Secretária de Educação de MS, 2012. 266p.

PERRENOUD, Philippe. Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

SAMPAIO, M. M. F.(org.) Relatório de análise de propostas curriculares de ensino fundamental e ensino médio. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Básica, 2010. Disponível em:< http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=7013-relatorio-seb-anlisepropostas-ef-em&category_slug=novembro-2010-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 19 nov. 2016.

SCHULTZ, T. W. O Capital Humano: investimentos em educação e pesquisa. Tradução de Marco Aurélio de Moura Matos. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

TOLEDO, M. R. A. A nova reforma do Ensino Médio e o debate sobre suas finalidades. Cult- Revista Brasileira de Cultura: Bregantini. n. 209. fev. 2016. ano 19. p. 27- 31.

YOUNG, M. F. D. Por que o conhecimento é importante para as escolas do século XXI? Tradução Tessa Bueno. Revisão técnica Cláudia Valentina assumpção Galian. In: Cadernos de pesquisa. Fundação Carlos Chagas. v. 46. n.159. jan-mar. 2016. ISSN. 0100-1574. E-ISSN 1980-5314.Disponível em:< http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/3533>. Acesso em: 19 nov. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.