Ácido salicílico na indução de resistência a doenças em pepino e controle de Pythium sp. in vitro

Douglas Junior Bertoncelli, Sérgio Miguel Mazaro, Rita de Cacia Dosciatti Serrão Rocha, Jean Carlo Possenti, Maristela dos Santos Rey, Ivan Carlos Zorzzi

Resumo


Objetivou-se neste trabalho avaliar o efeito de concentrações de ácido salicílico (AS) na indução de resistência ao tombamento de plântulas de pepino e no controle in vitro de Pythium sp. O tratamento das sementes de pepino foi realizado com imersão em solução de AS por 5 min nas concentrações de 0 (água destilada); 0,5; 1,0; 1,5 e 2,0 mM. Em seguida foram semeadas em bandejas contendo o substrato Plantmax Florestal® previamente esterilizado e inoculado com Pythium sp. O experimento foi conduzido por 14 dias em câmara de cultivo com controle de temperatura (23 oC ± 2 °C), luminosidade (fotoperíodo de 12 horas) e umidade relativa (70% ± 10%). Foram avaliadas a porcentagem de emergência de plântulas, porcentagem de tombamento, comprimento de plântula e massa da matéria fresca. Foi também quantificado os teores das enzimas fenilalanina amônia-liase (FAL), β-1,3-glucanase e quitinases. No experimento in vitro o AS foi incorporado ao meio BDA (Batata-Dextrose e Agar) e avaliado o crescimento micelial de Pythium sp. O tratamento de sementes de pepino com concentrações acima de 1 mM de AS reduz a incidência de tombamento de plântulas causado por Pythium sp., no entanto, não foi possível associar com enzimas relacionadas a indução de resistência. O AS não apresenta efeito sobre o crescimento micelial de Pythium sp. in vitro.

Palavras-chave


Cucumis sativus L., elicitor, indutor resistência, tombamento.

Texto completo:

PDF

Apontamentos



______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171