Microclima em sistema silvipastoril agroecológico com bambu em diferentes distâncias de projeção de sombra: um estudo de caso no Sul do Brasil

Cátia Hermes, Frederico Márcio Corrêa Vieira, Aline Delfino Germano, Fabiana Rankrape, Erica Rui Militão, Américo Wagner Júnior, Edgar Souza Vismara

Resumo


O objetivo do presente estudo foi avaliar a capacidade de um sistema silvipastoril agroecológico, composto por espécies de bambu e árvores, em promover alterações microclimáticas a diferentes distâncias de projeção a partir do dossel das árvores. Um total de 16 piquetes em um sistema silvipastoril agroecológico foram avaliados. Os piquetes foram divididos em quatro grupos separados (tratamentos silvipastoris): a) Bambusa vulgaris L. e árvores plantadas, b) somente bambu, c) somente árvores, e d) sistema de pastagem aberta. Os seguintes parâmetros do microclima foram estudados: temperatura do ar, umidade relativa do ar, temperatura da grama e velocidade do vento. Todos os parâmetros foram medidos a uma altura de 20 cm acima do solo. As medidas foram registradas por diferentes intervalos de tempo, a fim de examinar o efeito de três fatores: horário do dia, tratamento da silvipastoril e distância até a fileira de árvores. Os resultados mostram que houve aumento na umidade relativa e uma redução na velocidade do vento próximo à linha de árvores. O sistema silvipastoril agroecológico age, portanto, como um corta-vento e retém a umidade perto das árvores. Assim, pode-se concluir que, independente da presença de bambu, devido à limitada área de copa em estágio jovem de B. vulgaris, o sistema silvipastoril agroecológico promoveu alterações microclimáticas ao ambiente, indicando o potencial deste sistema integrado de reduzir a carga de calor para gado e plantas.

Palavras-chave


agroecologia, biometeorologia, sistemas de produção integrada.

Texto completo:

PDF (English)

Referências


ALTIERI MA & NICHOLLS CI. 2010. Agroecología: potenciando la agricultura campesina para revertir el hambre y la inseguridad alimentaria en el mundo. Revista de Economía Crítica 10: 62-74.

ALVARES CA et al. 2013. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift 22: 711-728

BALISCEI MA et al. 2013. Microclimate without shade and silvopastoral system during summer and winter. Acta Scientiarum. Animal Sciences 35: 49-56.

BATES D et al. 2015. Fitting linear mixed-effects models using lme4. Journal of Statistical Software 67: 1-48.

BERNARDINO FS & GARCIA R. 2009. Sistemas silvipastoris. Pesquisa Florestal Brasileira 60: 77-87.

BOOSTMA A. 1976. Estimating grass minimum temperatures from screen minimum values and other climatological parameters. Agricultural Meteorology 16: 103-113.

CLEUGH HA. 1998. Effects of windbreaks on airflow, microclimates and crop yields. Agroforestry Systems 41: 55-84.

GREGORY NG. 1995. The role of shelterbelts in protecting livestock: A review. New Zealand Journal of Agricultural Research 38: 423–450.

HAILE SG et al. 2010. Contribution of trees to carbon storage in soils of silvopastoral systems in Florida, USA. Global Change Biology 16: 427-438.

MAOYI F & BANIK RL. 1995. Bamboo production systems and their management. In: 5 International Bamboo Workshop and the 4 International Bamboo Congress: propagation and Management. Bali: INBAR. P. 18-33.

MORAES JÚNIOR RJ et al. 2010. Conforto ambiental de bezerros bubalinos (Bubalus bubalis Linnaeus, 1758) em sistemas silvipastoris na Amazônia Oriental. Acta Amazonica 40: 629-640.

NEPOMUCENO AN & SILVA IC. 2009. Caracterização de sistemas silvipastoris da região Noroeste do estado do Paraná. Floresta 39: 279-287.

PACIULLO DSC et al. 2008. Crescimento de capim-braquiária influenciado pelo grau de sombreamento e pela estação do ano. Pesquisa Agropecuária Brasileira 43: 917-923.

PEZO D & IBRAHIM M. 1998. Sistemas silvipastoriles. Costa Rica: CATIE. 12p.

R DEVELOPMENT CORE TEAM. 2016. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing. Available at: http://www.R-project.org. Access on: 23 Sep. 2016.

RASMUSSEN LV et al. 2017. Bridging the practitioner-researcher divide: Indicators to track environmental, economic, and sociocultural sustainability of agricultural commodity production. Global Environmental Change 42: 33-46

SILVA RG. 1999. Estimativa do balanço térmico por radiação em vacas holandesas expostas ao sol e à sombra em ambiente tropical. Revista Brasileira de Zootecnia 28: 1403-1411.

SILVA VR et al. 2006. Variação na temperatura do solo em três sistemas de manejo na cultura do feijão. Revista Brasileira de Ciência do Solo 30: 391-399.

SINGH AK et al. 2012. Dynamics of tree-crop interface in relation to their influence on microclimatic changes - a review. HortFlora Research Spectrum 1: 193-198.

SOUZA ES. 2009. Conforto térmico de vacas leiteiras em monocultivo de capim marandu e em sistema silvipastoril com coqueiros em Parnaíba. Dissertação (Mestrado em Ciência Animal). Teresina: UFPI. 26p.

ZHANG W & CLARK LG. 2000. Phylogeny and classification of the Bambusoideae (Poaceae). In: JACOBS WL & EVERRET J (Orgs.). Grasses: Systematics and Evolution. Melbourne: CSIRO Publishing. p.35-42.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711712018142

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171