Plantas relatadas como tóxicas para ruminantes no semiárido nordestino

José Jailson Lima Bezerra, Vivyanne Santos Falcão-Silva

Resumo


Ao longo dos anos as intoxicações por plantas têm causado prejuízos significativos para os criadores de ruminantes de várias regiões do Brasil, afetando de forma direta o setor pecuário do país. Desta forma, objetivou-se realizar um levantamento com produtores, médicos veterinários, zootecnistas, engenheiros agrônomos e técnicos agrícolas sobre as principais plantas que causam intoxicações em ruminantes no Curimataú Paraibano. O presente trabalho foi realizado em cinco municípios da microrregião do Curimataú Ocidental Paraibano, incluindo Barra de Santa Rosa, Cuité, Damião, Nova Floresta e Sossego. As entrevistas foram realizadas por meio de três formulários estruturados, contendo indagações específicas sobre casos de intoxicações identificados na referida microrregião. Para a realização desta pesquisa, foram entrevistados 30 participantes (6 representantes de cada município) entre os meses de junho e outubro de 2016. A partir dos dados obtidos por meio das entrevistas, verificou-se que as principais plantas comprovadamente tóxicas do Curimataú Ocidental Paraibano, segundo os entrevistados, foram: Anadenanthera colubrina, Mascagnia rigida, Prosopis juliflora e Manihot glaziovii. Muitos entrevistados demonstram não conhecer o princípio tóxico de outras plantas presentes na região e citadas na literatura como responsáveis por intoxicações em ruminantes, tais como: Mimosa tenuiflora, Crotalaria retusa e a Solanum paniculatum. As plantas Physalis angulata e Ricinus communis foram mencionadas como tóxicas, mas estudos toxicológicos devem ser realizados para comprovar a toxicidade das mesmas. Tais resultados demonstram que são necessárias medidas profiláticas eficazes nas propriedades rurais, evitando, assim, a ocorrência de surtos e mortes de ruminantes.


Palavras-chave


animais de produção, intoxicações por plantas, semiárido brasileiro.

Texto completo:

PDF

Referências


AGRA MF et al. 2009. Flora da Paraíba, Brasil: Solanum L. (Solanaceae). Acta Botanica Brasilica 23: 826-842.

AMORIM SL et al. 2005. Intoxicação experimental por Manihot glaziovii (Euphorbiaceae) em caprinos. Pesquisa Veterinária Brasileira 25: 179-187.

AMOROZO MCM & GÉLY A. 1988. Uso de plantas medicinais por cablocos do baixo Amazonas Barcarena, PA, Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi 4: 47-131.

ARAÚJO LVC et al. 2004. Estimativa da produção de biomassa de um povoamento de jurema-preta (Mimosa tenuiflora (Willd.) Poiret. com cinco anos de idade. Biomassa & Energia 1: 347-352.

ARAÚJO JAS et al. 2008. Intoxicação experimental por Ipomoea asarifolia (Convolvulaceae) em caprinos e ovinos. Pesquisa Veterinária Brasileira 28: 488-494.

ARAÚJO MM. 2009. Estudo etnobotânico das plantas utilizadas como medicinais no assentamento Santo Antônio, Cajazeiras. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais e Ambientais). Patos: UFCG. 130p.

ASSIS TS et al. 2010. Intoxicações por plantas diagnosticadas em ruminantes e equinos e estimativa das perdas econômicas na Paraíba. Pesquisa Veterinária Brasileira 30: 13-20.

BARBOSA JD et al. 2003. Comparação da sensibilidade de bovinos e búfalos à intoxicação por Palicourea marcgravii (Rubiaceae). Pesquisa Veterinária Brasileira 23: 167-172.

BARBOSA JD et al. 2005. Intoxicações experimental e natural por Ipomoea asarifolia (Convolvulaceae) em búfalos e outros ruminantes. Pesquisa Veterinária Brasileira 25: 231-234.

BARBOSA RR et al. 2007. Plantas tóxicas de interesse pecuário: importância e formas de estudo. Acta Veterinaria Brasilica 1: 1-7.

BEZERRA CWC et al. 2012. Plantas tóxicas para ruminantes e equídeos da microrregião do Cariri Cearense. Ciência Rural 42: 1070-1076.

BRITO MF et al. 2004. A toxidez de diversas lantanas para bovinos e ovinos no Brasil. Pesquisa Veterinária Brasileira 24: 153-159.

CARVALHO GD et al. 2009. Principais plantas tóxicas causadoras de morte súbita em bovinos no estado do Espírito Santo-Brasil. Archivos de Zootecnia 58: 87-98.

COSTA RG et al. 2007. Caracterização dos rebanhos caprinos e ovinos na região semi-árida do estado da Paraíba. Revista Científica de Produção Animal 9: 127-136.

COSTA RLD et al. 2009. Um caso de intoxicação de bovinos por Enterolobium contortisiliquum (Timboril) no Brasil. Archivos de Zootecnia 58: 313-316.

DANTAS AFM et al. 2010. Malformações congênitas em ruminantes no semiárido do Nordeste Brasileiro. Pesquisa Veterinária Brasileira 30: 807-815.

FULLER TC & MCCLINTOCK EM. 1986. Poisonous Plants of California. Berkeley: University of California Press. 433p.

FIEP/SEBRAE. 2010. Federação das Indústrias do Estado da Paraíba/Serviço Brasileiro de Apoio às Micros e Pequenas Empresas. Campina Grande: FIEP/PB.

GALIZA GJN et al. 2010. Doenças do sistema nervoso de bovinos no semiárido nordestino. Pesquisa Veterinária Brasileira 30: 267-276.

GUARANA ELS et al. 2011. Intoxicação por Solanum paniculatum (Solanaceae) em bovinos. Pesquisa Veterinária Brasileira 31: 59-64.

IBGE. 2006. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. CENSO 2006. Disponível em: Acesso em: 15 dez. 2016.

IBGE. 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. CENSO 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2016.

LUCENA RB et al. 2010. Intoxicação por alcaloides pirrolizidínicos em ruminantes e equinos no Brasil. Pesquisa Veterinária Brasileira 30: 447-452.

MAHALAKSHMI AM & NIDAVANI RB. 2014. Physalis angulata L.: An ethanopharmacological review. Indo American Journal of Pharmaceutical Research 4: 1479-1486.

MAGALHÃES RMF et al. 2013. Plantas tóxicas de interesse pecuário encontradas na região nordeste do Brasil: Uma Revisão. Revista Brasileira de Higiene e Sanidade Animal 7: 79-102.

MEDEIROS MA et al. 2012. Utilização de vagens de Prosopis juliflora na alimentação de bovinos e equinos. Pesquisa Veterinária Brasileira 32: 1014-1016.

MELLO GWS et al. 2010. Plantas tóxicas para ruminantes e eqüídeos no Norte Piauiense. Pesquisa Veterinária Brasileira 30: 1-9.

MORAES NETO JM et al. 2007. Efeito dos eventos ENOS e das TSM na variação pluviométrica do semi-árido paraibano. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola Ambiental 11: 61-66.

NETO SAG et al. 2013. Inquérito epidemiológico sobre plantas tóxicas das mesoregiões Central e Oeste do Rio Grande do Norte. Ciência Rural 43: 1281-1287.

NOBRE VMT et al. 2005. Acute intoxication by Crotalaria retusa in sheep. Toxicon 45: 347-352.

OLINDA RG et al. 2015. Intoxicação por Enterolobium contortisiliquum em bovinos na região Nordeste do Brasil. Pesquisa Veterinária Brasileira 35: 44-48.

OLIVEIRA CA et al. 2009. Intoxicação por Ipomoea carnea subsp. Fistulosa (Convolvulaceae) em caprinos na Ilha do Marajó, Pará. Pesquisa Veterinária Brasileira 29: 583-588.

PESSOA CRM et al. 2013. Importância econômica, epidemiologia e controle das intoxicações por plantas no Brasil. Pesquisa Veterinária Brasileira 33: 752-758.

PESSOA DAN et al. 2015. Resistência à intoxicação por Amorimia septentrionalis em caprinos, induzida pela inoculação ruminal das bactérias Pigmentiphaga kullae e Ancylobacter dichloromethanicus. Pesquisa Veterinária Brasileira 35:125-128.

RIBASKI J et al. 2009. Algaroba (Prosopis juliflora): árvore de uso múltiplo para a região semiárida brasileira. Embrapa Florestas: INFOTECA-E. 8p. (Comunicado Técnico 240).

RIET-CORREA F et al. 2002. Importância do exame clínico para o diagnóstico das enfermidades do sistema nervoso em ruminantes e eqüídeos. Pesquisa Veterinária Brasileira 22: 161-168.

RIET-CORREA F. 2007. Plantas tóxicas e micotoxinas que afetam a reprodução em ruminantes e eqüinos no Brasil. Biológico 69: 63-68.

RIET-CORREA B et al. 2011. Intoxicação por Brachiaria spp. em ruminantes no Brasil. Pesquisa Veterinária Brasileira 31: 183-192.

RIET-CORREA F et al. 2012. A pecuária brasileira e as plantas tóxicas. Revista UFG 13: 83-91.

SANTOS JCA et al. 2008. Patogênese, sinais clínicos e patologia das doenças causadas por plantas hepatotóxicas em ruminantes e eqüinos no Brasil. Pesquisa Veterinária Brasileira 28: 1-14.

SANTOS JRS et al. 2012. Malformações, abortos e mortalidade embrionária em ovinos causada pela ingestão de Mimosa tenuiflora (Leguminosae). Pesquisa Veterinária Brasileira 32: 1103-1106.

SCHONS SV et al. 2012. Intoxicações por plantas em ruminantes e equídeos na região central de Rondônia. Ciência Rural 42: 1257-1263.

SILVA DM et al. 2006. Plantas tóxicas para ruminantes e eqüídeos no Seridó Ocidental e Oriental do Rio Grande do Norte. Pesquisa Veterinária Brasileira 26: 223-236.

SILVA IP et al. 2008. Intoxicação natural pelas folhas de Mascagnia rigida (Malpighiaceae) em ovinos. Arquivos do Instituto Biológico 75: 229-233.

SOTO-BLANCO B et al. 2004. Intoxicação natural de caprinos e ovinos por Palicourea marcgravii St. Hill. (Rubiaceae). Caatinga 17: 52-56.

SOUZA EJO de et al. 2010. Comportamento ingestivo e ingestão de água em caprinos e ovinos alimentados com feno e silagem de Maniçoba. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal 11: 1056-1067.

SOUZA RIC et al. 2010. Intoxicação por Brachiaria spp. em bovinos no Mato Grosso do Sul. Pesquisa Veterinária Brasileira 30: 1036-1042.

TORTELLI FP et al. 2008. Intoxicação por Ipomoea asarifolia em ovinos e bovinos na Ilha de Marajó. Pesquisa Veterinária Brasileira 28: 622-626.

TOKARNIA CH et al. 1999a. Estudos complementares sobre a toxidez de Lantana camara (Verbenaceae) em bovinos. Pesquisa Veterinária Brasileira 19: 128-132.

TOKARNIA CH et al. 1999b. Experimentos em bovinos com as favas de Enterolobium contortisiliquum e E. timbouva para verificar propriedades fotossensibilizantes e/ou abortivas. Pesquisa Veterinária Brasileira 19: 39-45.

TOKARNIA CH et al. 1999c. Estudos experimentais com plantas cianogênicas em bovinos. Pesquisa Veterinária Brasileira 19: 84-90.

VASCONCELOS JS et al. 2008. Intoxicação por Mascagnia rigida (Malpighiaceae) em ovinos e caprinos. Pesquisa Veterinária Brasileira 28: 521-526.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711812019202

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171