Maturidade fisiológica de sementes de tungue (Aleurites fordii Hemsl.)

Paulo Ricardo Lima, Augustinho Borsoi, Paulino Ricardo Ribeiro dos Santos, Joao Alexandre Lopes Dranski, Ubirajara Contro Malavasi, Marlene de Matos Malavasi

Resumo


O ensaio objetivou determinar a maturidade fisiológica de sementes de tungue (Aleurites fordii Hemsl.) em função da coloração dos frutos. Frutos de dez árvores com quatro anos de idade foram coletados em Cascavel, PR. O ensaio seguiu o delineamento inteiramente casualizado, com quatro estádios de maturação dos frutos e cinco repetições com 25 sementes cada. Os frutos foram classificados em três classes quanto à coloração do epicarpo e uma coletada diretamente do solo. Para caracterizar a maturidade fisiológica utilizou-se a colorimetria digital e parâmetros biométricos. Nas sementes, determinou-se a massa de matéria seca, o grau de umidade, a germinação, e o índice de velocidade de emergência. As sementes extraídas dos frutos com coloração visual marrom-claro apresentaram maior massa seca, menor teor de água e a porcentagem de germinação e velocidade de emergência, indicando a maturidade fisiológica das sementes. Frutos coletados do chão não são indicados para a coleta de sementes. A colheita dos frutos para obtenção de sementes com maturidade fisiológica é recomendada quando os frutos externarem coloração visual marrom-claro com valores de refratância no espectro visível (RGB) de 96,1, 69,9 e 64,1, respectivamente.

Palavras-chave


Coloração dos frutos, maturação, colheita.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711532016208

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171