Conforto térmico de equinos alojados em diferentes tipos de baias

Geruza Cardoso da Silva, Cinara da Cunha Siqueira Carvalho, Camila Maida de Albuquerque Maranhão, Maria Dulcinéia da Costa, Shirley Nunes Silva Brito, Anna Luísa de Oliveira Castro, Kátia Cristiane Borges Pereira, Thamara Amaral Diniz

Resumo


Objetivou-se avaliar o efeito das condições climáticas proporcionado por dois tipos de baias sobre as respostas fisiológicas e comportamentais de equinos por ocasião de exposição agropecuária. O trabalho foi desenvolvido durante os anos de 2014 e 2015 em Feira Agropecuária localizada na região do semiárido mineiro. Foi observado o ambiente climático, local de acomodação, variáveis fisiológicas e comportamentais de 114 equinos da raça Mangalarga Marchador, alojados em baias individuais de metal e alvenaria. Foram monitoradas as variáveis meteorológicas no interior das baias de metal e de alvenaria. As variáveis fisiológicas foram caracterizadas por meio da frequência respiratória e temperatura corporal. Para análise comportamental, observou-se a frequência de ocorrência de ações de defecação, micção, relinchar, agitação, ingestão de alimentos e água, às 8 h, 10 h, 12 h, 14 h, 16 h e 18 h. O ambiente térmico foi classificado como de desconforto térmico a partir das 10 h. A frequência respiratória e a temperatura corporal estiveram fora dos valores considerados ideais. A baia de metal proporcionou maior desconforto térmico para os equinos.

Palavras-chave


Ambiência, Edificações, Exposição Agropecuária, Mangalarga Marchador

Texto completo:

PDF

Referências


ARGENZIO RA. 2006. Motilidade gastrintestinal. In: REECE WO (Ed.). Dukes: Fisiologia dos animais domésticos. 12.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. p.362-373.

BAÊTA FC & SOUZA CF. 2010. Ambiência em edificações rurais: conforto animal. 2.ed. Viçosa: Editora UFV. 269p.

BROOM DM. 1991. Animal welfare: concepts and measurement. Journal of Animal Science 69: 4167-4175.

BUFFINGTON DE et al. 1981. Black globe humidity index (BGHI) as comfort equation for dairy cows. Transaction of the ASAE 24: 711-714.

CALVIELLO RF et al. 2015. Avaliação da reatividade de equinos na presença de estímulo sonoro desconhecido. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science 52: 167-172.

CINTRA AGC. 2010. O Cavalo: Características, Manejo e Alimentação. 1.ed. São Paulo: Editora Roca. 384p.

HUSS R & SILVA FC. 2013. Feiras agropecuárias, vitrines do agronegócio brasileiro. Disponível em: http://.www.grassa

no.com.br/publicacao.php?lang=ptr&id=213&id_categoria=8#.WEAZ4X1ZjYY. Acesso em: 03 mar. 2014.

MORGAN K. 1996. Short-term thermoregulatory responses of horses to brief changes in ambient temperature. Uppsala: Swedish University of Agricultural Sciences. p. 9-51.

MORAES SRP et al. 1999. Conforto térmico em galpões avícolas, sob coberturas de cimento-amianto e suas diferentes associações. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 3: 89-92.

NAZARENO AC et al. 2015. Ambiência no Transporte de Equinos e os Efeitos nas Respostas ao Estresse. Journal of Animal Behaviour and Biometeorology 3: 73-80.

NIEDŹWIEDŹ A et al. 2013. Plasma total antioxidant status in horses after 8-hours of road transportation. Acta Veterinaria Scandinavica 55: 1-4.

OLIVEIRA LA et al. 2008. Estudo de respostas fisiológicas de equinos sem raça definida e da raça quarto de milha às condições climáticas de Teresina, PI. Ciência Animal Brasileira 9: 827-838.

PALUDO GR et al. 2002. Efeito do estresse térmico e do exercício sobre parâmetros fisiológicos de cavalos do exército brasileiro. Revista Brasileira de Zootecnia 31: 1130-1142.

PIMENTEL MM et al. 2013. Manejo Nutricional de Equinos utilizados em provas de vaquejada no Rio Grande do Norte, Brasil. Acta Veterinaria Brasilica 7: 61-65.

TINÔCO IFF. 2001. Avicultura Industrial: Novos Conceitos de Materiais, Concepções e Técnicas Construtivas Disponíveis para Galpões Avícolas Brasileiros. Revista Brasileira de Ciência Avícola 3: 1-26.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711732018402

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171