Desenvolvimento e nutrição de mudas de acácia-negra (Acacia mearnsii de Wild. De Wild.) em substratos a base de cama de aviário

Raquel Rossi Ribeiro, Flávia Gizele Konig Brun, Eleandro José Brun, Carlos César Mezzalira, Taciana Frigotto, Márcio Carlos Navroski, Marcos Aurélio Mathias de Souza

Resumo


Avaliou-se o desenvolvimento e o estado nutricional de mudas de Acacia mearnsii De Wild., produzidas em quatro diferentes substratos a base de cama de aviário, percentualmente distribuídos em: T1: 25CA:50S:25A; T2: 50CA25S25A; T3: 25CA75S e T4: 100SC (CA: cama de aviário; S: solo; A: areia; SC: substrato comercial), em tubetes de 125 cm3 e conduzidos em casa de vegetação / casa de sombra. Os melhores resultados, para as variáveis morfológicas altura da parte aérea, diâmetro do colo, número de folhas, massa seca de raízes e total, foram obtidos em substrato comercial e em misturas de 25% até 50% de cama de aviário com solo argiloso e areia. Os teores de N e Mg (parte aérea e raízes) e de P e K (parte aérea) não foram influenciados pelos substratos. Nas raízes, o P teve maior teor no tratamento com solo argiloso. O K, nas raízes, teve os maiores teores nos substratos com 25% a 50% de cama de aviário e no comercial. Para Ca, os teores na parte aérea foram superiores ao das raízes, principalmente nos substratos com até 50% de cama de aviário. As raízes, para Ca, não se apresentaram influenciadas pelos tratamentos. Os substratos testados, em termos gerais, não influenciaram o status nutricional das mudas.


Palavras-chave


substratos alternativos, nutrição florestal, espécie florestal.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVARES CA et al. 2013. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift 22: 711-728.

CALDEIRA MVW et al. 2012. Diferentes proporções de biossólido na composição de substratos para a produção de mudas de timbó (Ateleia glazioveana Baill). Scientia Forestalis 93: 15-22.

CHARLO HCO et al. 2006. Aspectos morfológicos, germinação e desenvolvimento inicial de plântulas de Archontophoenix alexandrae (F. Mueller) H. Wendl. e Drude (Arecaceae) em diferentes substratos. Revista Árvore 30: 933-940.

CHAVES LLB et al. 2006. Crescimento de mudas de Anadenanthera macrocarpa (Benth) Brenan (Angico-vermelho) em substrato fertilizado e inoculado com rizóbio. Revista Árvore 30: 911-919.

COSTA FG et al. 2011. Esterco bovino para o desenvolvimento inicial de plantas provenientes de quatro matrizes de Corymbia citriodora. Scientia Forestalis 39: 161-169.

CQFS-RS/SC. 2004. Comissão de Química e Fertilidade do Solo. Manual de adubação e calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. 10.ed. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. 400p.

CUNHA AM et al. 2006. Efeito de diferentes substratos sobre o desenvolvimento de mudas de Acacia sp. Revista Árvore 30: 207-214.

DELARMELINA WM et al. 2015. Uso de resíduo orgânico em substrato para produção de Chamaecrista desvauxii (Collad.) Killip var. latistipula (Benth.). Cerne 21: 429-437.

EPSTEIN E & BLOOM AJ. 2006. Nutrição mineral de plantas: princípios e perspectivas. Tradução: Maria Edna Tenório Nunes. 2.ed. Londrina: Planta. 403p.

FERNANDES LA et al. 2000. Crescimento inicial, níveis críticos de fósforo e frações fosfatadas em espécies florestais. Pesquisa Agropecuária Brasileira 35: 1191-1198.

FERNANDES MS & SOUZA SR. 2006. Absorção de nutrientes. In: FERNANDES MS. Nutrição mineral de plantas. Viçosa: SBCS. p.115-152.

LARCHER W 2003. Physiological Plant Ecology: Ecophysiology and Stress Physiology of functional. 3.ed. Berlin: Springer Verlag. 517p.

MAEDA S et al. 2007. Caracterização de substratos para produção de mudas de espécies florestais elaborados a partir de resíduos orgânicos. Pesquisa Florestal Brasileira 54: 97-104.

MARQUES VB et al. 2006. Efeito de fontes e doses de nitrogênio sobre o crescimento inicial e qualidade de mudas de jacarandá-da-bahia (Dalbergia nigra (Vell.) Fr. All. ex Benth.). Revista Árvore 30: 725-735.

MCGRATH S et al. 2009. Improving soil nutrition with poultry litter application in low input forage systems. Agronomy Journal 102: 48-54.

PINHO CF et al. 2006. Estado nutricional da Acácia negra cultivada em solo acrescido de fertilizantes orgânicos. In: XV Congresso de Iniciação Científica / VII Encontro de Pós-Graduação. Anais...Pelotas: UFPEL. p. 45-49.

ROSSA UB et al. 2015. Fertilizante de liberação lenta no desenvolvimento de mudas de Anadenanthera peregrina (L.) Speg. (angico-vermelho) e Schinus terebinthifolius Raddi (aroeira-vermelha). Ciência Florestal 25: 841-852.

ROSIM CC et al. 2016. Nutrient use efficiency in interspecific hybrids of eucalypt. Revista Ciência Agronômica 47: 540-547.

SCHUMACHER MV et al. 2013. Crescimento da Acácia-negra em resposta à aplicação de nitrogênio, fósforo e potássio. Cerne 19: 51-58.

SERRANO LAL et al. 2011. Uso de compostos orgânicos no plantio do cafeeiro conilon. Revista Ceres 58: 100-107.

SEVERINO LS et al. 2006. Composição química de onze materiais orgânicos utilizados em substratos para produção de mudas. Campina Grande: Embrapa Algodão. 5p. (Comunicado Técnico, 278).

SILVA RBG et al. 2012. Qualidade de mudas clonais de Eucalyptus urophylla x E. grandis em função do substrato. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 16: 297-302.

VIRTUOSO MCS et al. 2015. Reutilização da cama de aviário. Revista Eletrônica Nutritime 12: 3964-3979.

WENDLING I et al. 2007. Características físicas e químicas de substratos para produção de mudas de Ilex paraguariensis St. Hil. Revista Árvore 31: 209-220.

WENDLING I et al. 2006. Substratos para produção de mudas de erva-mate em tubetes plásticos. Boletim de Pesquisa Florestal 52: 21-36.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711712018036

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171