Características fisiológicas de plantas hibernais com potencial fitorremediador sob influência dos herbicidas fomesafen e sulfentrazone

Carla Alves, Leandro Galon, Cinthia Maethê Holz, Rosilene Rodrigues Kaizer, Fábio Luis Winter, Germani Concenço, Felipe Nonemacher, Gismael Francisco Perin

Resumo


O emprego de espécies vegetais para fitorremediação de solos contaminados com herbicidas persistentes, como os inibidores da enzima protoporfirinogênio oxidase (PROTOX), é uma alternativa interessante dos pontos de vista econômico e ambiental. O objetivo deste trabalho foi avaliar a influência de fomesafen e sulfentrazone nas características relacionadas à fisiologia de espécies hibernais com potencial para aplicação como fitorremediadoras de solo contaminado por esses herbicidas. Dois experimentos foram instalados em casa de vegetação, um com o herbicida fomesafen e outro com o sulfentrazone, no delineamento de blocos casualizados com quatro repetições. Foram testadas doses dos herbicidas fomesafen (0,0; 0,125; 0,250; e 0,5 kg ha-1) e sulfentrazone (0,0; 0,3; 0,6; e 1,2 kg ha-1), marcas comerciais Flex® e Boral 500®, respectivamente, aplicadas na pré-emergência das espécies com potencial fitorremediador (aveia-preta, ervilhaca, nabo e cornichão). Aos 45 dias após a emergência das plantas, foram avaliados o índice de clorofila, a eficiência de carboxilação (EC- mol CO2 m-2 s-1), a condutância estomática de vapores de água (Gs - mol m-1 s-1), a concentração interna de CO2 (Ci - µmol mol-1), a taxa de transpiração (E - mol H2O m-2 s-1), a quantidade de CO2 consumido (QT - µmol mol-1), o uso eficiente da água (UEA - mol CO2 mol H2O-1), a temperatura da folha ΔT (ºC), a taxa fotossintética (A - µmol m-2 s-1) e a massa seca (g vaso-1) da parte aérea. Observou-se que a ervilhaca apresenta os melhores resultados para todas as variáveis avaliadas, demonstrando assim potencial para ser testada como fitorremediadora de solos contaminados com os herbicidas fomesafen e sulfentrazone.


Palavras-chave


fomesafen, Lupinus albus, sulfentrazone, Vicia sativa.

Texto completo:

PDF

Referências


ARTUZI JP & CONTIERO RL 2006. Herbicidas aplicados na soja e produtividade do milho em sucessão. Pesquisa Agropecuária Brasileira 41:1119-1123.

BELO AF et al. 2011. Atividade fotossintética de plantas cultivadas em solo contaminado com picloram. Planta Daninha 29: 885-892.

BELO AF et al. 2016. Atividade fotossintética de plantas cultivadas em solo contaminado com sulfentrazone. Revista Brasileira de Herbicidas 15: 165-174.

BRASIL. 2018. Ministério da Agricultura e Pecuária. Agrofit. Disponível em: www.agricultura.gov.br. Acesso em: 20 mai. 2018.

BLANCO FMG & VELINI ED 2005. Persistência do herbicida sulfentrazone em solo cultivado com soja e seu efeito em culturas sucedâneas. Planta Daninha 23:693-700.

BLANCO FMG et al. 2010. Persistência do herbicida sulfentrazone em solo cultivado com cana-de-açúcar. Bragantia 69: 71-75.

BRODRIBB TJ & HILL RS 2000. Increases in water potential gradient reduce xylem conductivity in whole plants. Evidence from a low-pressure conductivity method. Plant Physiology 123: 1021-1028.

BRODRIBB TJ & HOLBROOK NM 2003. Stomatal closure during leaf dehydration, correlation with other leaf physiological traits. Plant Physiology 132: 2166-2173.

CARMO ML et al. 2008. Influência do período de cultivo de Panicum maximum (cultivar Tanzânia) na fitorremediação de solo contaminado com picloram. Planta Daninha 26: 315-322.

CARRETERO DM. 2008. Efeito da inibição da protoporfirinogênio IX oxidase sobre trocas gasosas e fluorescência da clorofila a em plantas de soja (Glycine max L. Merrill). Dissertação (Mestrado em Fisiologia Vegetal). Viçosa: UFV. 57p.

CQFS-RS/SC. 2004. Comissão de Química e Fertilidade do Solo. Manual de adubação e calagem para os estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 10.ed. Porto Alegre. 400p.

COBUCCI T et al. 1998. Effect of imazamox, fomesafen and acifluorfen soil residue on rotational crops. Weed Science 46:258-263.

COCHARD H et al. 2002. Unraveling the effects of plant hydraulics on stomatal closure during water stress in walnut. Plant Physiology 128:282-290.

CONCENÇO G et al. 2007. Uso da água em biótipos de azevém (Lolium multiflorum) em condição de competição. Planta Daninha 25:449-455.

CONCENÇO G et al. 2009. Uso da água por plantas de arroz em competição com biótipos de Echinochloa crusgalli resistente e suscetível ao herbicida quinclorac. Planta Daninha 27: 249-256.

CORRÊA MJP & ALVES PLCA 2010. Efeitos da aplicação de herbicidas sobre a eficiência fotoquímica em plantas de soja convencional e geneticamente modificada. Ciência e Agrotecnologia 34: 1136-1145.

DAN HA et al. 2011. Atividade residual de herbicidas aplicados em pós-emergência na cultura da soja sobre o milheto cultivado em sucessão. Planta Daninha 29: 663-671.

DUKE SO et al. 1991. Protoporphyrinogen oxidase-inhibiting herbicides. Weed Science 39: 465-473.

EMBRAPA. 2013. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: Embrapa Solos. 154p.

GALON L et al. 2010. Eficiência de uso da água em genótipos de cana-de-açúcar submetidos à aplicação de herbicidas. Planta Daninha 28: 777-784.

GALON L et al. 2014. Influência de herbicidas do grupo das imidazolinas em características fisiológicas de plantas cultivadas no inverno. Pesquisa Agropecuária Gaúcha 20: 42-51.

GUO J et al. 2003. Adsorption, desorption and mobility of fomesafen in Chinese soils. Water, Air, and Soil Pollution 148: 77-85.

HESS FD 2000. Light-dependent herbicides: an overview. Weed Science 48: 160-170.

INOUE MH et al. 2008. Lixiviação e degradação de diuron em dois solos de textura contrastante. Acta Scientiarum Agronomy 30: 631-638.

MADALÃO JC et al. 2012. Uso de leguminosas na fitorremediação de solo contaminado com sulfentrazone. Pesquisa Agropecuaria Tropical 42: 390-396.

MADALÃO JC et al. 2017. Action of Canavalia ensiformis in remediation of contaminated soil with sulfentrazone. Bragantia 76:292-299.

MOOSAVI SG & SEGHATOLESLAMI MJ 2013. Phytoremediation: A Review. Advance in Agriculture and Biology 1: 5-11.

OHMES GA et al. 2000. Sulfentrazone dissipation in a Tennessee soil. Weed Technology 14: 100-105.

OLIVEIRA JR RS. 2001. Atividade residual de imazaquin e alachlor+atrazine para plantio sequencial de canola. Ciência Rural 31: 219-224.

OLIVEIRA JR RS et al. 2011. Sorption-desorption of aminocyclopyrachlor in selected brazilian soils. Journal of Agricultural and Food Chemistry 59: 4045-4050

PEREIRA FAR et al. 2000. Seletividade de sulfentrazone em cultivares de soja e efeitos residuais sobre culturas sucessivas em solos de cerrado. Revista Brasileira de Herbicidas 1: 219-224.

PIRES FR et al. 2005. Fitorremediação de solos contaminados com tebuthiuron utilizando-se espécies cultivadas para adubação verde. Planta Daninha 23:711-717.

PROCÓPIO SO et al. 2004. Seleção de plantas com potencial para fitorremediação de solos contaminados com o herbicida trifloxysulfuron sodium. Planta Daninha 22: 315-322.

RAUCH BJ et al. 2007. Dissipation of fomesafen in New York state soils and potential to cause carryover injury to sweet corn. Weed Technology 21: 206-212.

REIS MR et al. 2014. Aspectos fisiológicos e crescimento do girassol após aplicação de herbicidas em pré-emergência. Revista Agro@mbiente On-line 8:352-358.

RODRIGUES BN & ALMEIDA FS 2011. Guia de herbicidas. 6.ed. Londrina. 697p.

SANTOS EA et al. 2007. Fitoestimulação por Stizolobium aterrimum como processo de remediação de solo contaminado com trifloxysulfuron-sodium. Planta Daninha 25: 259-265.

SILVA AA et al. 2007. Herbicidas: Classificação e mecanismo de ação. In: Silva AA & Silva JF (Eds.). Tópicos em manejo de plantas daninhas. Viçosa: UFV. p.83-147.

SILVA LOC et al. 2012. Ação de Eleusine coracana na remediação de solos contaminados com picloram. Planta Daninha 30: 627-632. SILVEIRA HM et al. 2012. Características fotossintéticas de cultivares de mandioca tratadas com fluazifop-p-butyl e fomesafen. Revista Agro@mbiente On-line 6: 222-227.

SZMIGIELSKI AM. et al. 2009. Development of a laboratory bioassay and effect of soil properties on sulfentrazone phytotoxicity in soil. Weed Technology 23: 486-491.

TAIZ L et al. 2017. Fisiologia e desenvolvimento vegetal. 6. ed. Porto Alegre: Artmed. 888p.

TORRES LG et al. 2012. Alterações nas características fisiológicas de cultivares de cana-de-açúcar submetida à aplicação de herbicidas. Planta Daninha 30: 581-587.

VARGAS L et al. 2014. Glyphosate influence on the physiological parameters of Conyza bonariensis biotypes. Planta Daninha 32: 151-159.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711812019001

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171