Germinação e crescimento inicial de mudas de espécies não convencionais de fisális em diferentes substratos e ambientes

Rafael Machado de Cecco, Elcio Silvério Klosowski, Daniel Fernandes da Silva, Fabíola Villa

Resumo


A utilização de substratos e ambientes é importante fator a ser analisado na determinação da qualidade de germinação e crescimento de mudas de espécies de fisális. Diante do exposto, objetivou-se com o presente trabalho, avaliar a germinação e o crescimento inicial de duas espécies não convencionais de fisális, submetidas a diferentes ambientes e substratos. Conduziu-se dois experimentos simultâneos no período de março a maio/2014, na Unioeste, PR. O delineamento experimental utilizado no primeiro experimento foi blocos casualizados, fatorial 2x3 (2 espécies de fisális: Physalis minima, Physalis ixocarpa x 3 ambientes: ambiente protegido com cobertura plástica de 150 µm; telado com 50% de sombreamento e pleno sol), contendo 3 repetições e 50 sementes por parcela experimental. O delineamento do segundo experimento foi blocos casualizados, fatorial 2x4 (2 espécies de fisális: Physalis minima, Physalis ixocarpa x 4 substratos: vermiculita expandida de textura média + Latossolo; Húmus Fértil® + Latossolo; areia lavada de textura fina + Latossolo e Húmus Fértil® + vermiculita expandida de textura média, na proporção 1:1 v:v), contendo 3 repetições e 32 sementes por parcela experimental. Monitorou-se os experimentos por 22 dias, para obtenção do índice de velocidade de emergência. Aos 60 dias após a semeadura avaliou-se a altura das plântulas, diâmetro do caule, número de folhas, biomassa fresca e seca das plântulas. Estufa agrícola e telado propiciam índice de velocidade de emergência de sementes de Physalis ixocarpa e Physalis mínima, sem distinção entre esses ambientes. Mudas de P. ixocarpa devem ser produzidas em estufa, utilizando-se como mistura de substrato, Húmus Fértil® + vermiculita expandida de textura média, ou Latossolo + vermiculita. Mudas de P. minima devem ser produzidas em mistura de Húmus Fértil® + vermiculita, sob estufa ou telado.

Palavras-chave


Physalis minima L., Physalis ixocarpa Brot., pequenas frutas, reprodução sexuada.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRIOLO JL. 2011. Fisiologia das culturas protegidas. 1.ed. Santa Maria: Editora UFSM. 142p.

BRAUN H et al. 2010. Produção de mudas de tomateiro por estaquia: efeito do substrato e comprimento de estacas. Idesia 28: 9-15.

CARVALHO NM & NAKAGAWA J. 2000. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 4.ed. Jaboticabal: FUNEP. 588p.

CAVIGLIONE JH et al. 2000. Cartas climáticas do Paraná. Edição 2000, versão 1.0. Londrina: IAPAR. CD ROM.

FACHINELLO JC et al. 2005. Propagação de Plantas Frutíferas. Brasília: Embrapa. 221p.

FERNANDES C et al. 2006. Desempenho de substratos no cultivo do tomateiro do grupo cereja. Horticultura Brasileira 24: 42-46.

FERRAZ MV et al. 2005. Caracterização física e química de alguns substratos comerciais. Acta Scientiarum. Agronomy 27: 209-214.

FERREIRA DF. 2011. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia. 35: 1039-1042.

GENDREAU E & CORBINEAU F. 2009. Physiological aspects of seed dormancy in woody ornamental plants. Propagation of Ornamental Plants 9: 151-158.

HARTMANN HT et al. 2011. Plant propagation: principles and practices. 8.ed. New York: Englewood Clipps. 915p.

KRATZ D et al. 2013. Propriedades físicas e químicas de substratos renováveis. Revista Árvore 37: 1103-1113.

LIMA CSM et al. 2010. Sistemas de tutoramento e épocas de transplante de physalis. Ciência Rural 40: 2472-2479.

LIMA JD et al. 2008. Efeitos da luminosidade no crescimento de mudas de Caesalpinia ferrea Mart. ex Tul. (Leguminosae, Caesalpinoideae). Acta Amazonica 38: 5-10.

LIMA JUNIOR EC et al. 2005. Trocas gasosas, características das folhas e crescimento de plantas jovens de Cupania vernalis Camb. submetidas a diferentes níveis de sombreamento. Ciência Rural 35: 1092-1097.

MAGUIRE JD. 1962. Speed of germination: aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science 2: 176-177.

MARCOS FILHO J. 2005. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: FEALQ. 495p.

MEIRA MR et al. 2012. Crescimento, produção de fitomassa e teor de óleo essencial de melissa (Melissa officinalis L.) sob diferentes níveis de sombreamento. Revista Brasileira de Plantas Medicinais 14: 352-357.

MUNIZ J et al. 2014. General aspects of physalis cultivation. Ciência Rural 44: 964-970.

OLIVEIRA AB et al. 2009. Emergência de plântulas de Copernicia hospita Martius em função do tamanho da semente, do substrato e ambiente. Revista Brasileira de Sementes 31: 281-287.

OLIVEIRA AB & HERNANDEZ FFF. 2008. Absorção de nutrientes em mudas de berinjelas cultivadas em substratos alternativos. Revista Ciência Agronômica 39: 583-589.

PELIZZA TR et al. 2013. Produção de mudas de meloeiro amarelo, sob cultivo protegido, em diferentes substratos. Revista Ceres 60: 257-261.

PIVA AL et al. 2013. Emergence and initial development of Cape gooseberry (Physalis peruviana) seedlings with different substrate composition. African Journal of Agricultural Research 8: 6579-6584.

REIS JMR et al. 2010. Estratificação, ambientes e giberelina na antecipação da enxertia do pessegueiro ‘Okinawa’. Bioscience Journal 26: 591-601.

RODRIGUES E et al. 2009. Minerals and essential fatty acids of the exotic fruit Physalis peruviana L. Ciência e Tecnologia de Alimentos 29: 642-645.

RUFATO L et al. 2008. Aspectos técnicos da cultura da Physalis. 1.ed. Lages: CAV/UDESC; Pelotas: UFPel. 100p.

SBRUSSI CAG et al. 2014. Maturation stages of fruit development and physiological seed quality in Physalis peruviana. Revista Ciência Agronômica 45: 543-549.

SILVA DF et al. 2013. Conservação pós-colheita de fisális e desempenho produtivo em condições edafoclimáticas de Minas Gerais. Revista Ceres 60: 826-832.

SILVA DF et al. 2016. The production of Physalis spp. seedlings grown under different-colored shade nets. Acta Scientiarum. Agronomy 38: 257-263.

SILVA DF et al. 2017. Viabilidade polínica e quantificação de grãos de pólen em espécies de fisális. Revista Ciência Agronômica 48: 365-373.

SOUZA GS et al. 2014. Crescimento vegetativo e produção de óleo essencial de plantas de alecrim cultivadas sob telas coloridas. Bioscience Journal 30: 232-239.

VIDA JB et al. 2004. Manejo de doenças de plantas em cultivo protegido. Fitopatologia brasileira 29: 355-372.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711712018045

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171