Componentes produtivos do trigo em função da temperatura no período de diferenciação de espiguetas

Samuel Luiz Fioreze, Jonathan Vacari, Thais Lemos Turek, Luiz Henrique Michelon, Robson Pelissari Drun

Resumo


Um fator limitante para a expansão tritícola no Cerrado brasileiro ou para o cultivo em safrinha é a ocorrência de altas temperaturas no decorrer do ciclo da cultura. O presente trabalho teve como objetivo avaliar o efeito da temperatura durante o estádio de diferenciação de espiguetas sobre parâmetros biométricos e componentes produtivos de cultivares de trigo. O experimento foi conduzido em cultivo protegido com delineamento experimental de blocos casualizados, em esquema fatorial 2 x 4, com quatro repetições. Dois regimes de temperatura diurna e noturna (16/9 ˚C e 25/16 ˚C) foram utilizados em quatro cultivares de trigo (BRS 394, BRS 331, BRS Parrudo e BRS Guamirim) durante o período de diferenciação das espiguetas. Os componentes de produção foram avaliados em perfilhos individuais e na planta inteira. Os regimes de temperatura testados não afetam os componentes de rendimento da cultura, tampouco a uniformidade morfológica e produtiva dos perfilhos, parâmetros que apresentaram grande variação entre as cultivares testadas.

Palavras-chave


Triticum aestivum, perfilhamento, produtividade, ecofisiologia.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBRECHT JC et al. 2007. Cultivares de trigo para o cerrado. In: FALEIRO FG & SOUSA ES. Pesquisa, desenvolvimento e inovação para o cerrado. Planaltina: Embrapa Cerrados. p.61-68.

BLUMENTHAL CS et al. 1991. Seasonal changes in wheat grain quality associated with high temperature during grain filling. Australian Journal of Agricultural Research 42: 21-30.

CARGNIN A et al. 2006. Tolerância ao estresse térmico em genótipos de trigo. Pesquisa Agropecuária Brasileira 41: 1269-1276.

CLIMATE-DATA. 2018. Dados Climáticos para cidades mundiais. Oedheim: CLIMATE-DATA. Disponível em:

climate-data.org/>. Acesso em: 10 Jun. 2018.

COSSANI CM & REYNOLDS MP. 2012. Physiological traits for improving heat tolerance in wheat. Plant Physiology 160: 1710-1718.

DIAS AS & LIDON FC. 2009. Evaluation of grain filling rate and duration in bread and durum wheat, under heat stress after anthesis. Journal of Agronomy and Crop Science 195: 137–147.

EMBRAPA. 2006. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema brasileiro de classificação de solos. 2.ed. Rio de Janeiro: EMBRAPA. 306p.

FARIAS AR et al. 2016. Potencial de produção de trigo no Brasil a partir de diferentes cenários de expansão da área de cultivo. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento 85. Passo Fundo: Embrapa Trigo. 40p.

FAROOQ J et al. 2011. Inheritance pattern of yield attributes in spring wheat at grain filling stage under different temperature regimes. Australian Journal of Crop Science 5: 1745-1753.

FIOREZE SL & RODRIGUES JD. 2012. Perfilhamento do trigo em função da aplicação de regulador vegetal. Revista Brasileira de Ciências Agrárias 7: 750-755.

INMET. 2018. Instituto Nacional de Meteorologia. Dados da Estação Automática: Curitibanos (SC). Disponível em: http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=estacoes/estacoesAutomaticas. Acesso em: 25 mai. 2018.

KAUR V & BEHL RK. 2010. Grain yield in wheat as affected by short periods of high temperature, drought and their interaction during pre- and post-anthesis stages. Cereal Research Communications 38: 514–520.

LARGE EC. 1954. Growth stages in cereals illustration of the feeks scale. Plant Pathology 3: 128-129.

MACIEL JLN et al. 2007. BRS Guamirim, destaque em sanidade para as principais doenças fúngicas do trigo. Passo Fundo: EMBRAPA Trigo, 16p.

MACHADO JC et al. 2010. Recurrent selection as breeding strategy for heat tolerance in wheat. Crop breeding and applied biotechnology 10: 9-15.

MUNDSTOCK CM. 1999. Planejamento e manejo integrado da lavoura de trigo. Porto Alegre: Evangraf. 228p.

OLIVEIRA DM et al. 2011. Desempenho de genitores e populações segregantes de trigo sob estresse de calor. Bragantia 70: 25-32.

PIMENTEL AJB et al. 2015. Characterization of heat tolerance in wheat cultivars and effects on production components. Revista Ceres 62: 191-198.

PIRES JLF et al. 2011. Integração de práticas de manejo no sistema de produção de trigo. In: PIRES JLF et al. Trigo no Brasil: bases para produção competitiva e sustentável. Passo Fundo: EMBRAPA Trigo. p.77-114.

RAHMAN MA et al. 2009. Growth and yield components of wheat genotypes exposed to high temperature stress under control environment. Bangladesh Journal of Agriculture Research 34: 361-372.

REYNOLDS MP et al. 2001. Application of physiology in wheat breeding. Mexico: CIMMYT. 240p.

RIBEIRO G et al. 2012. Estresse por altas temperaturas em trigo: impacto no desenvolvimento e mecanismos de tolerância. Revista Brasileira de Agrociência 18:133-142.

RODRIGUES O et al. 2007. Fifty years of wheat breeding in Southern Brazil: yield improvement and associated changes. Pesquisa Agropecuária Brasileira 42: 817-825.

RODRIGUES O et al. 2011. Ecofisiologia de trigo: bases para elevado rendimento de grãos. In: PIRES JLF et al. Trigo no Brasil: bases para produção competitiva e sustentável. Passo Fundo: EMBRAPA Trigo. p.115-134.

SOUZA MA & RAMALHO MAP. 2001. Controle genético e tolerância ao estresse de calor em populações híbridas e em cultivares de trigo. Pesquisa Agropecuária Brasileira 36: 1245-1253.

VALERIO IP et al. 2008. Desenvolvimento de afilhos e componentes do rendimento em genótipos de trigo sob diferentes densidades de semeadura. Pesquisa Agropecuária Brasileira 43: 319-326.

VESOHOSKI F et al. 2011. Componentes do rendimento de grãos em trigo e seus efeitos diretos e indiretos na produtividade. Ceres 58: 337-341.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711812019024

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171