Carbono orgânico e nitrogênio do solo sob alturas de pastejo da Urochloa ruziziensis em sistema agropastoril

Gilberto Alves Ferreira, Sérgio José Alves, Paulo Sérgio Rabello de Oliveira, Antonio Carlos Torres da Costa, Antonio Nolla

Resumo


A matéria orgânica do solo é essencial dentro do sistema agrícola e seu acúmulo pode ser favorecido pelo aporte de resíduos vegetais sobre o solo. Objetivou-se avaliar o efeito da altura de pastejo de Urochloa ruziziensis nos teores e estoques de carbono orgânico e nitrogênio do solo, em sistema agropastoril, em Latossolo Vermelho Distrófico típico. Para o estudo foram coletadas amostras de solo entre os anos de 2010 e 2012. O delineamento foi em blocos casualizados em parcelas subdivididas no tempo e cinco tratamentos, constituídos pelas alturas de pastejo: 10; 20; 30 e 40 cm e mais uma área não pastejada de Urochloa ruziziensis, e três repetições. Determinou-se nas camadas do solo (0-10, 10-20 e 20-30 cm de profundidade) o teor e estoque de carbono orgânico total, carbono orgânico particulado, carbono orgânico associado aos minerais, teor e estoque de nitrogênio total e o teor de nitrogênio mineral. As variáveis estudadas foram submetidas à análise de variância pelo teste F e as médias foram comparadas pelo teste de Tukey, ambos, ao nível de 5% de probabilidade. Os teores e estoques de carbono orgânico total e suas respectivas frações, os teores de nitrogênio total e mineral do solo, além, dos estoques de nitrogênio total do solo, não foram alterados pelas alturas de pastejo e a área não pastejada. Todavia, na camada 0-10 cm, ocorreu aumento dos teores e estoques de carbono orgânico total, carbono orgânico associado aos minerais e redução do carbono orgânico particulado do solo, e, também, aumento dos teores e estoques de nitrogênio total entre o primeiro e o segundo ano de condução, sob plantio direto. Houve aumento dos teores de nitrogênio mineral após a colheita da soja para todas as camadas do solo.


Palavras-chave


resíduos vegetais, plantio direto, pastagem, Glycine max

Texto completo:

PDF

Referências


BARTHRAM GT. 1985. Experimental techniques: the HFRO sward stick. In: Biennial report of the hill farming research organization 1984/1985. Penicuik: Hill Farming Research Organization. p.29-30.

BATISTA I et al. 2013. Teores e estoque de carbono em frações lábeis e recalcitrantes da matéria orgânica do solo sob integração lavoura-pecuária no bioma Cerrado. Semina: Ciências Agrárias 34: 3377-3388.

BAYER C et al. 2004. Armazenamento de carbono em frações lábeis da matéria orgânica de um Latossolo Vermelho sob plantio direto. Pesquisa Agropecuária Brasileira 39: 677-683.

CAMBARDELLA CA & ELLIOT ET. 1992. Particulate soil organic matter changes across a grassland cultivation sequence. Soil Science Society of America Journal 56: 777-783.

CARMO FF do et al. 2012. Frações granulométricas da matéria orgânica em latossolo sob plantio direto com gramineas. Bioscience Journal 28: 420-431.

CARVALHO JS et al. 2016. Evolução de atributos físicos, químicos e biológicos em solo hidromórfico sob sistemas de integração lavoura-pecuária no bioma Pampa. Pesquisa Agropecuária Brasileira 51: 1131-1139.

CONCEIÇÃO PC et al. 2013. Combined role of no-tillage and cropping systems in soil carbon stocks and stabilization. Soil and Tillage Research 129: 40-47.

CONTE O et al. 2011. Densidade, agregação e frações de carbono de um Argissolo sob pastagem natural submetida a níveis de ofertas de forragem por longo tempo. Revista Brasileira de Ciência do Solo 35: 579-587.

CORDEIRO LAM et al. 2015. Integração lavoura-pecuária e integração lavoura-pecuária-floresta: estratégias para intensificação sustentável do uso do solo. Cadernos de Ciência & Tecnologia 32: 15-53.

COSTA NR et al. 2015. Atributos do solo e acúmulo de carbono na integração lavoura-pecuária em sistema plantio direto. Revista Brasileira de Ciência do Solo. 39: 852-863.

EMBRAPA. 2013. Tecnologias de produção de soja - Região Central do Brasil 2014. Londrina: Embrapa Soja. 265p.

FERREIRA ACB & LAMAS FM. 2010. Espécies vegetais para cobertura do solo: influência sobre plantas daninhas e a produtividade do algodoeiro em sistema plantio direto. Revista Ceres 57: 778-786.

FERREIRA DF. 2011. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia 35: 1039-1042.

FERREIRA JP et al. 2018. Atributos químicos e físicos de um latossolo em diferentes sistemas integrados de produção agropecuária. Boletim Indústria Animal 75: 1-17.

FIDALSKI J et al. 2013. Intervalo hídrico ótimo de um Latossolo Vermelho distrófico, após o primeiro período de pastejo contínuo de Brachiaria ruziziensis, em sistema integração lavoura-pecuária. Revista Brasileira de Ciência do Solo 37: 775-783.

FONTANA A et al. 2011. Avaliação dos compartimentos da matéria orgânica em área de Mata Atlântica. Acta Scientiarum. Agronomy 33: 545-550.

FREITAS L et al. 2017. Indicadores da qualidade química e física do solo sob diferentes sistemas de manejo. Revista Unimar Ciências 26: 1-18.

FREIXO AA et al. 2002. Estoques de carbono e nitrogênio e distribuição de frações orgânicas de latossolo do cerrado sob diferentes sistemas de cultivo. Revista Brasileira de Ciência do Solo 26: 425-434.

GONÇALVES CN et al. 2000. Sucessões de culturas com plantas de cobertura e milho em plantio direto e sua influência sobre o nitrogênio no solo. Revista Brasileira de Ciência do Solo 24: 153-159.

GUARESCHI RF et al. 2013. Frações da matéria orgânica em áreas de Latossolo sob diferentes sistemas de manejo no Cerrado do estado de Goiás. Semina: Ciências Agrárias 34: 2615-2628.

IAPAR. 1987. Instituto Agronômico do Paraná. Cartas climáticas básicas do Estado do Paraná. Londrina: IAPAR. 35p.

KUNRATH TR et al. 2015. Grazing management in an integrated crop-livestock system: soybean development and grain yield. Revista Ciência Agronômica 46: 645-653.

LOSS A et al. 2009. Carbono e frações granulométricas da matéria orgânica do solo sob sistemas de produção orgânica. Ciência Rural 39: 1077-1082.

LOVATO T et al. 2004. Adição de carbono e nitrogênio e sua relação com os estoques no solo e com o rendimento do milho em sistemas de manejo. Revista Brasileira de Ciência do Solo 28: 175-187.

MASCARENHAS ARP et al. 2017. Atributos físicos e estoques de carbono do solo sob diferentes usos da terra em Rondônia, Amazônia Sul-Ocidental. Pesquisa Florestal Brasileira 37: 19-27.

MARQUES TCLLSM et al. 2000. Envolvimento de dióxido de carbono e mineralização de nitrogênio em Latossolo Vermelho-Escuro com diferentes manejos. Pesquisa Agropecuária Brasileira 35: 581-589.

MELO VF et al. 2017. Qualidade química e biológica do solo em diferentes sistemas de uso em ambiente de savana. Revista Agroambiente On-line 11: 101-110.

MENDONÇA ES & LEITE LFC. 2006. Modelagem matemática e simulação da dinâmica da materia orgánica do solo. In: ROSCOE R et al. (Ed.). Dinâmica da matéria orgânica do solo em sistema conservacionistas – modelagem matemática e métodos auxiliares. Dourados: Embrapa Agropecuária Oeste. p.75-106.

MOTT GO & LUCAS HL. 1952. The design, conduct and interpretation of grazing trials on cultivated and improved pastures. In: 6 International Grassland Congress. Proceedings…Pennsylvania: State College. p.1380-1385.

PAVAN MA et al. 1992. Manual de análise química do solo e controle de qualidade. Londrina: IAPAR. 40p.

PRAGANA RB et al. 2012. Atributos biológicos e dinâmica da matéria orgânica em Latossolos Amarelos na região do Cerrado piauiense sob sistema plantio direto. Revista Brasileira de Ciência do Solo 36: 851-858.

RANGEL OJP & SILVA CA. 2007. Estoques de carbono e nitrogênio e frações orgânicas de latossolo submetido a diferentes sistemas de uso e manejo. Revista Brasileira de Ciência do Solo 31: 1609-1623.

RIBEIRO PH et al. 2011. Adubação verde, os estoques de carbono e nitrogênio e a qualidade da matéria orgânica do solo. Revista Verde: 6: 43-50.

ROSCOE R et al. 2006. Sistemas de manejo e matéria orgânica do solo. In: ROSCOE R et al. (Ed.). Dinâmica da matéria orgânica do solo em sistema conservacionistas – modelagem matemática e métodos auxiliares. Dourados: Embrapa Agropecuária Oeste. p.17-42.

ROSSI CQ et al. 2012a. Frações orgânicas e índice de manejo de carbono do solo em Latossolo Vermelho sob plantio de soja no cerrado goiano. Revista Brasileira de Ciências Agrárias 7: 233-241.

ROSSI CQ et al. 2012b. Frações lábeis da matéria orgânica em sistema de cultivo com palha de braquiária e sorgo. Revista Ciência Agronômica 43: 38-46.

SALTON JC et al. 2005. Matéria orgânica do solo na integração lavoura-pecuária em Mato Grosso do Sul. Dourados: Embrapa Agropecuária Oeste. 58p. (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento 29).

SANTOS HG dos et al. 2018. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 5.ed. Brasília: Embrapa. 590p.

SILVA AC et al. 2006. Dessecação pré-colheita de soja e Brachiaria brizantha consorciadas com doses reduzidas de graminicida. Pesquisa Agropecuária Brasileira 41: 37-42.

SILVA EF da et al. 2011. Frações lábeis e recalcitrantes da matéria orgânica em solos sob integração lavoura pecuária. Pesquisa Agropecuária Brasileira 46: 1321-1331.

SILVEIRA PM et al. 2005. Adubação nitrogenada no feijoeiro cultivado sob plantio direto em sucessão de culturas. Pesquisa Agropecuária Brasileira 40: 377-381.

SOUZA ED et al. 2008. Carbono orgânico e fósforo microbiano em sistema de integração agricultura-pecuária submetido a diferentes intensidades de pastejo em plantio direto. Revista Brasileira de Ciência do Solo 32: 1273-1282.

SOUZA ED et al. 2009. Estoques de carbono orgânico e de nitrogênio no solo em sistema de integração lavoura-pecuária em plantio direto, submetido a intensidades de pastejo. Revista Brasileira de Ciência do Solo 33: 1829-1836.

VEZZANI FM & MIELNICZULK J. 2009. Uma visão sobre a qualidade do solo. Revista Brasileira de Ciência do Solo 33: 743-755.

VILELA EF & MENDONÇA ES. 2013. Impacto de sistemas agroflorestais sobre a matéria orgânica do solo: Modelagem de carbono e nitrogênio. Coffee Science 8: 354-363.

VILELA L. et al. 1998. Calagem e adubação para pastagens na região do cerrado. Planaltina: Embrapa. 16p.

TEDESCO MJ et al. 1995. Análises de solo, plantas e outros materiais. 2.ed. Porto Alegre: UFRGS. 174p.

USDA. 1999. United States Department of Agriculture. Soil Taxononmy - a basic system of soil classification for making and interpreting soil survey. 2.ed. Washington: USDA. 871p.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711832019352

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171