Ganho genético após uma geração de seleção individual para peso final e variáveis morfométricas em tilápia

Bruno Corrêa da Silva, Natália da Costa Marchiori, Fabiano Muller Silva, Haluko Massago

Resumo


Este estudo teve como objetivo avaliar o ganho genético para peso final, e a influência da seleção em outras variáveis zootécnicas e morfométricas, de tilápias-do-nilo selecionadas dentro de diferentes grupos genéticos, após uma geração de seleção individual. Após a seleção, cinco grupos genéticos foram amostrados para realizar o estudo. Foram realizados dez acasalamentos em viveiros de 50 m², separadamente, para cinco grupos selecionados e cinco não selecionados (peixes amostrados da média de peso dos mesmos grupos genéticos para serem utilizados como controle), totalizando dez viveiros. De cada população foram acasaladas 30 fêmeas com 12 machos, totalizando 300 fêmeas e 120 machos. Após 21 dias, foram coletadas as nuvens, das quais 500 larvas por grupo genético foram amostradas, realizando a alevinagem em 10 tanques de 100 L, separadamente para cada grupo, seguido de recria em dez tanques-rede de 1 m³ dentro de um viveiro de 300 m². Posteriormente 30 tilápias (30,0±1,6 g) de cada grupo genético foram marcadas com transponder magnético, totalizando 300 animais. Estes foram distribuídos em três viveiros de 50 m², de modo a ficar 10 animais de cada grupo por viveiro. Após 140 dias de cultivo, os animais foram despescados para avaliação. A seleção individual realizada ocasionou um ganho do peso final do cultivo e no peso do filé de 8,4% e 9,5%, respectivamente. Além disso, os animais selecionados apresentaram aumento no comprimento total, comprimento padrão, altura corporal, largura corporal e comprimento de tronco. Já outras variáveis como sobrevivência do cultivo, rendimento de carcaça, rendimento de filé e comprimento de cabeça, não foram alterados pela seleção para peso final.


Palavras-chave


Oreochromis niloticus, melhoramento genético, ganho de peso, tanque escavado.

Texto completo:

PDF

Referências


ALLAMAN IB et al. 2013. Weight and morphometric growth of different strains of tilapia (Oreochromis sp). Revista Brasileira de Zootecnia 42: 305-311.

BARROSO RM et al. 2016. Gerenciamento genético da tilápia nos cultivos comerciais. Palmas: EMBRAPA. 64p.

BARROSO RM et al. 2017. Informativo Técnico: Mercado da Tilápia 10. Palmas: EMBRAPA. 6p. (Informativo Técnico).

BENTSEN HB et al. 1998. Genetic improvement of farmed tilapias: growth performance in a complete diallel cross experiment with eight strains of Oreochromis niloticus. Aquaculture 160: 145-173.

BENTSEN HB et al. 2017.Genetic improvement of farmed tilapias: Response to five generations of selection for increased body weight at harvest in Oreochromis niloticus and the further impact of the project. Aquaculture 468: 206-217.

BOSCOLO WR et al. 2001. Desempenho e Características de Carcaça de Machos Revertidos de Tilápias do Nilo (Oreochromis niloticus), Linhagens Tailandesa e Comum, nas Fases Inicial e de Crescimento. Revista Brasileira de Zootecnia 30: 1391-1396.

EKNATH AE et al. 1998. Selective breeding of nile tilapia for Asia. In: 6th World Congress on Genetics Applied to Livestock Production. Australia: University of New England Armidale 27: 89-96.

FAO. 2017. Food and Agriculture Organization of the United Nations. Fishery and Aquaculture Statistics, 2015 Roma: FAO Yearbook. 107p.

FÜLBER VM et al. 2010. Desempenho produtivo de três linhagens de tilápia-do-Nilo (Oreochromis niloticus) alimentadas com dois níveis de proteína. Acta Scientiarum. Animal Sciences 32: 77-83.

GJEDREM T. (Ed.) 2005. Selection and breeding programs in aquaculture. Dordrecht: Springer. 364p.

GJEDREM T. 2012. Genetic improvement for the development of efficient global aquaculture: a personal opinion review. Aquaculture 344: 12-22.

HALFEN GE et al. 2012. Caracterização molecular de plantéis de tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus L.) em Santa Catarina, Brasil. Journal of Biotechnology and Biodiversity 3: 21-29.

HILSDORF AWS et al. 2015. Desafios do melhoramento genético de organismos aquáticos. Panorama da Aquicultura 147: 36-43.

IBGE. 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produção da Pecuária Municipal 2015. Rio de Janeiro IBGE. 43: 1-49.

KUBITZA F. 2011. Tilápia: Tecnologia e planejamento na produção comercial. 2.ed. Jundiaí: Acqua Supre Com. Suprim. Aqüicultura. 316p.

KUBITZA F. 2015. Aquicultura no Brasil: principais espécies, áreas de cultivo, rações, fatores limitantes e desafios. Panorama da Aquicultura 150: 10-23.

LEONHARDT JH et al. 2006. Características morfométricas, rendimento e composição do filé de tilápia do Nilo, Oreochromis niloticus, da linhagem tailandesa, local e do cruzamento de ambas. Semina: Ciências Agrárias 27: 125-132.

MARCOS R et al. 2016. Weight gain and morphometric growth of genetically improved tambaqui (Colossoma macropomum). Semina: Ciências Agrárias 37: 2521-2527.

MASSAGO H et al. 2010. Growth performance of four strains of tilapia Oreochromis niloticus. Revista Acadêmica Ciências Agrárias e Ambientais 8: 397-403.

OLIVEIRA SN. 2011. Parâmetros genéticos para características de desempenho e morfométricas em tilápias do nilo (Oreochromis niloticus). Dissertação (Mestrado em Zootecnia). Maringá: UEM. 45p.

OLIVEIRA SN et al. 2014. Genetic parameters and morphometric characteristics of two generations from the GIFT strain of the Nile Tilapia. Semina: Ciências Agrárias 35: 3457-3468.

OLIVEIRA CAL et al. 2015. Avaliação genética de tilápias do nilo durante cinco anos de seleção. Pesquisa Agropecuária Brasileira 50: 871-877.

PONZONI RW et al. 2011. Genetic improvement of Nile tilapia (Oreochromis niloticus) with special reference to the work conducted by the WorldFish Center with the GIFT strain. Reviews in Aquaculture 3: 27-41.

PORTO EP et al. 2015. Respostas à seleção de características de desempenho em tilápia‑do‑nilo. Pesquisa Agropecuária Brasileira 50: 745-752.

SANTOS AI et al. 2011. Bayesian genetic parameters for body weight and survival of Nile tilapia farmed in Brazil. Pesquisa Agropecuária Brasileira 46: 33-43.

SILVA BC et al. 2017. Desempenho da piscicultura catarinense em 2015. Florianópolis: EPAGRI. 17p. (Documentos 268).

SILVA BC et al. 2018. Morphometric measurements and phenotypic correlations of the tilapia Gift (Oreochromis niloticus) after individual selection. Revista Agropecuária Catarinense 31: 38-40.

SILVA BC & MARCHIORI NC. 2018. Importância do Manejo Alimentar da Criação da Tilápia. Florianópolis: Epagri. 16p. (Informativo Técnico).

TURRA EM et al. 2013. Ferramentas para o melhoramento genético de peixes em água interiores. X Simpósio Brasileiro de Melhoramento Animal. Uberaba: SBMA. 12p.

WEBSTER CD & LIM C (Ed.). 2006. Tilapia: biology, culture, and nutrition. New York: The Haworth Press. 704p.

ZIMMERMANN S. 2003. Um moderno instrumental genético no melhoramento e na rastreabilidade de tilápias nilóticas. Panorama da Aquicultura 76: 69-71.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711812019103

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171