Aula de regra de três composta no estágio supervisionado: do trabalho prescrito ao trabalho real

Elisângela Bastos de Melo Espindola, Aída Maria Pereira de Oliveira

Resumo


Este artigo tem o objetivo de analisar a passagem do trabalho prescrito sobre uma aula de “regra de três composta”, por um professor-regente (supervisor de estágio), ao trabalho efetivo de uma estudante-estagiária da licenciatura em matemática. Para tanto, tomamos como referência conceitos básicos da ergonomia cognitiva, tais como aqueles de trabalho, tarefa e atividade. Trata-se de um estudo de caso, desenvolvido durante a vivência de uma disciplina de Estágio Supervisionado, realizado com uma licencianda em matemática com a colaboração de um professor-supervisor de uma escola pública, situada em Recife- Pernambuco. Destacamos como procedimentos metodológicos a utilização das técnicas de entrevista, videogravação e de autoconfrontação simples. Dentre os resultados do estudo, ressaltamos a (re) interpretação do trabalho experenciado pela estudante-estagiária da preparação da aula sobre o tema “regra de três composta” a sua implementação em sala de aula; advinda de suas reflexões sobre seu trabalho docente, sobretudo, a partir da técnica de autoconfrontação.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5965/2357724X05092017101