Efeitos de ácidos orgânicos na germinação e crescimento inicial de Brassica napus L. var. oleifera

Ana Marina Pedrolo, Cássia Fernanda Stafen, Suzana Leitzke, Vívian Ebeling Viana, Carlos Busanello, Mariana Peil da Rosa, Gilberto Tomm, Antonio Costa de Oliveira, Camila Pegoraro

Resumo


A Canola (Brassica napus L. var. oleifera) é cultivada no Sul do Brasil como uma alternativa para a estação fria no sistema de rotação de culturas. O sistema de plantio direto e a ocorrência de solos hidromórficos favorece a formação de ácidos orgânicos alifáticos com cadeia curta e baixo peso molecular, como os ácidos acético, butírico e propiônico. Estes ácidos podem causar efeitos negativos na produção de canola. Assim, este estudo teve por objetivo avaliar a resposta de cinco genótipos híbridos de canola sob o efeito dos ácidos acético, butírico e propiônico na germinação e na fase inicial do crescimento da plântula. Os resultados demonstraram que os caracteres avaliados respondem de forma diferente em relação aos tratamentos aplicados dentro do mesmo genótipo. Dessa forma, a seleção de um genótipo que manteve um comportamento padrão nos caracteres avaliados sob estresse é dificultado. Entretanto, em uma visão geral, o genótipo Hyola 433 manteve respostas características de sensibilidade nos caracteres avaliados em relação aos ácidos utilizados. Ainda, foi detectado que o ácido acético teve menor efeito na germinação e na fase inicial de crescimento dos genótipos estudados.


Palavras-chave


ácido acético, ácido butírico, ácido propiônico, canola.

Texto completo:

PDF (English)

Referências


ADKINS SW et al. 1985. The physiological basis of seed dormancy in Avena fatua.VII. Action of organic acids and pH. Physiologia Plantarum 65: 310-316.

ANGELES OR et al. 2005. Soil solution sampling for organic acids in rice paddy soils. Soil Science Society of America Journal 70: 48-56.

BOHNEN H et al. 2005. Ácidos orgânicos na solução de um gleissolo sob diferentes sistemas de cultivo com arroz irrigado. Revista Brasileira de Ciência do Solo 29: 475-480.

BORTOLON L et al. 2009. Toxidez por ácidos orgânicos em genótipos de arroz irrigado. Scientia Agraria 10: 81-84.

CAMARGO FAO et al. 2001. Aspectos fisiológicos e caracterização da toxidez de ácidos orgânicos voláteis em plantas. Ciência Rural 31: 523-529.

CHALHOUB B et al. 2014. Plant genetics. Early allopolyploid evolution in the post-Neolithic Brassica napus oilseed genome. Science 345: 950-953.

CRUZ CD. 2013. GENES: software package for analysis in experimental statistics and quantitative genetics. Acta Scientiarum Agronomy 35: 271-276.

DE MARCO K et al. 2014. Thermic sum and crop coefficient of canola (Brassica napus L.) for the region of Tangará da Serra, Mato Grosso State, Brazil. Journal of Food Agriculture and Environment 12: 232-236.

GALLAGHER RS et al. 2009. Phenolic and short-chained aliphatic organic acid constituents of wild oat (Avena fatua L.) seeds. Journal of Agricultural and Food Chemistry 58: 218-225.

JOHNSON IT. 2013. Glucosinolates: bioavailability and importance to health. International Journal for Vitamin and Nutrition Research 72: 26-31.

KOPP MM et al. 2009. Methodology adjustments for organic acid tolerance studies in oat under hydroponic systems. Brazilian Archives of Biology and Technology 52: 531-539.

KOPP MM et al. 2012a. Avaliação de genótipos de arroz sob o efeito fitotóxico interativo dos ácidos acético, propiônico

e butírico. Semina: Ciências Agrárias 33: 519-532.

KOPP MM et al. 2012b. Organic Acid Effects on Nutrient Uptake by Rice. Communications in Soil Science and Plant Analysis 43: 2512-2520.

KRZYZANOWSKI FC et al. 1999. Vigor de sementes: conceitos e testes. 1.ed. Londrina: ABRATES. 218p.

KROGMEIER MJ & BREMNER JM. 1990. Effects of aliphatic acids on seed germination and seedling growth in soil. Communications in Soil Science and Plant Analysis 21: 547-555.

LOGANES C et al. 2016. Main Properties of Canola Oil Components: A Descriptive Review of Current Knowledge. The Open Agriculture Journal 10: 69-74.

MAPA. 2009. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Secretaria de Defesa Agropecuária. 1.ed. Brasília: MAPA/ACS. 399p.

MISRA BB. 2016. Cataloging the Brassica napus seed metabolome. Cogent Food And Agriculture 2: 1254420.

MONZÓN DLR. 2015. Variabilidade genética de germoplasma de arroz (Oryza sativa L.) para tolerância ao frio na germinação. Tese (Doutorado em Agronomia). Pelotas: UFPel. 111p.

NEVES LAS & MORAES DM 2005. Análise do vigor e da atividade da α-amilase em sementes de cultivares de arroz submetidas a diferentes tratamentos com ácido acético. Revista de Ciências Agroveterinárias 4: 35-43.

PEREIRA LC et al. 2016. Yield response of canola (Brassica napus L.) to different inter-row spacings and sowing dates in northwest of Paraná, Brazil. African Journal of Agricultural Research 11: 3799-3805.

SCHMIDT F et al. 2007. Toxidez pelos ácidos propiônico e butírico em plântulas de arroz. Ciência Rural 37: 720-726.

SILVEIRA SF et al. 2014. Resposta de plântulas de aveia ao estresse por ácidos acético e butírico. Bragantia 73: 345-356.

SOUSA RO & BORTOLON L. 2002. Crescimento radicular e da parte aérea do arroz (Oryza sativa L.) e absorção de nutrientes, em solução nutritiva com diferentes concentrações de ácido acético. Revista Brasileira de Agrociências 8: 231-235.

SAS. 2002. Statistical Analysis System. Statistical Analysis System Getting Started with the SAS Learning Edition. 6.ed. Cary, NC: SAS Institute Inc. 112p.

TUNES LM et al. 2008. Aspectos fisiológicos da toxidez de ácidos orgânicos em sementes de aveia. Biotemas 21: 21-28.

TUNES LM et al. 2012. Critical levels of organic acids on seed germination and seedling growth of wheat. Revista Brasileira de Sementes 34: 366-372.

TUNES LM et al. 2013. Ácidos orgânicos na qualidade fisiológica de sementes de arroz. Ciência Rural 43: 1182-1188.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711812019163

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171