Quantificação do volume total por meio de modelos volumétricos e de afilamento em Eucalyptus grandis W. Hill ex Maiden

Klerysson Julio Farias, Marcos Felipe Nicoletti, Natália Saudade de Aguiar

Resumo


O presente estudo teve como comparar o desempenho das equações obtidas por meio de modelos volumétricos e de função de afilamento para obtenção do volume total individual com casca em povoamentos de Eucalyptus grandis, em Itatinga, SP. Para tanto, foram cubadas 180 árvores pelo método de Smalian. Após isso, foram selecionados e testados seis modelos volumétricos e quatro modelos de função de afilamento, sendo que para a seleção das melhores equações utilizaram-se os coeficientes de ajuste e precisão: R² ajustado, erro padrão da estimativa absoluto e em porcentagem e a análise gráfica da dispersão residual. Os melhores modelos de volumetria e afilamento foram submetidos ao teste qui-quadrado, a um nível de significância com 5% de probabilidade de erro, para verificar se existem diferenças significativas nas estimativas das equações. As equações volumétricas e de afilamento apresentaram bons valores de ajuste, grande maioria com R² ajustado maior que 0,95 e erros inferiores a 13%. As equações obtidas por meio do modelo de Meyer e do modelo Polinomial de 5º grau apresentaram os melhores desempenhos, sendo que após a análise pelo teste qui-quadrado ambos obtiveram valores calculados inferiores ao tabelado, indicando que tanto um quanto outro podem ser utilizados para estimativa do volume total das árvores.


Palavras-chave


análises estatísticas com R, produção florestal, cubagem, igualdade estatística entre modelos.

Texto completo:

PDF

Referências


AHRENS S & HOLBERT D. 1981. Uma função para forma de tronco e volume de Pinus taeda L. Boletim de Pesquisa Florestal 3: 37- 68.

ANDRADE VCL. 2014. Modelos de taper do tipo expoente-forma para descrever o perfil do fuste de árvores. Pesquisa Florestal Brasileira 34: 271- 283.

Farias et al.

Rev. Ciênc. Agrovet., Lages, SC, Brasil (ISSN 2238-1171) 40

ASSIS AL et al. 2002. Avaliação de modelos polinomiais não-segmentados na estimativa de diâmetros e volumes comerciais de Pinus taeda. Ciência Florestal 12: 89-107.

AZEVEDO TL et al. 2011. Equações hipsométricas e volumétricas para um povoamento de Eucalyptus sp. localizado na FLONA do Ibura, Sergipe. Revista Brasileira de Ciências Agrárias 6: 105-112.

FISCHER F et al. 2001. Exatidão dos modelos polinomiais não-segmentados e das razões entre volumes para representar o perfil do tronco de Pinus taeda. Ciência Florestal 11: 167-188.

GARCIA SLR et al. 1993. Análise do perfil do tronco de morototó (Didymopamax morototonii) em função do espaçamento. In: 1 Congresso Florestal Panamericano, 7 Congresso Florestal Brasileiro. Anais... Curitiba: SBS/SBEF. p.485-491.

GUIMARÃES DP & LEITE HG. 1996. Influência do número de árvores na determinação de equação volumétrica para Eucalyptus grandis. Scientia Forestalis 50: 37-42.

HRADETZKY J. 1976. Analyse und interpretation statistisher abräanger Keiten. (Biometrische Beiträge zu aktuellen forschungs projekten). Baden: Württemberg Mitteilungen der FVA. 146p. (Abt. Biometric und Informatik, 21).

KOZAK A et al. 1969. Taper functions and their applications in Forest inventory. Forestry Chronicle 45: 278-283.

MACHADO SA et al. 2008. Comportamento da relação hipsométrica de Araucaria angustifolia no capão da Engenharia Florestal da UFPR. Pesquisa Florestal Brasileira 56: 5-16.

MACHADO SA et al. 2004. Comparação de modelos de afilamento do tronco para diferentes idades e regimes de desbaste em plantações de Pinus oocarpa Schiede. Boletim de Pesquisa Florestal 48: 41-64.

MIGUEL EP et al. 2011. Modelos polinomiais para representar o perfil e o volume do fuste de Eucalyptus urophylla na região norte do estado de goiás. Revista Floresta 41: 355-368.

NICOLETTI MF et al. 2015. Exatidão de dendrômetros ópticos para determinação do volume de árvores em pé. Ciência Florestal 25: 395- 404.

NICOLETTI MF. 2017. Modelagem não linear mista e método bivariado para sortimento da produção de Pinus taeda L. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal). Curitiba: UFPR. 118p.

PEREIRA ARS et al. 2016. Modelagem volumétrica para Eucalyptus urograndis no Município de Porto Grande, Amapá, Brasil. Biota Amazônia 6: 10-14.

PRODAN M et al. 1997. Mensura Florestal. San Jose: IICA. 586p.

R DEVELOPMENT CORE TEAM. 2017. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Disponível em: . Acesso em: 05 jun. 2017.

SCHNEIDER PR. 1997. Análise de regressão aplicada à engenharia florestal. Santa Maria: UFSM/CEPEF. 217p.

SCHOEPFER W. 1966. Automatisierrung des massen, Sorten und Wertberechnung stenender Waldbestande Schriftenreihe Bad. Berlin: WurttForstl. n.p.

SILVA F et al. 2011. Equações de afilamento para descrever o volume total do fuste de Pinus caribaea var. hondurensis na região do Triângulo Mineiro. Scientia Florestalis 39: 367-376.

SILVESTRE R et al. 2014. Equações Volumétricas em Povoamentos de Pinus taeda L. no Município de Lages-SC. Revista Nativa, Sinop 2: 1-5.

STEPKA TF et al. 2017. Modelos volumétricos e funções de afilamento para Pinus taeda L. na região Dos Campos Gerais, Paraná, Brasil. Espacios 38: 26-34.

TÉO SJ et al. 2013. Modelos de afilamento para Pinus elliottii em diferentes idades, na região de Caçador, SC. Revista Floresta 43: 439-452.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711812019033

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171