Rendimento de cebola em função da dose e do modo de aplicação de fósforo

Sibeli Weingartner, Luciano Colpo Gatiboni, Daniel João Dall'Orsoletta, Claudinei Kurtz, Muriá Mussi

Resumo


A cebola apresenta elevada resposta à aplicação de adubos fosfatados, sendo praticadas aplicações a lanço de doses de fósforo (P) maiores que as preconizadas pelas recomendações oficiais. Devido a seu sistema radicular restrito, é possível que a localização da adubação fosfatada permita o uso mais eficiente do nutriente, reduzindo a dose de P necessária para a cultura. O objetivo deste trabalho foi avaliar a resposta da cebola a doses de P aplicadas a lanço ou na linha de cultivo em um Cambissolo Húmico. Foram testadas cinco doses de P (0, 120, 240, 360 e 480 kg P2O5 ha-1) e dois modos de aplicação (a lanço e na linha de plantio), em delineamento inteiramente casualizado, com quatro repetições, em esquema fatorial 5x2. Foi usada a cultivar EPAGRI 352 Bola Precoce, plantada no dia 22/07/2014 e colhida em 15/11/2014. Houve resposta linear da cebola à aplicação de P, com incremento na produtividade de 16,7 kg e 0,08 mm de diâmetro do bulbo para cada quilograma de P2O5 aplicado. Não foi observada resposta da cultura ao modo de aplicação do P na linha de plantio ou a lanço, indicando que para essa cultura a localização do fertilizante não aumenta a eficiência da fertilização fosfatada.

Palavras-chave


Allium cepa, adubação fosfatada, aplicação em linha, aplicação a lanço.

Texto completo:

PDF

Referências


ABDISSA Y et al. 2011. Growth, bulb yield and quality of onion (Allium cepa L.) as influenced by nitrogen and phosphorus fertilization on vertisol I. growth attributes, biomass production and bulb yield. African Journal of Agricultural Research 6: 3252-3258.

BISSANI CA et al. 2008. Fertilidade dos solos e manejo da adubação de culturas. 2.ed. Porto Alegre: Metrópole. 344p.

BÜLL LT et al. 2004. Doses and forms of application of phosphorus in vernalized garlic. Scientia Agricola 6: 516-521.

CASTRO PRC et al. 2008. Manual de Fisiologia Vegetal: Fisiologia de Cultivos. São Paulo: Editora Ceres. 864p.

CERETTA CA et al. 2007. Manejo da Adubação. In: NOVAIS RF et al. Fertilidade do Solo. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. p. 851-872.

CQFS-RS/SC. 2004. Comissão de Química e Fertilidade do Solo. Manual de adubação e calagem para os Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 10.ed. Porto Alegre: Núcleo Regional Sul - Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. 400p.

CQFS-RS/SC. 2016. Comissão de Química e Fertilidade do Solo. Manual de calagem e adubação para os Estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 11.ed. Frederico Westphalen: Núcleo regional Sul - Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. 376p. COSTA ND & RESENDE GM. 2008. Cultivo da cebola no Nordeste. Petrolina: Embrapa Semiárido. 72p.

COSTA ND et al. 2009. Resposta de cultivares de cebola (Allium cepa L.) a doses de fósforo em cultivo orgânico no Vale do São Francisco. Horticultura Brasileira 27: 3428-3432.

EMBRAPA. 2013. Sistema brasileiro de classificação de solos. 3.ed. Brasília: Embrapa. 353p.

ERNANI PR. 2008. Química do solo e disponibilidade de nutrientes. 1.ed. Lages: Do Autor. 230p.

FILGUEIRA FAR. 1982. Manual de Olericultura: Cultura e comercialização de hortaliças. 2.ed. São Paulo: Agronômica Ceres. 357p.

HAAG HP et al. 1970. Nutrição mineral de hortaliças. VIII. Absorção de nutrientes pela cultura da cebola. Piracicaba: Anais da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz 27: 143-153. KURTZ C et al. 2016. Crescimento e absorção de nutrientes pela cebola cultivar Bola Precoce. Horticultura Brasileira 34: 279-288. KURTZ C et al. 2012. Rendimento e conservação de cebola alterados pela dose e parcelamento de nitrogênio em cobertura. Revista Brasileira de Ciência do Solo. 36: 865-875.

LEE J. 2010. Effect of application methods of organic fertilizer on growth, soil chemical properties and microbial densities in organic bulb onion production. Scientia Horticulturae 124: 299-305.

MACHADO VJ et al. 2011. Curvas de disponibilidade de fósforo em solos com diferentes texturas após aplicação de doses crescentes de fosfato monoamônico. Bioscience Journal 27: 70-76.

MAPA.1995. Norma de identidade, qualidade, acondicionamento, embalagens e apresentação da cebola. Portaria 529/1995. Brasília: MAPA.

MAY A et al. 2008. Acúmulo de macronutrientes por duas cultivares de cebola produzidas em sistema de semeadura direta. Bragantia 67: 507-512.

MENEZES JUNIOR FOG & VIEIRA NETO J. 2012. Produção de cebola em função da densidade de plantas. Horticultura Brasileira 30: 733-739. PRADO OT. 1943. Estudos sobre a cebola (Allium cepa L.). Bragantia 3: 333-346.

RESENDE GM et al. 2014. Dose adequada. Revista Cultivar: Hortaliças e Frutas 85:14-17. SANTOS AA et al. 2015. Síntese Anual da Agricultura de Santa Catarina 2014-2015. Florianópolis: Epagri. 153p.

SCHONINGER EL et al. 2013. Fertilização com fosfato natural e cinética de absorção de fósforo de soja e plantas de cobertura do cerrado. Semina: Ciências Agrárias 34: 95-106.

SILVA FAS & AZEVEDO CAV. 2016. The Assistat Software Version 7.7 and its use in the analysis of experimental data. African Journal of Agricultural Research 11: 3733-3740. SIMON T et al. 2014. The Effect of Variety, Nitrogen and Phousphorous Fertilization on Growth and Bulb Yield of Onion (Allium Cepa L.) at Wolaita, Southern Ethiopia. Journal of Biology, Agriculture and Healthcare 4: 89-96.

TEDESCO MJ et al. 1995. Análises de solo, planta e outros materiais. 2.ed. Porto Alegre: UFRGS. 174p. (Boletim Técnico nº 5).




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711712018023

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171