Exatidão cartográfica de três MDE disponíveis para o Estado de Santa Catarina

Gustavo Eduardo Pereira, Alexandre ten Caten

Resumo


O presente estudo objetivou apresentar uma avaliação independente do potencial de um modelo digital de elevação (MDE/SC), gerado por aerofotogrametria, para aplicações as quais demandem escalas detalhadas no Estado de Santa Catarina. Foram coletados 20 pontos de controle e comparados com valores altimétricos derivados do MDE/SC, SRTM v.4.1 e TOPODATA conforme especificações da PEC-PCD. O MDE/SC atendeu aos requisitos da escala 1:10.000 na classe C, enquanto os MDE SRTM v.4.1 e TOPODATA foram enquadrados na escala 1:50.000 classes A e B, respectivamente. A classificação do MDE/SC condiz com a informada no relatório do aerolevantamento e, assim, recomenda-se o emprego do MDE/SC em estudos e levantamentos os quais demandem escalas detalhadas no Estado de Santa Catarina.


Palavras-chave


geoprocessamento, sensoriamento remoto, SRTM, TOPODATA.

Texto completo:

PDF

Referências


BHANG KJ & SCHWARTZ F 2008. Limitations in hydrologic applications of C-Band SRTM DEM in low-relief settings. IEEE Geoscience and Remote Sensing Letters 5: 497-501.

BRUBACHER JP et al. 2012. Avaliação de bases SRTM para extração de variáveis morfométricas e de drenagem. Geociências 31: 381-393.

CHAGAS CS et al. 2010. Avaliação de modelos digitais de elevação para aplicação de um mapeamento digital de solos. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 14: 218-226.

EXÉRCITO BRASILEIRO. 2011. Especificação Técnica para a Aquisição de Dados Geoespaciais Vetoriais (ET-ADGV) Versão 2.1.3. Diretoria de Serviço Geográfico do Exército Brasileiro. 254p.

IBGE. 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Monografias municipais: Curitibanos, Santa Catarina. Disponível em: . Acesso em 15 set. 2018.

JACQUES PD et al. 2012. A comparison for a multiscale study of structural lineaments in southern Brazil: LANDSAT-7 ETM+ and shaded relief images from SRTM3-DEM. Anais da Academia Brasileira de Ciências 84: 931-942.

JARVIS A et al. 2008. Hole-filled SRTM for the globe Version 4, available from the CGIAR-CSI SRTM 90 m Database. Disponível em: . Acesso: em 28 fev. 2018.

MICELI BS et al. 2011. Avaliação vertical de modelos digitais de elevação (MDEs) em diferentes configurações topográficas para médias e pequenas escalas. Revista Brasileira de Cartografia 63: 191-201.

MOMO MR et al. 2016. Desempenho do modelo HAND no mapeamento de áreas suscetíveis à inundação usando dados de alta resolução espacial. Revista Brasileira de Recursos Hídricos 21: 200-208.

MORAIS JD. 2017. Avaliação de modelos digitais de elevação provenientes de dados de sensoriamento remoto de distribuição gratuita. Dissertação (Mestrado em Análise e Modelagem de Sistemas Ambientais). Belo Horizonte: UFMG. 94p.

MOURA-BUENO JM et al. 2016. Assessment of Digital Elevation Model for Digital Soil Mapping in a Watershed with Gently Undulating Topography. Revista Brasileira de Ciência do Solo 40: 1-15.

NOGUEIRA JUNIOR JB. 2003. Controle de qualidade de produtos cartográficos: uma proposta metodológica. Dissertação (Mestrado em Ciências Cartográficas). Presidente Prudente: UNESP. 143p.

PENG Y et al. 2015. Global trends in DEM-related research from 1994 to 2013: a bibliometric analysis. Scientometrics 105: 347–366.

PINHEIRO ES. 2006. Comparação entre dados altimétricos Shuttle Radar Topography Mission, Cartas Topográficas e GPS: numa área com relevo escarpado. Revista Brasileira de Cartografia 58: 1-9.

RODRIGUES TG et al. 2011. Evaluation of the altimetry from SRTM-3 and planimetry from high-resolution PALSAR FBD data for semi-detailed topographic mapping in the Amazon Region. Anais da Academia Brasileira de Ciências 83: 953-966.

SANTOS PRA et al. 2006. Avaliação da precisão vertical dos modelos SRTM para a Amazônia. Revista Brasileira de Cartografia 58: 101-107.

SCHAEFER-SANTOS J et al. 2013. Mapeamento de campos hidromórficos na serra Catarinense por meio de modelagem hidrológica. Floresta e Ambiente 20: 316-326.

SDE/PE. 2016. Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco. Pernambuco tridimensional: Manual para obtenção dos dados. Disponível em: . Acesso em: 16 de set. 2018.

SDS. 2012. Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Sustentável. Relatório de produção final: Edital de concorrência pública n°0010/2009. Engemap. 202p.

SHAN J & TOTH C. 2009. Topographic Laser Ranging and Scanning: Principles and Processing. CRC Press. 590p.

SOUZA JOP. 2015. Análise da precisão altimétrica dos modelos digitais de elevação para área semiárida do nordeste brasileiro. Revista do Departamento de Geografia 30: 56-64.

TEN CATEN A et al. 2016. Quality of a digital terrain model for Santa Catarina State. Engenharia Agrícola 36: 1261-1271.

VALERIANO MM & ROSSETTI DF. 2012. Topodata: Brazilian full coverage refinement of SRTM data. Applied Geography 32: 300-309.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711812019258

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171