Propagação vegetativa de seleções de porta-enxertos potencialmente tolerantes à morte-precoce do pessegueiro

Newton Alex Mayer, Bernardo Ueno, Tainá Rodrigues das Neves

Resumo


A morte-precoce do pessegueiro é uma síndrome cuja causa envolve diversos agentes bióticos e abióticos e, para reduzir os prejuízos, a principal linha de pesquisa tem sido a busca por porta-enxertos tolerantes. Dentre as características desejáveis em um bom porta-enxerto, a facilidade de propagação vegetativa é fundamental para preservação da identidade genética e facilitar a difusão de tecnologias. O objetivo, com o presente trabalho, foi avaliar a viabilidade técnica da propagação vegetativa por estacas herbáceas de 18 seleções clonais de porta-enxertos [Prunus persica (L.) Batsch.] potencialmente tolerantes à morte-precoce, sob câmara de nebulização intermitente. Como cultivares de referência, foram utilizadas 'Capdeboscq', 'Okinawa' (P. persica) e 'Sharpe' [‘Chickasaw’ (Prunus angustifolia Marsh.) x Prunus spp.]. Com as avaliações realizadas após 65 dias da estaquia, foi possível concluir que a propagação das seleções de porta-enxertos por estacas herbáceas é tecnicamente viável, com porcentagens de enraizamento que variaram de 21,67% a 91,67%, de tal forma que nenhum desses genótipos deve ser descartado do processo de seleção. A qualidade das raízes adventícias formadas foi satisfatória na maioria dos genótipos estudados, com elevadas porcentagens de estacas aptas ao transplantio, satisfatório número e comprimento de raízes. Entretanto, a seleção WFM-ESM-07-04 e as cultivares Capdeboscq e Sharpe se destacaram positivamente nesse aspecto. Dentre os três porta-enxertos de referência utilizados, 'Okinawa' e 'Capdeboscq' apresentaram capacidade propagativa (rendimento) por estacas herbáceas bastante similar entre si, porém ambos são melhores do que 'Sharpe'.


Palavras-chave


Rosaceae, Prunus spp., estacas herbáceas, câmara de nebulização intermitente.

Texto completo:

PDF

Referências


BECKMAN TG et al. 1997a. History, current status and future potential of GuardianTM (BY520-9) peach rootstock. Acta Horticulturae 451: 251-258.

BECKMAN TG et al. 1997b. The USDA-ARS stone fruit rootstock development program at Byron, Georgia. Acta Horticulturae 451: 237-242.

BECKMAN TG et al. 2002. Influence of scion and rootstock on incidence of peach tree short life. Acta Horticulturae 592: 645-648.

BECKMAN TG et al. 2008. ‘Sharpe’, a clonal plum rootstock for peach. HortScience 43: 2236-2237.

BECKMAN TG et al. 2012. ‘MP-29’, a clonal interspecific hybrid rootstock for peach. HortScience 47: 128-131.

CAMPOS AD et al. 2014. Morte precoce de plantas. In: RASEIRA MCB et al. (Ed). Pessegueiro. Brasília: Embrapa. p.509-530.

CANLI FA & BOZKURT S. 2009. Effects of indolebutyric acid on adventitious root formation from semi-hardwood cuttings of ‘Sarierik’ plum. Journal Applied Biology Science 3: 45-48.

CANTERI MG et al. 2001. SASM - Agri: Sistema para análise e separação de médias em experimentos agrícolas pelos métodos Scott-Knott, Tukey e Duncan. Revista Brasileira de Agrocomputação 1: 18-24.

CARDOSO C et al. 2011. AIB e substratos no enraizamento de estacas de pessegueiro ‘Okinawa’ coletadas no outono. Semina: Ciências Agrárias 32: 1307-1314.

FRAGOSO R et al. 2015. Maintenance of leaves and indolebutyric acid in rooting of juvenile japanese flowering cherry cuttings. Revista Brasileira de Ciências Agrárias 10: 97-101.

HARTMANN HT et al. 2002. Plant propagation: principles and practices. 7.ed. New Jersey: Prentice Hall. 880p.

INDREIAS A. 2013. Breeding program of rootstocks for peach tree at the Research Station for Fruit Growing Constanta, Romania. Acta Horticulturae 981: 217-222.

MARAFON AC et al. 2009. Atividade da peroxidase durante o período hibernal de plantas de pessegueiro (Prunus persica (L.) Batsch.) cv. Jubileu com e sem sintomas da morte precoce. Revista Brasileira de Fruticultura 31: 938-942.

MATEJA S et al. 2007. The effects of a fogging system on the physiological status and rooting capacity of leafy cuttings of woody species. Trees 21: 491-496.

MAYER NA & UENO B. 2012. A morte-precoce do pessegueiro e suas relações com porta-enxertos. Pelotas: Embrapa Clima Temperado. 42p. (Documentos 359).

MAYER NA & UENO B. 2015. ‘Sharpe’: porta-enxerto para pessegueiro introduzido no Brasil pela Embrapa Clima Temperado. Pelotas: Embrapa Clima Temperado. 27p. (Documentos 392).

MAYER NA et al. 2009. Seleção e clonagem de porta-enxertos tolerantes à morte-precoce do pessegueiro. Pelotas: Embrapa Clima Temperado. 13p. (Comunicado Técnico 209).

MAYER NA et al. 2014a. Porta-enxertos. In: RASEIRA MCB et al. Pessegueiro. Brasília: Embrapa. p.173-223.

MAYER NA et al. 2014b. Estaquia herbácea de porta-enxertos de pessegueiro no final do verão. Semina: Ciências Agrárias 35: 1761-1772.

MCMAHON EA et al. 2015. Cutting and seed propagation of Chickasaw plum (Prunus angustifolia). International Journal of Fruit Science 15: 313-323.

OKIE WR et al. 1994a. Field-screening Prunus for longevity in the Southeastern United States. HortScience 29: 673-677.

OKIE WR et al. 1994b. BY520-9 A peach rootstock for the Southeastern United States that increases scion longevity. HortScience 29: 705-706.

OSTERC G & ŠTAMPAR F. 2011. Differences in endo/exogenous auxin profile in cuttings of different physiological ages. Journal of Plant Physiology 168: 2088-2092.

PINOCHET J. 2010. ‘Replantpac’ (Rootpac® R), a plum–almond hybrid rootstock for replant situations. HortScience 45: 299–301.

REIGHARD GL et al. 1997. Field performance of Prunus rootstock cultivars and selections on replant soils in South Carolina. Acta Horticulturae 451: 243-249.

RUBIO-CABETAS MJ. 2012. Present and future trends in peach rootstock breeding worldwide. Acta Horticulturae 962: 81-89.

SULUSOGLU M & CAVUSOGLU A. 2010. Vegetative propagation of Cherry laurel (Prunus laurocerasus L.) using semi-hardwood cuttings. African Journal of Agricultural Research 5: 3196-3202.

TWORKOSKI T & TAKEDA F. 2007. Rooting response of shoot cuttings from three peach growth habits. Scientia Horticulturae 115: 98-100.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711732018300

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171