Pulverização pneumática eletrostática em videiras ‘Niágara Branca’ e ‘Rosada’

Tiago Jose Reis Stawniczyi, Cláudia Simone Madruga Lima, Fernando Trevisan, Vânia Zanella Pinto

Resumo


O cultivo de videira é alvo de diversos agentes patogênicos, como os fungos, para controle geralmente são utilizados fungicidas sintéticos, então pesquisas tem testado métodos para diminuir o volume de defensivos agrícolas para reduzir problemas como fitotoxidez, custos e danos ambientais. Assim, objetivou-se com este trabalho verificar o efeito da pulverização pneumática eletrostática em videiras cultivares Niágara Branca e Rosada em Laranjeiras do Sul, PR. Realizou-se tratamento fungicida em cultivares de videira (Niágara Branca e Rosada), aplicando-os com carga presente e ausente. Foi avaliado o volume de calda de aplicação, cobertura da calda, severidade de doenças nas plantas e cachos, número de cachos e de cachos com lesões por planta, número de bagas por cacho, comprimento e diâmetro de cacho, massa fresca, sólidos solúveis, acidez titulável, coloração da epiderme do fruto, compostos fenólicos totais, antocianinas totais, perda de massa e a determinação da aparência. O delineamento foi em blocos inteiramente casualizados, para variáveis respostas de campo e caracterização físico-química e fitoquímica das frutas, constou de dois fatores (2x2), um fator carga e outro cultivar. Para as variáveis perda de massa e determinação da aparência o esquema fatorial foi 2x2x5, sendo um fator carga, cultivar de Niágara e períodos de armazenamento (0, 2, 4, 6 e 8 dias). Os dados foram submetidos à análise de variância, quando significativos, comparados pelo teste de Tukey (p<0,05) através do software estatístico Assistat. Diferentes cultivares apresentaram massa dos frutos afetadas de maneiras distintas, assim como a aparência dos frutos, de acordo com os períodos de armazenagem avaliados. A pulverização com presença de carga atuou na coloração da epiderme e comprimento de cacho na ‘Niágara Branca’, também promoveu maior teor de antocianinas e resultou em menor volume de calda aplicado com cobertura indiferente, portanto a pulverização eletrostática demonstrou efeito na aplicação.


Palavras-chave


defensivos agrícolas, volume de aplicação, eletrostática, Vitis labrusca L.

Texto completo:

PDF

Referências


ABE LT et al. 2007. Compostos fenólicos e capacidade antioxidante de cultivares de uvas Vitis labrusca L. e Vitis vinifera L. Ciência e Tecnologia de Alimentos 27: 394-400.

ALBERTINI S et al. 2009. Influência de sanificantes nas características físicas e químicas de uva ‘Itália’. Ciência e Tecnologia de Alimentos 29: 504-507.

ASSIS DA et al. 2015. Avaliação de propriedades físico-químicas de néctares de uva comercializados na cidade de Pelotas-RS. In: 5º Simpósio de segurança alimentar. Anais...Bento Gonçalves: SBCTA. 4p.

BRACKMANN A et al. 2000. Armazenamento refrigerado de uvas cultivares Tardia de Caxias e Dona Zilá. Ciência Rural 30: 581-586.

CAVIGLIONE JH et al. 2000. Cartas climáticas do Paraná. Disponível em: http://www.iapar.br/pagina-677.html. Acesso em: 20 ago. 2017.

CHAIM A & WADT LG. 2016. Pulverização eletrostática: a revolução na aplicação de agrotóxicos. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/2615385/artigo-pulverizacao-eletrostatica-a-revolucao-na-aplicacao

-de-agrotoxicos. Acesso em: 29 mar. 2016.

ELIAS HHS et al. 2015. Qualidade física e química de uvas ‘Niágara Rosada’ comercializadas no Ceasa/MG. In: 1o Congresso Brasileiro de Processamento mínimo e Pós-colheita de frutas, flores e hortaliças. Anais... Aracaju: CBPMPC. (CD ROM).

GOMES D. 2012. Maturação e qualidade da uva ´Niagara Rosada´ após a colheita. Tese (Doutorado em Engenharia Agrícola. Campinas: UNICAMP. 117p.

GUERIOS IT. 2012. Reguladores vegetais, cultivo protegido e ensacamento dos cachos na produção da uva 'Niágara Rosada' na região metropolitana de Curitiba. Dissertação (Mestrado em Produção Vegetal). Curitiba: UFPR. 119p.

GURGACZ F. 2013. Utilização de barra auxiliar de pulverização de água para reduzir a deriva de defensivos agrícolas. Tese (Doutorado em Agronomia). Botucatu: UNESP. 53p.

HERNANDES JL et al. 2013. Comportamento produtivo da videira ‘Niágara Rosada’ em diferentes sistemas de condução, com e sem cobertura plástica, durante as safras de inverno e de verão. Revista Brasileira de Fruticultura 35: 123-130.

MAIA AJ et al. 2015. Produção de esporos e efeito da temperatura e luminosidade sobre germinação e infecção de Pseudocercospora vitis em videira. Summa Phytopathologica 41: 287-291.

MATTIUZ B et al. 2004. Processamento mínimo de uvas de mesa sem semente. Revista Brasileira de Fruticultura 26: 226-229.

MATTIUZ B et al. 2009. Efeito da temperatura no armazenamento de uvas apirênicas minimamente processadas. Revista Brasileira de Fruticultura 31: 44-52.

MIGUEL ACA et al. 2009. Pós-colheita de uva ‘Itália’ revestida com filmes à base de alginato de sódio e armazenada sob refrigeração. Ciência e Tecnologia de Alimentos 29: 277-282.

PEDRO JÚNIOR MJ et al. 1998. Microclima condicionando pela remoção de folhas e ocorrência de antracnose, míldio e mancha das folhas na videira ‘Niágara Rosada’. Summa Phytopathologica 34: 151-156.

PERUCH LAM et al. 2007. Biomassa cítrica, extrato de algas, calda bordalesa e fosfitos no controle do míldio da videira, cv. Niágara Branca. Revista de Ciências Agroveterinárias 6: 143-148.

RIBEIRO DP et al. 2009. Desenvolvimento e exigência térmica da videira ‘Niágara rosada’, cultivada no norte de Minas Gerais. Revista Brasileira de Fruticultura 31: 890-895.

RODRIGUEZ LAS et al. 2016. Fisiologia e produção da videira 'Niágara Rosada' nos sistemas de condução em espaldeira e em Y. Pesquisa Agropecuária Brasileira 51: 1948-1956.

SASAKI RS et al. 2015. Adjuvantes nas propriedades físicas da calda, espectro e eficiência de eletrificação das gotas utilizando a pulverização eletrostática. Ciência Rural 45: 274-279.

SCOPEL W et al. 2008. Características de uvas recobertas com filme plástico de diferentes espessuras e armazenadas em ambiente com e sem refrigeração. Evidência 8: 43-56.

SOARES M et al. 2008. Compostos fenólicos e atividade antioxidante da casca de uvas ‘Niágara’ e ‘Isabel’. Revista Brasileira de Fruticultura 30: 59-64.

SÔNEGO OR et al. 2003. Doenças fúngicas. In: Uvas para o processamento: fitossanidade. Brasília: EMBRAPA. p.11-44. (Série Frutas do Brasil 35).

TAVARES RM. 2015. Sistema de eletrificação de gotas e eficiência da pulverização eletrostática no controle de psilídeo Triozoida limbata (Enderlein) (Hemitera: Triozidae) em goiabeira (Psidium guajava L.). Dissertação (Mestrado em Agronomia). Uberlândia: UFU. 80p.

QUEIROZ-VOLTAN RB et al. 2011. Variações na anatomia foliar de videira Niágara em diferentes sistemas de condução. Bragantia 70: 488-493.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711812019087

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171