Indução de tolerância à murcha bacteriana em híbridos de tomates por aplicação de giberelina

Fabrício Rodrigues, Ana Carolina Pacheco Nunes, Daniel Diego Costa Carvalho, Mylla Crysthyan Ribeiro

Resumo


A murcha-bacteriana (Ralstonia solanacearum) é um sério problema para a produção de solanáceas em diversas regiões brasileiras, principalmente, sob ambientes protegidos. A giberelina (GA3) é um hormônio que tem sua eficiência comprovada para o aumento de diversas características em plantas de tomate, porém não há estudo a respeito do potencial desse hormônio para a indução de tolerância à doença. Assim, o objetivo deste trabalho foi estudar o efeito da aplicação de giberelina para aumentar a tolerância em híbridos de tomate à murcha bacteriana. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos casualizados, em esquema fatorial 8x5 (híbridos e épocas de aplicação), com três repetições. Foram estudadas as variáveis de altura de planta, número de flores, diâmetro transversal dos frutos, massa fresca da parte aérea, número de frutos e peso dos frutos após 120 dias do plantio. Verificou-se que existe diferença significativa para todas as variáveis estudadas e, também, para as fontes de variação. A giberelina é capaz de induzir aumento da tolerância em plantas de tomate à murcha-bacteriana, entretanto a época de aplicação depende do híbrido e da variável desejada para se obter o melhor desempenho. A aplicação feita no 24° dia, após o plantio, foi a que mais apresentou ganhos elevados nos diferentes híbridos e variáveis, seguido do 32° dia.


Palavras-chave


Solanum lycopersicum L., Ralstonia solanacearum, hormônio, frutos.

Texto completo:

PDF

Referências


AYANA G & FININSA C. 2016. Effect of crop rotation on tomato bacterial wilt (Ralstonia solanacearum) and survival of the pathogen in the rhizospheres and roots of different crops in Ethiopia. International Journal of Phytopathology 5: 81-88.

AYUB RA & REZENDE BLA. 2010. Contribuição do ácido giberélico no tamanho de frutos do tomateiro. Biotemas 23: 25-28.

CATO SC et al. 2013. Sinergism among auxins, gibberellins and cytokinins in tomato cv. Micro-Tom. Horticultura Brasileira 31: 549-553.

DING J et al. 2013. Cytokinin-induced parthenocarpic fruit development in tomato is partly dependent on enhanced gibberellin and auxin biosynthesis. PLoS One 8: e70080.

DING Y et al. 2015. The role of gibberellins in the mitigation of chilling injury in cherry tomato (Solanum lycopersicum L.) fruit. Postharvest Biology and Technology 101: 88-95.

FARINHA TB. 2008. Envolvimento da giberelina na regulação do desenvolvimento vegetativo e reprodutivo de tomateiro (Solanum lycopersicum) cv Micro-Tom. Dissertação (Mestrado em Fisiologia e Bioquímica de Plantas). Piracicaba: ESALQ. 73p.

FERREIRA DF. 2011. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia 35: 1039-1042.

JIANG J et al. 2014. Effect of seed treatment by cold plasma on the resistance of tomato to Ralstonia solanacearum (bacterial wilt). Plos one 9: e97753.

LOPES CA & ÁVILA AC. 2005. Doenças do tomateiro. Brasília: Embrapa Hortaliças. 151p.

LOPES CA et al. 2015. Eficácia relativa de porta-enxertos comerciais de tomateiro no controle da murcha-bacteriana. Horticultura Brasileira 33: 125-130.

MARTÍNEZ LO et al. 2013. Efecto de las giberelinas sobre el crecimiento y calidad de plántulas de tomate. Biotecnia 15: 56-60.

MARTINS AO. 2013. Impactos ecofisiológicos e metabólicos da alteração nos níveis de giberelina em tomate. Dissertação (Mestrado em Fisiologia). Viçosa: UFV. 95f.

MORAIS TP et al. 2015. Occurrence and diversity of Ralstonia solanacearum populations in Brazil. Bioscience Journal 31: 1722-1737.

ROCHA DJA & MOURA AB. 2013. Controle biológico da murcha de tomateiro causada por Ralstonia solanacearum e Fusarium oxysporum f. sp. licopersici por rizobactérias. Tropical Plant Pathology 38: 423-430.

Rodrigues LMR et al. 2011. Pathogenicity of Brazilian strains of Ralstonia solanacearum in Strelitzia reginae seedlings. Tropical Plant Pathology 36: 409-413.

TAIZ L & ZEIGER E. 2013. Fisiologia vegetal. 5.ed. Porto Alegre: Artmed. 954p.

TAKATSU A & LOPES CA. 1997. Murcha-bacteriana em hortaliças: avanços científicos e perspectivas de controle. Horticultura Brasileira 15: 170-177. (Suplemento).

VENDRUSCOLO EP et al. 2016. GA3 em sementes de tomateiro: efeitos na germinação e desenvolvimento inicial de mudas. Revista de agricultura neotropical 3: 19-23.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711712018054

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171