UMA ANÁLISE ACERCA DAS CLASSES EXPERIMENTAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO PAULISTA (1955-1964)

Leticia Vieira, Norberto Dallabrida, Gisela Eggert Steindel

Resumo


O presente texto tem por objetivo compreender o projeto das Classes Experimentais Secundárias de São Paulo, estado onde ocorreu o maior número de experiências desta natureza. O projeto de implementação destas Classes norteava-se pelo ideário escolanovista e era fomentado pelas discussões colocadas em circulação no cenário educacional brasileiro principalmente a partir da atuação do Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos (INEP) e seus intelectuais, e dos centros de pesquisa à ele subordinados. O recorte temporal do presente estudo compreende os anos de 1955 a 1964 e seu corpus empírico constitui-se principalmente por revistas e periódicos educacionais e boletins do INEP e seus Centros de Pesquisa, os quais foram publicados no recorte temporal em análise. A leitura desta questão será realizada principalmente a partir do conceito de apropriação, compreendido na perspectiva de Roger Chartier. Buscou-se, inicialmente, realizar um levantamento das experiências realizadas no Estado de São Paulo e as principais características de tais Classes, bem como levantar aspectos da legislação que norteou a experiência.


Texto completo:

PDF