Viabilidade econômico-financeira do confinamento de ovinos alimentados com rações contendo torta de mamona

Fernando Henrique Teixeira Gomes, Magno José Duarte Cândido, Maria Socorro de Souza Carneiro, Rafael Nogueira Furtado, Elzânia Sales Pereira, Dilermando Miranda da Fonseca, Roberto Cláudio Fernandes Franco Pompeu, Weberte Alan Sombra

Resumo


Objetivou-se avaliar o desempenho e a resposta econômica de 20 ovinos distribuídos em delineamento em blocos ao acaso e submetidos a um de cinco tratamentos testando a torta de mamona como ingrediente em rações (torta de mamona não tratada, tratada com calcário calcítico, ureia, fosfato monobicálcico e autoclavada). O volumoso foi feno de capim-tifton 85. Foram considerados os preços de mercado de ingredientes das rações, peso corporal (PC) e peso da carcaça, buscando-se determinar condições mínimas para tornar o empreendimento economicamente viável. De posse do custo de cada ração e do consumo de matéria seca, foram analisados indicadores técnicos, zootécnicos e econômicos utilizando-se o programa Excel®. A produção diária (kg PC e kg carcaça) foi maior para ovinos consumindo rações contendo torta de mamona autoclavada e tratada com fosfato monobicálcico, apresentando maior rotatividade do sistema de produção, resultando em maior número de animais terminados anualmente. Esses sistemas de produção obtiveram maior renda bruta. A compra de animais e alimentação foram os itens mais representativos nas despesas de custeio para produção de PC, representando 44,8 e 43,3%/ano em média, respectivamente. Considerando um preço de venda de R$ 4,70/kg PC e R$ 13,40/kg de carcaça, o sistema de produção com torta tratada com fosfato monobicálcico apresentou melhor resposta econômica, com relação benefício/custo de 1,07, valor presente líquido (VPL) de R$ 73.117,34, taxa interna de retorno (TIR) de 54% e custo total de R$ 4,32/kg PC. Por outro lado, o sistema utilizando torta não tratada como ingrediente apresentou relação benefício/custo de 1,00, VPL de 1.772,62, TIR de 8% e custo total de R$ 4,63/kg PC, sem indícios de intoxicação dos animais. Concluiu-se que a torta de mamona tratada com fosfato monobicálcico é promissora para uso em rações de ovinos.


Palavras-chave


custo de produção, ovino, Ricinus communis.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL RM et al. 2011. Desempenho produtivo e econômico de cordeiros confinados abatidos com três espessuras de gordura. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal 12: 155-165.

ANANDAN S et al. 2005. Effect of different physical and chemical treatments on detoxification of ricin in castor cake. Animal Feed Science and Technology 120: 159-168.

ANDRADE IRA et al. 2011. Viabilidade econômica de ovinos terminados em sistema de confinamento alimentados com feno de capim-elefante utilizando farelo de soja como fonte protéica na ração. Revista Científica de Produção Animal 13: 150-155.

AOAC. 1990. Association of Official Analytical Chemistry. Official methods of analysis. 15.ed. Arlington: AOAC International. 1117p.

ASLANI MR et al. 2007. Castor Bean (Ricinus communis) toxicosis in a sheep flock. Toxicosis 49: 400-406.

BARROS NN et al. 2005. Eficiência bioeconômica de cordeiros F1 Dorper x Santa Inês para produção de carne. Pesquisa Agropecuária Brasileira 40: 825-831.

BARROS CS et al. 2009. Resultado econômico da produção de ovinos para carne em pasto de azevém e confinamento. Acta Scientiarum Animal Sciences 31: 77-85.

BESERRA LT. 2010. Casca de mamona em dietas para ovinos de corte. Dissertação (Mestrado em Zootecnia). Fortaleza: UFC. 80p.

CÂNDIDO MJD et al. 2008. Reserva de forragem para a seca: produção e utilização de feno. 1.ed. Fortaleza: Imprensa Universitária. 64p.

COSTA RG et al. 2008. Caracterização do sistema de produção caprino e ovino na região semi-árida do estado da Paraíba. Brasil. Archivos de Zootecnia 57: 195-205.

CUNHA MGG et al. 2008. Desempenho, digestibilidade aparente em ovinos confinados alimentados com dietas contendo níveis crescentes de caroço de algodão integral. Revista Brasileira de Zootecnia 37: 1103-1111.

FURTADO RN et al. 2012. Valor nutritivo de dietas contendo torta de mamona submetida a métodos alternativos de destoxificação para ovinos. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia 64: 155-162.

GOMES FHT et al. 2012. Características de carcaça em ovinos alimentados com rações contendo torta de mamona. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal 13: 283-295.

HOFFMAN R et al. 1987. Administração da empresa agrícola. 5.ed. São Paulo: Pioneira. 325p.

KABAT EA et al. 1947. A study of the purification and properties of ricin. Journal of Biological Chemistry 168: 629-639.

LEHNINGER AL et al. 1995. Princípios de Bioquímica. 2.ed. São Paulo: Sarvier. 840p.

NRC. 2007. National Research Council. Nutrient requeriments of small ruminants. 1.ed. Washington: National Academy Press. 362p.

OLIVEIRA AS et al. 2010. Nutrient digestibility, nitrogen metabolism and hepatic function of sheep fed diets containing solvent or expeller castorseed meal treated with calcium hydroxide. Animal Feed Science and Technology 158: 15-28.

PAIM TP et al. 2011. Estudo econômico da produção de cordeiros cruzados confinados abatidos em diferentes pesos. Ciência Animal Brasileira 12: 48-57.

POMPEU RCFF. 2009. Substituição do farelo de soja pela torta de mamona destoxificada em dietas para ovinos: valor nutritivo e desempenho bioeconômico. Tese (Doutorado em Zootecnia). Fortaleza: UFC. 101p.

SAS INSTITUTE. 2003. SAS system for Windows: Version 9.1. Cary.

VIEIRA MMM. 2009. Desempenho bioeconômico de ovinos alimentados com rações contendo farelo de mamona destoxificado. Dissertação (Mestrado em Zootecnia). Fortaleza: UFC. 85p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711732018383

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171