Desempenho agronômico da soja cultivada em diferentes épocas e distribuição de plantas

Eduardo Lima do Carmo, Guilherme Braga Pereira Braz, Gustavo André Simon, Alessandro Guerra da Silva, Antônio Germano Carpim Rocha

Resumo


Períodos favoráveis à semeadura bem como a disposição espacial em que plantas se encontram na área de cultivo são fatores que influenciam diretamente a produtividade da soja. A melhor equidistância entre plantas para determinada época de cultivo pode resultar em maior aproveitamento de água, luz e nutrientes. Nesse contexto, por duas safras agrícolas de verão contínuas, foram realizados experimentos de campo com o objetivo de avaliar o desempenho agronômico da soja semeada em diferentes épocas e distribuição espacial de plantas. O delineamento utilizado foi de blocos casualizados, em esquema de parcelas subdivididas, com quatro repetições. Nas parcelas, foram alocadas quatro épocas de semeadura equidistantes de 15 dias a partir de 3 de outubro (2014/15 e 2015/16) e nas subparcelas foram dispostos, aleatoriamente, os espaçamentos entre linhas de semeadura de 0,5 e 0,25 m (tradicional e adensado, respectivamente). Na colheita, avaliaram-se características morfológicas, componentes do rendimento e a produtividade de grãos. A época de semeadura influenciou as características morfológicas e componentes do rendimento da soja. O retardamento da época de semeadura proporcionou menores rendimentos de grãos. As cultivares de soja se comportaram de maneira distinta quanto à redução no espaçamento entre linhas. A BMX Desafio RR® apresentou maior produtividade quando cultivada em espaçamento entre linhas de 0,25 m em relação ao tradicional (0,5 m).

Palavras-chave


arranjo espacial de plantas, Glycine max, plasticidade fenotípica.

Texto completo:

PDF

Referências


BALBINOT JÚNIOR AA et al. 2013. Semeadura cruzada na cultura da soja. Londrina: Embrapa Soja. 8p. (Circular Técnica, 98)

BARBOSA MC et al. 2013. Desempenho agronômico e componentes da produção de cultivares de soja em duas épocas de semeadura no Arenito Caiuá. Semina: Ciências Agrárias 34: 945-960.

BIANCHI MA et al. 2010. Papéis do arranjo de plantas e do cultivar de soja no resultado da interferência com plantas competidoras. Planta Daninha 28: 979-991.

BOARD J. 2000. Light interception efficiency and light quality affect yield compensation of soybean at low plant populations. Crop Science 40: 1285-1294.

ÇALIŞKAN S et al. 2007. The effects of row spacing on yield and yield components of full season and double-cropped soybean. Turkish Journal of Agriculture and Forestry 31: 147-154.

CARVALHO ER et al. 2010. Desempenho de cultivares de soja [Glycine max (L.) Merrill] em cultivo de verão no Sul de Minas Gerais. Ciência e Agrotecnologia 34: 892-899.

CARVALHO MM. 2014. Influência de sistemas de semeadura na população de pragas e nas características morfofisiológicas em cultivares de soja. Dissertação (Mestrado em Agronomia). Botucatu: UNESP. 59p.

COSTA ED. 2013. Arranjo de plantas, características agronômicas e produtividade de soja. Dissertação (Mestrado em Agronomia). Botucatu: UNESP. 60p.

CRUZ TV et al. 2010. Efeitos da época de semeadura sobre a composição química e a produtividade de grãos de diversas cultivares de soja no oeste da Bahia. Revista Brasileira de Oleaginosas e Fibrosas 14: 63-71.

EDWARDS JT et al. 2005. Soybean yield and biomass responses to increasing plant population among diverse maturity groups. Crop Science 45: 1778-1785.

EMBRAPA. 2011. Tecnologias de produção de soja: região central do Brasil 2012 e 2013. Londrina: Embrapa Soja. 261p. (Sistemas de Produção, 15).

EMBRAPA. 2013. Sistema brasileiro de classificação de solos. 3.ed. Brasília: Embrapa. 353p.

EMBRAPA. 2008. Tecnologias de produção de soja - região central do Brasil - 2009 e 2010. Londrina: Embrapa Soja. 262p. (Sistemas de Produção, 13).

FERREIRA DF. 2011. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia 35: 1039-1042.

FERREIRA JUNIOR JA et al. 2010. Avaliação de genótipos de soja em diferentes épocas de plantio e densidade de semeadura no município de Uberaba - MG. FAZU em Revista 7: 13-21.

FONTOURA TB et al. 2006. Efeitos de níveis e épocas de desfolhamento sobre o rendimento e os componentes do rendimento de grãos da soja. Scientia Agraria 7: 49-54.

HEIFFIG LS et al. 2006. Fechamento e índice de área foliar da cultura da soja em diferentes arranjos espaciais. Bragantia 65: 285-295.

JOHNSON HW et al. 1960. Effects of photoperiod and time of planting on rates of development of the soybean in various stages of the life cycle. Botanical Gazette 122: 77-95.

KUSS RCR. 2006. Populações de plantas e estratégias de irrigação na cultura da soja. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola). Santa Maria: UFSM. 80p.

LIMA SF et al. 2012. Efeito da semeadura em linhas cruzadas sobre a produtividade de grãos e severidade da ferrugem asiática da soja. Bioscience Journal 28: 954-962.

MATZENAUER R et al. 2003. Estimativa do consumo relativo de água para a cultura da soja no Estado do Rio Grande do Sul. Ciência Rural 33: 1013-1019.

ORMOND ATS. 2013. Sistemas de semeadura e manejo do solo no desenvolvimento da cultura da soja. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola). Rondonópolis: UFMT. 71p.

SEDIYAMA T. 2009. Tecnologias de produção e usos da soja. Londrina: Mecenas. 314p.

SOUZA CA et al. 2010. Relação entre densidade de plantas e genótipos de soja Roundup ReadyTM. Planta Daninha 28: 887-896.

STÜLP M et al. 2009. Desempenho agronômico de três cultivares de soja em diferentes épocas de semeadura em duas safras. Ciência e Agrotecnologia 33: 1240-1248.

ZABOT L. 2009. Caracterização agronômica de cultivares transgênicas de soja cultivadas no Rio Grande do Sul. Tese (Doutorado em Agronomia). Santa Maria: UFSM. 280p.

ZANON AJ et al. 2016. Growth habit effect on development of modern soybean cultivars after beginning of bloom in Rio Grande do Sul. Bragantia 75: 446-458.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711712018061

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171