Semeadura direta com diferentes mecanismos sulcadores: alterações em propriedades de um Latossolo Bruno e produtividade das culturas

Franciani Rodrigues da Silva, Jackson Adriano Albuquerque, Diego Bortolini, André da Costa, Sandra Mara Vieira Fontoura

Resumo


Os mecanismos das semeadoras para cortar os resíduos vegetais, mobilizar a camada superficial do solo e depositar as sementes nos sulcos modificam os atributos do solo e interferem no crescimento das culturas. Portanto, comparar os efeitos destes mecanismos é necessário. Este estudo objetivou avaliar o efeito de diferentes mecanismos sulcadores de semeadora-adubadoras, e da escarificação, sobre atributos de um Latossolo Bruno alumínico típico, e na produtividade de culturas. Os tratamentos avaliados foram: sulcadores tipo disco duplo (DD); sulcadores tipo guilhotina (GUI); sulcadores tipo facão (FA); e escarificação seguido de disco duplo (ESC+DD). Amostras de solo foram coletadas nas camadas de 0-10, 10-20 e 20-40 cm para avaliar atributos físicos (densidade, porosidade total, macro e microporosidade), químicos (pH, Ca, Mg, K e P) e conteúdo de carbono orgânico. Avaliou-se a matéria seca da parte aérea da soja e a produtividade das culturas em três safras distintas. Foi testada a normalidade dos dados, e realizada a análise da variância (teste F a p<0,05), e apresentando significância as médias foram comparadas pelo teste de Tukey a 5%. Os atributos de solo foram analisados para cada camada separadamente. Após quatro anos observou-se que a densidade do solo ainda é afetada pela escarificação, que a reduziu. A utilização sucessiva de DD no inverno para a implantação das culturas provocou homogeneização do solo, não diferindo as demais propriedades físicas e químicas. De maneira geral a produtividade de grãos e massa seca foram superiores no tratamento onde houve escarificação, utilização do disco duplo no verão e utilização do facão, em comparação a guilhotina.


Palavras-chave


implementos agrícolas, semeadora, física do solo.

Texto completo:

PDF

Referências


CALONEGO JC & ROSOLEM CA. 2008. Estabilidade de agregados do solo após manejo com rotações de culturas e escarificação. Revista Brasileira de Ciência do Solo 32: 1399-1407.

CAMARA RK & KLEIN VA. 2005. Propriedades físico-hídricas do solo sob plantio direto escarificado e rendimento da soja. Ciência Rural 35: 813-819.

CQFS- RS/SC. 2004. Comissão de Química e Fertilidade do Solo. Manual de adubação e de calagem para os estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 10.ed. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. 400p.

COLLARES GL et al. 2008. Compactação de um Latossolo induzida pelo tráfego de máquinas e sua relação com o crescimento e produtividade de feijão e trigo. Revista Brasileira de Ciência do Solo 32: 933-942.

DRESCHER MS et al. 2011. Persistência do efeito de intervenções mecânicas para a descompactação de solos sob plantio direto. Revista Brasileira de Ciência do Solo 35: 1713-1722.

EMBRAPA. 2013. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3.ed. Brasília: EMBRAPA. 353p.

GENRO JUNIOR AS et al. 2004. Variabilidade temporal da resistência à penetração de um Latossolo argiloso sob semeadura direta com rotação de culturas. Revista Brasileira de Ciência do Solo 28: 477-484.

KAISER DR. 2010. Estrutura e água em Argissolo sob distintos preparos na cultura do milho. Tese (Doutorado em Ciência do Solo). Santa Maria: UFSM. 146p.

KEMPER WD & CHEPIL WS 1965. Size distribution of aggregates. In: BLACK CA et al. (Eds). Methods of soil analysis – Physical and mineralogical properties, including statistics of measurement and sampling. Part 1. Madison: American Society of Agronomy. p. 499-510.

KLEIN VA et al. 2008. Porosidade de aeração de um Latossolo Vermelho e rendimento de trigo em plantio direto escarificado. Ciência Rural 38: 365-371.

KOAKOSKI A et al. 2007. Desempenho de semeadora-adubadora utilizando-se dois mecanismos rompedores e três pressões da roda compactadora. Pesquisa Agropecuária Brasileira 42: 725-731.

LIMA CLR et al. 2006. Qualidade físico-hídrica e rendimento de soja (Glycine max L.) e feijão (Phaseolus vulgaris L.) de um Argissolo Vermelho distrófico sob diferentes sistemas de manejo. Ciência Rural 36: 1172-1178.

MARCOLAN AL et al. 2007. Recuperação de atributos físicos de um Argissolo em função do seu revolvimento e do tempo de semeadura direta. Revista Brasileira de Ciência do Solo 31: 571-579.

REIS EF et al. 2006. Densidade do solo no ambiente solo-semente e velocidade de emergência em sistema de semeadura de milho. Revista Brasileira de Ciência do Solo 30: 777-786.

ROSA DP et al. 2008. Relação entre solo e haste sulcadora de semeadora em Latossolo escarificado em diferentes épocas. Pesquisa Agropecuária Brasileira 43: 395-400.

SECCO D et al. 2009. Atributos físicos e rendimento de grãos de trigo, soja e milho em dois Latossolos compactados e escarificados. Ciência Rural 39: 58-64.

SEKI AS et al. 2015. Efeitos de práticas de descompactação do solo em área sob sistema plantio direto. Revista de Ciência Agronômica 46: 460-468.

SILVA FR et al. 2014. Crescimento inicial da cultura da soja em Latossolo Bruno com diferentes graus de compactação. Revista Brasileira de Ciência do Solo 38: 1731-1739.

SILVA V et al. 2008. Variáveis de acidez em função da mineralogia da fração argila do solo. Revista Brasileira de Ciência do Solo 32: 551-559.

TEDESCO MJ et al. 1995. Análises de solos, plantas e outros materiais. 2.ed. Porto Alegre: UFRGS. 174p.

TROGELLO E et al. 2013. Manejos de cobertura, mecanismos sulcadores e velocidades de operação sobre a semeadura direta da cultura do milho. Bragantia 72: 101-109.

VARADACHARI C et al. 1997. Complexation of humic substances with oxides of iron and aluminum. Soil Science 162: 28-34.

VIZZOTTO VR. 2014. Desempenho de mecanismos sulcadores de semeadora-adubadora sobre os atributos físicos do solo em várzea no comportamento da cultura da soja (Glycine max L). Tese (Doutorado em Engenharia Agrícola). Santa Maria: UFSM. 78p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711732018428

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171