Avaliação do desempenho agronômico da araruta (Maranta arundinacea) ‘Seta’ consorciada com crotalária

João Nacir Colombo, Janiele Cássia Barbosa Vieira, Marcelo Rodrigo Krause, Mário Puiatti, Ismail Ramalho Haddade

Resumo


A araruta, por ser uma hortaliça não convencional é apropriada a exploração familiar, havendo necessidade de se encontrar formas alternativas para tornar seu o cultivo mais sustentável. Objetivou-se avaliar o desempenho produtivo de rizomas e de amido da araruta ‘Seta’ cultivada em consórcio com a crotalária. O experimento constou de quatro tratamentos, correspondentes a três épocas de corte da crotalária associada com a araruta (90, 120 e 150 dias após a semeadura) mais o monocultivo da araruta. Utilizou-se o delineamento experimental de blocos casualizados, com quatro repetições. Nos cortes, avaliaram-se produção de massa de crotalária, conteúdo de macro e de micronutrientes no material cortado e a infestação por plantas invasoras. Na colheita da araruta, avaliaram-se produtividade e formato das classes de rizomas, teor de macro e micronutrientes, estimadas a exportação de nutrientes e a produção de amido pelos rizomas. Os cortes realizados aos 120 e 150 DAS, embora tenham veiculado maiores valores de massa e de nutrientes, proporcionou menores produtividades de rizomas grandes, total e de amido. O corte da crotalária aos 90 DAS proporcionou valores superiores aos cortes realizados aos 120 e 150 DAS para maioria das variáveis avaliadas, não diferindo do controle, inclusive para o amido. O consórcio proporcionou menor infestação por plantas invasoras. É agronomicamente viável a associação da crotalária com a cultura da araruta desde que o corte da leguminosa ocorra até 90 DAS.


Palavras-chave


Crotalaria juncea, adubação verde, amido, plantas invasoras.

Texto completo:

PDF (English)

Referências


CEREDA MP. 2002. Agricultura: tuberosas, amiláceas Latino Americanas, série: culturas de tuberosas, amiláceas Latino Americanas II. São Paulo: Fundação Cargill. 540p.

CESAR MNZ et al. 2007. Desempenho do pimentão em cultivo orgânico, submetido ao desbaste e consórcio. Horticultura Brasileira 25: 322-326.

ESPÍNDOLA JAA et al. 1997. Adubação verde: estratégia para uma agricultura sustentável. Rio de Janeiro: Embrapa. 20p.

FERRARI TB et al. 2005. Características dos rizomas e do amido de araruta (Maranta arundinacea) em diferentes estádios de desenvolvimento da planta. Brazilian Journal of Food Technology 8: 93-98.

GLIESSMAN SR. 2005. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. 3.ed. Porto Alegre: UFRGS. 654p.

GODIM ARO et al. 2007. Crescimento, partição de fotoassimilados e produção de rizomas em taro cultivado sob sombreamento artificial. Horticultura Brasileira 25: 418-428.

HEREDIA ZÁRATE NA & VIEIRA MC. 2005. Produção da araruta 'Comum' proveniente de três tipos de propágulos. Ciências e Agrotecnologia 29: 995-1000.

LEONEL M & CEREDA MP. 2002. Caracterização físico-química de algumas tuberosas amiláceas. Ciência e Tecnologia de Alimentos 22: 65-69.

MAPA. 2010. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo. Manual de hortaliças não convencionais. Brasília: ACS. 92p. Disponível em: http://www.abcsem.com.br/docs/manual_hortalicas_web.pdf. Acesso em: 21 set. 2017.

MOURA WM et al. 2005. Pesquisas em sistemas agroecológicos e orgânicos da cafeicultura familiar na zona da mata mineira. Belo Horizonte: EPAGRI. 46-75p. (Informe agropecuário 26).

OLIVEIRA FL et al. 2004. Desempenho do inhame (taro) em plantio direto e no consórcio com crotalária, sob manejo orgânico. Horticultura Brasileira 22: 638-641.

OLIVEIRA FL et al. 2005. Desempenho do consórcio entre repolho e rabanete com pré-cultivo de crotalária, sob manejo orgânico. Horticultura Brasileira 23: 184-188.

OLIVEIRA FL et al. 2011. Crescimento e acumulação de nutrientes em plantas de taro sob níveis de sombreamento artificial. Horticultura Brasileira 29: 291-298.

PEREIRA LC et al. 2011. Comportamento de cultivares de milho consorciados com Crotalaria juncea: estudo preliminar. Revista Brasileira de Agroecologia 6: 191-200.

PUIATTI M et al. 2015. Consorciação taro e crotalária manejada com corte rente ao solo e poda na altura do dossel. Revista Ceres 62: 275-283.

RIBAS RGT et al. 2003. Manejo da Adubação Verde com Crotalária no Consórcio com o Quiabeiro sob Manejo Orgânico. Rio de Janeiro: Embrapa. 4p. (Comunicado Técnico 59).

SOUZA JL & GUIMARÃES GP. 2013. Rendimento de massa de adubos verdes e o impacto na fertilidade do solo em sucessão de cultivos orgânicos. Bioscience Journal 29: 1796-1805.

SOUZA JL et al. 2015. Desenvolvimento de hortaliças e atributos do solo com adubação verde e compostos orgânicos sob níveis de N. Horticultura Brasileira 33: 19-26.

VARGAS TO et al. 2011. Influência da biomassa de leguminosas sobre a produção de repolho em dois cultivos consecutivos. Horticultura Brasileira 29: 562-568.

VIEIRA JCB et al. 2015. Desempenho da araruta ‘Viçosa’ consorciada com crotalária. Revista Brasileira de Ciências Agrárias 10: 518-524.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711812019065

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171